Abrir menu principal

Desciclopédia β

Lavras da Mangabeira

Lavras da Mangabeira é uma possessão paraibana dentro do Ceará que é considerado uma cidade cearense pela Wikipédia, localizada no Centro-Sul do estado, mais precisamente no Cariri, entre Iguatu e Icó e até da Paraíba. Por isso se quiser fazer algo nessas regiões e viver passeando (ou perambulando como lavrenses costumam dizer) more lá e seja feliz! É uma cidade alegre, onde todas as pessoas convivem bem (ou não), e atualmente anda muito bonita e conservada, diferente da capital, que é cheia de buracos e praças depredadas, pois aqui até os calçadões de pedra foram asfaltados e as praças bem enfeitadas. Aqui e acolá os pirangueiros de Fortaleza ou outra favela cearense vem assaltar o Banco do Brasil que existe lá, mas isso nunca irá tirar o brilho dessa terra! Lá o clima é quente, pelando o couro, mas frio perto do rio Salgado, por isso o povo adora tomar banho!

Município de Larvas da Mangueira
"Terra do Boquetão"
Bandeira de Lavras da Mangabeira.png
Bandeira
Aniversário 20 de agosto
Fundação 20 de agosto de 1816
Gentílico lavro-mangabeirense
Localização
Localização de Larvas da Mangueira
Estado link={{{3}}} Ceará
Mesorregião Quase Fim-do-mundo Cearense
Microrregião Larvas da Mangueira
Municípios limítrofes Cedro, Icó, Umari, Baixio, Ipaumirim, Aurora, Caririaçu, Granjeiro, Várzea Alegre
Distância até a capital 434Km km
Características geográficas
Área Não disponível
População Não disponível
Idioma (ou iNdioma como muitos lavrenses costumam pronunciar): caririense, tendo o lavrensês como um dialeto natural do mesmo
Densidade hab./km²
Clima cover do Inferno na sede da cidade e nas demais regiões; costuma ser frio com vento Aracati (não confundir com a cidade litorânea) no Boqueirão e nas beiradas do Rio Salgado
Indicadores
IDH 999,22...
PIB R$ 1907884
PIB per capita R$ 1 centavo

Cquote1.png Perdi meu All Star esquerdo nesse lugar, o direito deixei em Poranga (as meias um bando que torcia para um time que não pode ser mencionado roubou Cquote2.png
Diabo sobre Lavras da Mangabeira
Cquote1.png Boqueirão do Rio Salgado Cquote2.png
Google sobre Lavras da Mangabeira
Cquote1.png Não consegui eleger meu sobrinho Ildsser ao cargo de prefeito, e quem vai assumir é um velhinho! Cquote2.png
Prefeita (agora ex) Dena sobre não conseguir manter sua bancada na prefeitura da cidade
Cquote1.png Lavras da Mangabeira deve ser um lugar de muitas mangabeiras, que são árvores que dão mangas, quero ir lá comer! Cquote2.png
Carla Perez sobre Lavras da Mangabeira
Cquote1.png Carla Perez deve ser uma mulher muito burra e gostosa que dá a bunda, quero ir lá comer! Meu fí, aí é burra, maX tem unS quadriX do tamãim do mundo! Cquote2.png
Lavrense heterossexual sobre frase acima
Cquote1.png Oh Zefinha daX Dores, vá chamar ali Ciço Di Quintana Di Gaudino! Cquote2.png
Lavrense sobre chamar um conterrâneo ou qualquer pessoa pra conversar ou fazer qualquer outra coisa
Cquote1.png Marminino! Cquote2.png
Lavrense sobre qualquer coisa
Cquote1.png Pia aí! Agora sim! Cquote2.png
Mais bordões caipiras típicos de lavrense
Cquote1.png Vendo por 50 real! Cquote2.png
Tipica conversa de um lavrense com um politico

