Abrir menu principal

Desciclopédia β

Lutécio
Lutécio.jpg
Um pedaço irrelevante de Lutécio
Símbolo, número Lu, 71
Série Lantanídio-não-convicto
Principal isótopo 175Lu
Propriedades atômicas
Massa atômica 174,9668(1) cus
Dureza Desconhecida
Nível de radioatividade Desconhecida
Nível de toxicidade Desconhecida
Propriedades físicas
Comestível? Desconhecida
Inalável? Desconhecida
Posso passar na pele? Desconhecida
Onde encontrar Monazita
ponto de fudição Dado irrelevante
ponto de rebuliço Dado irrelevante
Coisas de quadrinhos
Probabilidade de te transformar num super-herói Nula



Lutécio é o último dos lantanídios, e portanto aquele que é mais esquecido dentre o grupo dos metais mais esquecidos da natureza, porque os poucos que se importam com os lantanídios, vão conhecer primeiro o lantânio, depois o praseodímio, chegando no máximo ao promécio e desistindo antes mesmo de chegar no elemento 69. Por isso o lutécio é tido hoje como o elemento químico mais irrelevante de toda a tabela periódica.

CaracterísticasEditar

Numa tentativa desesperada de conseguir mais reconhecimento, comumente o lutécio gosta de se dizer um metal de transição, o que é uma grande mentira pois todo metal de transição tem utilidades bem definidas, algo que o lutécio não tem, por isso na verdade ele é um lantanídio não-convicto, o único elemento dessa categoria.

É o lantanídio mais duro, mas isso nãos erve de nada, já que é possível fazer lugas metálicas duras e resistentes sem precisar lutécio, por isso sua dureza mais atrapalha do que ajuda, fazendo-o ser o lantanídio mais difícil de se obter. Tão difícil que fizeram isso só uma vez até hoje na história da humanidade.

HistóriaEditar

O lutécio foi teorizado em 1878 por um químico reconhecidamente desocupado chamado Jean-Charles Marignac. A sua grande contribuição para a química foi ter inventado nomes idiotas para os elementos dos números 57 ao 71. Mas como obtê-los era mais difícil que passar o setembro inteiro sem se masturbar, por muitos séculos o elemento ficou existindo só na teoria. Somente em 1946 foi isolado, e pelo motivo de porra nenhuma, tanto que o feito irrelevante foi esquecido e ninguém nem sabe o químico que fez isso.

AplicaçõesEditar

O lutécio, por causa de uma tendência tão proeminente na composição dos minerais na Terra, é muito importante para o ser humano. Isso vai de acordo com o princípio de que quanto mais abundante algo é, menos precisamos dele, e basta ver o nitrogênio e sua baixa utilidade para nosso organismo em relação à sua abundância na atmosfera. Seguindo esta lógica, a ingestão de lutécio teria a capacidade de curar qualquer tumor cancerígeno de origem não sinovial, mas o problema é que este elemento só existe na fosfoetanolamina (C2H8NO4PLu). O uso de lutécio não é, no entanto, completamente seguro, porque suas conexões covalentes com o nitrogênio podem se tornar inertes e gerar explosões. Por isso não deve ser inalado ou fumado.