Abrir menu principal

Desciclopédia β

Luanda

Bandeira de Angola.png Camone, esse mambo de Desciclopédia é bué fixe

Este artigo é mwangolé. O muadiê que escreveu isso aqui é um cunanga liambista, por isso o artigo está malaike. Se és matumbo ou calhau, baza e vai ver a kitata da sua cota.


Cquote1.png Experimente também: Lama Cquote2.png
Sugestão do Google para Luanda

Luanda é a gloriosa capital da Angola (que azar) é a cidade mais desorganizada de África que se tem notícia. Assemelha-se muito ao Rio de Janeiro por suas belezas e mais recentemente pela bandidagem, das favelas, do tráfico de drogas, samba e afins.

Índice

HistóriaEditar

 
Um lago em Luanda... De deixar o Rio Tietê com inveja.

Luanda foi fundada como capital do Antigo Reino Conga-Conga, uma antiga linhagem do motumbo que dominou a oeste africano.

No século XV porém, inúmeros europeus deram as caras por ali, atraídos por histórias de minas infinitas de prata espalhadas pela rainha da Inglaterra. Esse boato mexeu com o imaginário popular de inúmeros piratas que fizeram de Luanda sua casa e a rainha havia com sucesso vendido gato por lebre, mantendo distante essa corja da Europa. Luanda foi crescendo e as minas de prata infinita não eram encontradas, os colonos foram criando botecos para passar o tempo bebendo, hoje esses botecos são uma marca registrada da cidade.

Com o tempo, traídos pela fantasia das minas de prata infinita, os colonos para se vingarem começaram a usar os nativos como moeda de troca, e assim surgiu o tráfico negreiro e escravatura. Os povos ibéricos convenceram os negros do bom negócio com uma grande confraternização regada a rap e hip hop, e no final ofereceram amigavelmente passagens grátis só de ida para um país tropical e paradisíaco, o Brasil onde as mulatas dançam funk sem calcinha. Maravilhados os negros aceitaram o negócio.

Depois de séculos sendo explorado na merda, Luanda consegue a independência como capital da Angola, mas nada muda, a cidade continua uma grande merda.

EconomiaEditar

Economia que já foi uma das mais fortes do mundo graças à escravidão, infelizmente com a proibição disto Luanda afundou economicamente, é graças à Luanda que o Brasil teve o Pelé.

Luanda também é um bom estuário para os navios de pirataria do mundo inteiro que desde os tempos longínquos fazem as mais variadas trocas nos portos da cidade, desde peixe seco, sal, café, maconha e petrodólares.

PopulaçãoEditar

 
Bairro nobre, servido de um avançado sistema de distribuição de lama medicinal na porta das casas.

Luanda tem seus habitantes famosos por serem preguiçosos, lembrando ligeiramente os brasileiros. Andam sempre "paiados" (drogados) e "fubados" (intoxicados por comerem muita farinha de mandioca ou fubá).

CulturaEditar

Luanda é uma cidade de crendices fortes. O seu maior é a existência de sereias que vagueiam no mar cantando B. B. King, embora estudos recentes indiquem que tudo isso não passa de alucinações do povo derivada do grande consumo de álcool per capita.

TurismoEditar

Cidade reconhecida em toda Angola por suas tradicionais tabernas e bares antigos do século XVIII onde todos podem ir afogar as mágoas. É apelidada como "A Paris da África" apenas trocando os queijos e vinho por vira-latas encoxando sua canela e lama e as belas francesas sensuais por tias gordas com pelo na axila, mas mantendo os preços extorsivos de qualquer coisa. Se em Nova York uma pizza chega mais rápido que uma ambulância, em Luanda uma pizza custa o mesmo que uma ambulância.

Os churrascos feitos na praia são uma tradição à parte que todo turista deve acompanhar.

FestasEditar

As maiores festas de Luanda ocorrem quando grandes chuvas abatem Luanda criando enchentes de deixar São Paulo com inveja. Nessas épocas de festa é decretado feriado por vários dias, as ruas ficam enlameadas, os quintais das casas viram piscinas para a recreação da criançada é uma grande festa. Os habitantes adoram esses dias, ninguém trabalha, ninguém vai à escola, os gatunos aproveitam para assaltar lojas, o povo aproveita para finalmente tomar banho, pois não é permitido ir à praia segundo as lendas kiandas a praia é um local sagrado.