Índice

HistóriaEditar

Dizem que essas terras foram ocupadas com criações de gado e extrações de goiaba (daí as larvas), onde os desbravadores dessa terra fizeram uma miscigenação com índios locais e ambos viviam comendo mangabas, frutinhas de uma árvore chamada mangabeira, que existe no cerrado do Boquetão, mas quase ninguém mais se lembra dessas duas (árvore e fruta), porque geralmente as árvores que dão estas frutas estão do lado contrário ao do balneário, que nunca foi povoado, enquanto do lado povoado as mangabeiras nunca mais deram frutos carnosos, e depois de comer esses frutos os índios e brancos ficavam cheirando gatinhos entre as matas de cerrado e caatinga, numa suruba alucinante. Carla Perez quis procurar mangas no local, pois achava que mangabeira era árvore que dava manga (não seriam as mangueiras?! se bem que mangueira pra ela levar nunca faltou!), mas ninguém deu nenhuma pra ela porque ela disse que estava numa cidade da Amazônia, já que Lavras da Mangabeira é diferente de tudo ao seu redor (mas nem tanto como a inteligente em questão mencionou).

PolíticaEditar

Outra característica marcante de Lavras é que esta cidade compete com Sobral na categoria "quem fabrica mais políticos cearenses famosos", pois se os sobralenses fabricaram Cidoca Gomes e Ciro Gomes, os lavrenses fizeram Eunício Oliveira/Bebé (senador), Heitor Férrer (que agora vive em Fortaleza e se candidatou à prefeitura dela, mas perdeu e ficou chupando dedos) e Elmano Férrer, irmão do anterior que é político do Piauí agora (não confundir com aquele pirangueiro de Baturité que se candidatou em Fortaleza pela maconheira da Luizianne Lins e também perdeu pro Pinguim Roberto Cláudio).

A politicagem é o que domina a cidade, há muitas brigas bestas que gente sem noção faz por causa de políticos X ou Y, e os pobres cidadãos tem que ficar ligados em qual lado está mais favorável a ganhar qualquer eleição, pois a maioria dos lavrenses que trabalham em cargos da prefeitura são terceirizados e perdem o cargo se não votarem no prefeito certo.

DistritosEditar

Os distritos que prestam são Quitaiús (que tem o açude do Rosário que abastece a cidade e pereniza o Rio Salgado) e Mangabeira (perto da rodovia Transamazônica, sim ela passa por aqui, e do caminho pra Juazeiro), e os demais não tem porra nenhuma pra fazer a não ser coçar o saco diariamente. Vale salientar que muitos nas localidades não conhecem a capital do estado porque seus parentes saíram do Nordeste há tempos atrás e foram pra Sampa ser escravos procurar melhores condições de trabalho, e se alguém perguntar qual a capital do estado do Ceará, é muito provável que em vez de Fortaleza alguns digam Osasco.

PopulaçãoEditar

Lavras da Mangabeira é o lugar onde a maioria da população se acha a rola que matou o Cazuza, e os demais tem certeza disso. Se por acaso for avistado alguém fardado de Hollister ou Aeropostalle, ou uma guria de saia lá nos peitos e blusa transparente pode ter certeza que fugiu de Lavras da Mangabeira, o povo do Ceará que mais só anda na moda, mesmo que isso os façam ficar devendo 500 euros na Ravel (loja de importados local onde as roupas vem do beco da poeira e a dona coloca as etiquetas de roupa de griff).

Os tipos mais comuns na cidade são:

