Abrir menu principal

Desciclopédia β

Língua Presa (Raimundos)

Este artigo é sobre um HIT!

É uma música chata, repetitiva e seu vizinho adora. SOLTE O SOM!

Music madonna.jpg

Língua Presa (Raimundos) é um hit (ou não) do quinto álbum dos Raimundos, que de acordo com o Digão (que deve ser citado em todos os artigos sobre Raimundos) é o melhor álbum dos Raimundos porque sim e se vierem falar algo mais ele fala que é Chuck Norris, que desculpa esparrafada... porque recebeu um disco platina triplo.

ÓÓH! IT'S SHINNING!

Índice

O quê que tem essa música?Editar

 
Sapo Cururu para que algo aconteça antes de ir pro casamento.

Ótima pergunta! Para isso também deve haver uma ótima resposta... Tá certo não há! Mas é certo uma coisa, essa música foi para o repertório anônimo dos Raimundos, algo bastante comum pois muitos fãs não sabem metade das músicas dos Raimundos, nem mesmo eu sei, mas eu não sou fã dos Raimundos.

Bem, isso se ainda haver fãs deles.

Aliás, isso deve tê-los machucados...

Você pode até pensar "Então o cantor canta com língua presa?" E então você descobre que não, tudo bem, ninguém liga se os Raimundos cantem com ou sem língua presa que ela sempre vai estar barulhenta e bipolar, e se eles mudassem esse jeitinho ia decepcionar os fãs que gostam de músicas barulhentas como a deles.

E nem me fale da pornofonografia, então eles devem continuar com o ótimo trabalho.

PORÉM, algo inegável foi a plagiação dessa música.

O quê? Plagiação? Conta outra!Editar

 
  Como os raimundos fizeram uma música plagiada e ninguém reclamou? Simples meu caro, não há direitos autorais dessa música e agora eles estão cobrando direitos autorais por uma música do povo. Sim, você está sob efeitos de Drogas e falando com um sapo!  

Sim, mas é algo notável, Rodolfo Abrantes era um fã dos Ramones e colocou as músicas dele para encher o álbum e homenageá-los e até aproveitar e divulgar um pouquinho... Ou na verdade ele sabia que ninguém mais escutava Ramones e pegou algumas músicas deles e pôs no álbum.

Tem outras plagiadas, mas estou sem vontade de citar.

Porém, essa aqui é uma delas, o mais recente plágio antes e também mostra o que pode acontecer quando você deixa uma inocente música infantil com os Raimundos ou os deixa sozinho com um violão, dois pratos e uma caneca em um jardim de infância com os dizeres:

  Toquem essa musiquinha!  
Professora

Não foi um elogio a frase acima. Então para quem gosta de Língua Presa (ninguém gosta, irrita), a música, deve saber que está ouvindo uma música que teve seus direitos autorais rasgados, nunca existiram, sempre foram do povo, todo mundo conhece ou ele é usado como peso de papel, apesar de ser difícil fazer isso com uma folha.

Sim, a música dos Raimundos é baseada em uma música infantil SEM DIREITOS AUTORAIS e como eles só sabiam um trecho, tinham criado apenas dois parágrafos de música e rima original e precisavam acabar o álbum colocaram a música plagiada do "Sapo Cururu".

Incrível não? Sapo Cururu! Então, Digão que tava mais para boca solta na época, Rodolfo deu para ele a música para acabar e como ele só sabia uma coisa que rimava com Rio ele colocou...

 Vai pra Puta Que Pariu! 
Digão (Raimundos)

Grande criatividade digão! Continue assim e concorrerá ao VMB!

LetraEditar

 
Digão e Rodolfo copulando.

Começa assim... Sapo Cururu...

Sapo Cururu na beira do rio

Quando o sapo grita, ó Maninha, diz que está com frio

A mulher do sapo, é quem está lá dentro

Fazendo rendinha, ó Maninha, pro seu casamento

DE NOVO! Sapo Cururu! Na beira do rio

Então vai pra PUTA QUE PARIU!

Por quê?Editar

Se está perguntando porque eles fizeram uma música que plagiou uma música infantil, fez várias pessoas gostarem só porque pôs um palavrão no final é bem curtinha a resposta: Todo mundo gosta de palavrões, desde que os Raimundos estejam os falando. Bem, para consolar você eu vou puxar o saco da banda... Os raimundos são desbocados mas nos divertem.

Não gostou? Eu fiz o melhor que pude! Bem, pelo menos essa música tem clipe.

ClipeEditar

Nada mais do que um Troll Face... Galinha pintadinha records.