Abrir menu principal

Desciclopédia β

Loco Live

Capa da versão europeia do álbum, que foi aprovada pelo Conselho de proteção à moral da família soviética.

Loco Live foi o décimo-terceiro álbum lançado pela banda punk novaiorquina Ramones. Se você vem acompanhando todos os outros artigos sobre álbuns dos Ramones, provavelmente não aguenta mais ler esta introdução. Eu também estou cansado de escrevê-la assim, mas o Manual de Redação Descíclope, escrito pelo próprio Dr. Roberto, manda que todos os artigos sobre álbuns de figurinhas de música comecem deste jeito, então não há nada que eu possa fazer. Loco Live é também o segundo álbum ao vivo gravado pela banda, e por ser o de número 13 na contagem oficial, é considerado pelos músicos como de muita sorte.

Índice

Lista de músicasEditar

  1. The Good, the Bad and the Ugly (tema autobiográfico de abertura)
  2. Durango 95 - 1:59
  3. Teenage Lobotomy - 1:32
  4. Psycho Therapy - 2:12
  5. Blitzkrieg Bop - 1:44
  6. Do You Remember Rock 'n' Roll Radio? - 2:59
  7. I Believe in Miracles - 2:51
  8. Gimme Gimme Shock Treatment - 1:15
  9. Rock 'n' Roll High School - 1:49
  10. I Wanna Be Sedated - 2:09
  11. The KKK Took My Baby Away - 2:41
  12. I Wanna Live - 2:19
  13. Bonzo Goes to Bitburg - 2:52
  14. Too Tough to Die - 2:15
  15. Sheena Is a Punk Rocker - 1:47
  16. Rockaway Beach - 2:03
  17. Pet Sematary - 2:56
  18. Don't Bust My Chops - 2:17
  19. Palisades Park - 2:12
  20. Mama's Boy - 2:08
  21. Animal Boy - 1:54
  22. Wart Hog - 1:35
  23. Surfin' Bird - 2:29
  24. Cretin Hop - 1:24
  25. I Don't Wanna Walk Around With You - 1:11
  26. Today Your Love, Tomorrow the World - 1:42
  27. Pinhead - 2:39
  28. Somebody Put Something in My Drink - 2:37
  29. Beat on the Brat - 2:14
  30. Judy Is A Punk - 1:55
  31. Chinese Rocks - 2:02
  32. Love Kills - 1:56
  33. Ignorance Is Bliss - 3:11

História do álbumEditar

 
C. J. Ramone, eleito pela revista Caras o baixista mais sexy a tocar no Ramones em 1991.

Empolgados com a chegada do baixista C. J. Ramone, que por ter praticamente a metade da idade dos demais começou a atrair moças que queriam se encontrar com os membros da banda no camarim, os Ramones resolveram rodar o mundo em turnê. Não que eles tivessem algo de novo para mostrar, já que o álbum anterior, Brain Drain, havia sido lançado dois anos antes, mas porque estavam com preguiça de compor músicas novas e tinham que ocupar prateleiras nas lojas de discos para não perder espaço para outras bandas punk como Offspring, Green Day e NXZero.

Assim, para mostrar como eram famosos e rodados, os Ramones resolveram gravar um show em Barcelona, na Espanha. Mas esta é a versão oficial. Na verdade, o show barcelonense foi o que acabou sendo gravado porque o governo dos Estados Unidos havia proibido os músicos de se apresentarem ao vivo no país, já que o rosto de Joey Ramone era considerado horrendo demais para ser exposto ao público sem causar danos psicológicos permanentes. Os europeus, no entanto, como são mais permissivos, não se importavam com o fato (afinal de contas, um povo que não liga pra mulheres com cabelo no sovaco não há de se horrorizar com muita coisa).

O showEditar

Como os músicos não tinham dinheiro para pagar um hotel em Barcelona, tinham que montar o show, tocar e ir embora no mesmo dia, o que explica a velocidade superior à da luz (embora ainda inferior à da vontade de cagar) com que as músicas são apresentadas. É possível perceber que, a partir de determinado momento, o guitarrista Johnny Ramone passa a tocar apenas uma nota, por não conseguir acompanhar os outros músicos. No entanto, como ele fez apenas isso nos 20 anos anteriores, ninguém prestou muita atenção.

As músicas secretasEditar

Por serem leitores ávidos de Dan Brown, os músicos resolveram incluir canções escondidas no álbum, para que os fãs dissessem que os Ramones também faziam parte da teoria da conspiração. Assim, a versão americana contém três faixas-bônus, tocadas no intervalo entre as músicas: Carbona Not Glue, que foi banida dos EUA por estimular o cheiramento de gatinhos, Besame Mucho, tocada em ritmo punk, em homenagem à Argentina (país em que a banda acreditava estar durante o show) e My Little Fingers, versão para o grande sucesso de Eliana, que encantou o público americano no início da Década de 90. Como tudo que é secreto, é praticamente impossível encontrar esta versão do álbum. Na verdade, é mais fácil encontrar a revista Playboy em que a Xuxa posou pelada com o Pelé do que este disco.

RepercussõesEditar

O álbum serviu para trazer os Ramones novamente para as lojas de discos, depois de anos de ostracismo. Além disso, deu a eles um tempinho a mais para preparar Mondo Bizarro, o superproduzido álbum que veio a seguir mas ao qual ninguém deu atenção.