  • Cabras machos: Lavras da Mangabeira possui 60% de sua população como sendo cabras machos, já que muitos modismos levaram alguns rapazes alegres a revelarem esse lado (ou esconderem esse lado mais ainda, já que lá todo mundo da fé de tudo mesmo). Mas em compensação, cabra macho bonito é o que menos você encontrará lá, pois cabras machos feios correspondem a 99% da população, enquanto cabras machos bonitos correspondem a mísero 1% do total.
  • Mulheres bonitas: Correspondem a 70% de todas as lavrenses, que quando concluem o ensino médio, ou vão embora pra Juazeiro do Norte ou Fortaleza, sendo que as mais ou menos vão para Crato, todas fazer faculdade de Putologia e depois voltam phd na matéria. Coitadas das donas/mulezinhas, são obrigadas a dar o golpe da barriga porque não tem quase cabra bonito nessa cidade.
  • Gays: São cerca de 40% (olhe lá se num for mais), pois acabam revelando pra si mesmos seus desejos mais íntimos influenciados pela moda da TV, mas escondem isso de todo mundo, pois quase todo mundo ali é homofóbico (ou gay enrustido mesmo).
  • Mulher feia: Também chamada tramboio, tribufu, virada do avesso, entre outros, correspondem a 30% das lavrenses (como sempre, existem mais mulheres bonitas que homens). Essas aí quem quer mesmo são, os homens heteros só pra comer e jogar fora e os gays pra fingirem que são heteros, restando as solteironas convictas, vivem em festas de forró e num arrumam um parceiro fixo, por isso vivem sempre encalhadas e acabam ficando pra titia.

TransportesEditar

Em Lavras da Mangabeira você encontra muita moto, lá não é permitido ter um carro, mas caso não tenha uma moto você será excluído socialmente.

ComunicaçãoEditar

Pode faltar água, mas não há uma só casa na zona rural que não possua uma antena parabólica, de preferência da Century. E lá vive tendo festa, principalmente a do município, que é em agosto.

Rádio Vale do Salgado é a emissora de rádio mais famosa de lá, é uma AM de um empresário paraibano cheia de chuviscos e nomes de programas ridículos como "Bate-Papo Salgado", "Brincando com as Panelas da Vale" e "Jornal Salgado", além de possuir chamadas, patrocínios e e vinhetas toscas do tempo que tua avó tinha 5 anos de idade e o galão da gasolina era barato, diferente de hoje. Além disso, a emissora tem instalações altamente modernas - uma casa caindo aos pedaços, com portões de madeira infestados de cupins e outra madeira podre que escora a porta por dentro trancada com correntes de ferro enferrujadas.

Tem também a Rádio Boqueirão FM, uma rádio pirata, sua programação prestava, mas foi fechada muitos anos atrás.

A Rádio ELO, sim, você leu certo, ELO, e não "elo". Pessoas que não conhecem a cidade podem achar que esse nome se deve a algo maior, uma união, um elo de ligação entre as pessoas... Que menino, marminino, ELO significa tão somente a sigla de "Eunício Lopes de Oliveira" (não preciso dizer mais nada né).

CulturaEditar

 
Uma habitação em arquitetura típica de Lavras da Mangabeira.

A cidade em si só possui mais população que as cidades vizinhas (e diga-se de passagem atrasadas) Cedro e Várzea Alegre, e também possui uma vida cultural muito mais agitada que todas as outras cidades ao seu redor juntas. O que se nota muito são pessoas conversando miolo de pote e falando da vida alheia, e num há nada que você faça lá que alguém não saiba (roubar, dar o cu, entre outros).

Curiosamente, lá os povoados e localidades são bem mais animados que as próprias sedes dos distritos do qual estes fazem parte (basta você ir a Arrojado e Ouro Branco/Amaniutuba e comparar com as localidades ao redor pra perceber que nos distritos mesmo não tem porra nenhuma pra fazer).

IdiomaEditar

Em Lavras da Mangabeira todos falam que nem cearenses das cidades vizinhas do Centro-sul e do Cariri, potiguares, paraibanos e pernambucanos do oeste, pronunciando sempre o "di" como Di e o "ti" como Ti, com a língua tocando os dentes, e também só chiam no encontro de "s" com "d" e "t". Contudo, existem características bem peculiares no falar do lavrense, que já se tornou um dialeto conhecido como língua caririense.

Lavrense que é lavrense fala muito rápido assim como paraibano. Por causa de toda essa rapidez aqui e acolá, influenciado por modismos dos pirangueiros de Fortaleza, muitos lavrenses acabam intercambiando sua forma de falar o "di" e o "ti", por exemplo, é comum notar algumas frases como "Vou Ti ver às setchi da noiTi" e também querendo falar bonito o nome de uma operadora, nunca falam "Tim", sempre "Tchim", mas nunca vão falar como aquela mundiça da capital, que falam por exemplo "Ei mah, o negoço aqui é djjjjjiferentchi", enquanto os lavrenses sempre vão falar "Marminino, que negoço DiferenTi!"

