Abrir menu principal

Desciclopédia β

Kano (Nigéria)

Nota: Para outros significados de Kano, ver Kano.

Kano é a capital de Kano e a segunda maior cidade da Nigéria (e a segunda mais fudida também). É aquela típica cidade que é melhor tomar distância.

Índice

HistóriaEditar

 
Se os becos de Kano metem medo até a luz do dia, imagine esses buracos a noite?

Kano é uma cidade muito antiga. Antiga o suficiente para ninguém saber quando surgiu, porém o fato é que infelizmente aquela bosta está ali.

Sabe-se que foi uma próspera cidade-estado haussa, atingindo o seu máximo esplendor nos séculos XVII e XVIII quando foi governada pela Dinastia Mussum.

O islamismo chega à cidade no século XVI. Trazido por Achmed, esta religião rapidamente foi assimilada pelo povo da cidade (porque do contrário eles teriam suas cabeças cortadas pelos árabes).

Kano foi capturada pelos fulanos em 1809, um povo que ninguém sabe de onde vieram, por isso decidiram nomeá-los como "fulanos" mesmo.

Em 1903 foi a vez dos britânicos dominarem a cidade, mas por Kano ficar muito lá para o interior na floresta, ela só fez parte do Reino Unido no mapa mesmo, porque na realidade continuou habitada pela linhagem de reis mussuns.

Durante o século XX foi a capital da República Popular de Nigéria do Norte rival de Biafra, durante a Guerra Civil Nigeriana. Como o resultado da guerra foi quase todo mundo morto, acabou que tudo aquilo se juntou e formou uma Nigéria só.

EconomiaEditar

É incrível como onde o muçulmano pisam, nasce petróleo. Kano é uma das raras cidades islâmicas na África e tem em seu subsolo uma vasta reserva de ouro preto. Todavia, toda essa riqueza vai para o bolso do presidente lá em Abuja, a população tem mesmo é que se sustentar caçando antílopes na savana.

GeografiaEditar

Kano é uma dessas cidades lá naquela floresta tropical no norte da Nigéria. Imagine apenas como se fosse uma cidade do Pará, só que habitada por 3 milhões de manos.

PopulaçãoEditar

Kano possui segundo o último censo, 3,7 milhões de habitantes, dentre os quais, segundo as estatísticas, 60% são manos, 35% são fulanos, 4% são gente branca perdida, e 1% são sheiks árabes bilionários e comedores de boceta.