Outra característica marcante de todo linguajar lavrense, é que assim como em Fortaleza se usa MAH (abreviatura de macho) pra qualquer coisa, em Lavras da Mangabeira se dá o mesmo tratamento a palavra MARMININO (junção das palavras macho e menino ou mas e menino): marminino isso, marminino aquilo, quando se está surpreso, feliz, admirado ou triste, marminino.

Quando se admiram, também falam oxe ou pia (e pia aí também). Se você conta uma coisa engraçada, o lavrense diz: "esssssssssa foi boa!" Se conta algo muito mais engraçado, o lavrense diz: "essssssssssa foi a melhor!" Quando você fala algo que deixa o lavrense sem resposta, ele responde: "esssssssa eu num aguento não!" Quando deixa um lavrense encabulado (sem graça), a resposta é: "esssssssa encabulou!"

Também é comum todo lavrense ter uma família com um sobrenome marcante, e ter pessoas com nomes bem parecidos. Ou seja, você lá vê muito Zé, Maria, Chico, Vicente, Ciço. Então pra diferenciar quem é quem, você tem que dizer todo sobrenome depois do nome dessa pessoa (haja paciência): Zé de Gaudino, Zé de Vicentino, Maria das Dores de Neguinha, Ciço de Doquinha, entre outros.

Lavrense também usa muita hipérboles quando se admira ou espanta com algo, isto é (pros desprovidos de inteligência): lavrense exagera em quase tudo o que fala! No português padrão uma frase que seria dita "Olhem só que mulher feia!", na fala dos lavrenses é dita "Marminino, pia aí, que mulher horrível é essa, meu fí? Parece que tá é do avesso!"

LazerEditar

Todo mundo ama tomar banho no Rio Salgado e no seu Boqueirão, pois talvez sem eles Lavras da Mangabeira num fosse Lavras da Mangabeira; o povo adora tomar banho no balneário e pular das pedras do Boqueirão, mas cuidado senão "faz um arte".

As festas de forró são as únicas opções de lazer dentro da cidade, onde boa parte da população que quer perder as pregas vai se mostrar para os outros, e as mulheres vão pra exibirem suas roupas do ano (ou mesmo do mês) umas pras outras e depois dar o bedegueba pros machos, e muitos machos pra exibir os carros, as motos e as bebidas, e acabam se embriagando e pegando a mulher alheia (que é uma galinha em pele de santa), corneando o filho dos outros, e depois arrumam brigas de risca-faca com direito a pistolagem.

TurismoEditar

  • Rio Salgado: O único ponto realmente turístico da cidade, que são os naturais, como o Rio Salgado e o que tem no meio dele (não a água, sua anta, apesar de esta ser bem refrescante) - a chapada do Boqueirão com seu cerrado e o balneário embaixo além de sua gruta (aconselha-se não entrar lá, pois é cheia de morcegos-vampiros, nem cientistas alemães renomados que foram lá conseguiram...), e as passagens molhadas do próprio rio e dos afluentes.
  • Centro de Lavras: Com a Igreja Matriz e os prédios históricos da sede, também embelezam a cidade, mas quem liga pra isso, o negócio do povo nesta cidade é politicagem, e a arquitetura e limpeza pública urbana lavrense só servem como discurso político em troca de voto (se um candidato a prefeito e seus asseclas, pra não dizer baba-ovos mesmo, sempre tentam convencer a população que a gestão vigente deixou as ruas imundas de lixo e os prédios caindo aos pedaços... só assim mesmo para eles conseguirem se eleger).
  • Banco do Brasil: Atração turística principal dos assaltantes, de 2 em 2 anos tem um grande roubo lá.
  • Parque do Povo: Lugarejo no Centro onde se encontra de tudo, de festas a parquinhos e prostitutas.
  • 4 Bocas: Bairro de maconheiro da cidade.