Abrir menu principal

Desciclopédia β

Manos - As Mãos do Destino

Exorcista.jpg
Este artigo é sobre um filme de terror!

É melhor nem lê-lo, a menos que queira encontrar a menina do exorcista. Se vandalizar, a Samara virá te comer pegar daqui à 7 dias!


Manos: The Hands of Fate
Manos: Os Manos do Destino (BR)
Fans of the hate.png
EUA
1966 • cor • 74 minutos que parecem 10 anos
Direção Hal Warren
Roteiro Uns desconhecidos aí
Elenco *Belchior - Mestre
*Cristiana Oliveira - Margaret
*Antônio Fagundes - Torgo
Gênero Terror terrível


Cquote1.png É chocante! Vai além da sua inteligência! Cquote2.png
Slogan teatral do filme

Cquote1.png A mulher é tudo o que queremos. Os outros devem morrer. Todos eles devem morrer. Nós nem queremos a mulher! Cquote2.png
Uma das esposas do Mestre mostrando ter tanta coerência quanto a direção do filme

Manos: The Hands of Fate (em português: Alguém sabe traduzir essa merda? ou Mangos: The Cans of Fruit pelo próprio elenco da obra) é uma tentativa de filme lançada em 1966. É um filme tosco, muito tosco. Perto dele, Plano 9 do Espaço Sideral pode ser considerado O Poderoso Chefão dos anos 60. Mas sério, essa bagaça é tão ruim, mas tão ruim, que se eu expressar isso com palavras, faria toda uma ode e gastaria muitos caracteres, assim o artigo ficaria tão monótono quanto esse filme.

ProduçãoEditar

 
O impagável Torgo cumprindo com a sua tarefa de cuidar da bunda da Margaret do lugar enquanto o Mestre não está.

Certa vez, no ano de 1966, um vendedor de adubo - ou seja, cujo emprego era literalmente uma merda - chamado Hal Warren, estava num boteco texano com o amigo roteirista Stirling Silliphant, e numa clássica partida de truco valendo o toba apostou que faria um filme a preço de banana que revolucionaria o cinema de terror. Se bem que ele poderia ter tido outras ideias melhores, como por exemplo tentar descobrir quem matou o Mar Morto, mas agora o estrago já está feito, infelizmente (com ênfase no infelizmente).

O roteiro foi iniciado num guardanapo, não custa nada ressaltar que não foi passado a limpo.

E lá foi o nosso herói atrás de equipamentos. Ele tinha a bagatela de 19 mil dólares, que com a inflação da época não comprava nem uma fita de vídeo. Visionário que é, arranjou logo uma câmera Bell & Howell, de 1840, que só filmava incríveis 30 segundos por take. 30 SEGUNDOS!! E ainda por cima a câmera não tinha som. Três pessoas cuidaram da dublagem, portanto se você ouvir uma conversa entre Michael e o policial onde Michael fala consigo mesmo não se surpreenda, isto é Manos!

Como o pagamento aos atores viria da bilheteria, ninguém foi pago além de Debbie, que ganhou uma bicicleta, e o cachorro do Mestre, que por ser o melhor ator do filme ganhou seu merecido saco de ração.

Elenco que foi torturado nesse filmeEditar

Para os neo-ateus que preferem acreditar em mentiras, os supostos experts da Wikipédia têm um artigo sobre: Manos - As Mãos do Destino.
  • Cláudio Marzo - Michael, o pai e protagonista. Cuida tão bem de sua família quanto uma raposa cuida de um galinheiro.
  • Cristiana Oliveira - Margaret, a mãe e MILF portanto. Única que parece ter algum bom senso.
  • Antônio Fagundes novinho - Torgão, o caseiro com os maiores joelhos do mundo
  • Maísa - Debbie
  • Belchior no auge da carreira - O Mestre

HistóriaEditar

  ATENÇÃO! O texto abaixo pode conter (ou não) um ou mais SPOILERS!

Ou seja, além de deixar o artigo com mais pressão aerodinâmica nas retas e mais estável nas curvas de alta, ele pode revelar, por exemplo, que Mileena não é a gêmea de verdade de Kitana, ou que Darth Vader é pai de Luke Skywalker.

 
 
  MWAHAHAHAHAHA! Eu sei que tudo isso é uma péssima ideia e que eu atuo tão bem quanto um poste mas vou continuar, talvez o governo me dê um Bolsa Família!  

O filme conta a história de uma família que resolveu fazer uma viadagem de férias justamente no pior lugar do Texas: o deserto de El Paso! A família em questão é formada por Michael, o pai bunda-mole irresponsável; Margaret, a esposa neurótica chorona e a única que parece ter algum sentido em todo o filme; Debbie, a filhinha clichê, e Peppy, o poodle de estimação totalmente desnecessário à trama. Eles aparecem inicialmente no carro, com Michael dirigindo. Aliás, como aparecem. SÃO 9 MALDITOS MINUTOS só com cenas de direção! E isso porque o filme está só começando...

Os 9 minutos de tortura são interrompidos por um casalzinho que se beija durante o filme inteiro, eu disse o filme inteiro, e não acrescenta porra nenhuma no enredo, porém não é a última vez em que os vemos, afinal é de Manos que estamos falando.

Depois de muito dirigir (e é importante ressaltar que ele dirige como se não houvesse o amanhã, embora Renato Russo afirme que na verdade não há), a turminha encontra aquela típica habitação de filmes de terror: no meio do nada, silenciosa, quase vazia. Quase, porque é aí que aparece o lendário Torgo, o caseiro da casa, que cuida do lugar enquanto o mestre não está. O Mestre, por sua vez, é um cover frustrado do Frank Zappa que pra sobreviver resolveu que seria o líder de um culto pagão nefasto cujo objetivo é sacrificar o pai bundão e tomar a mãe e a filha pequena como esposas (WTF?).

E é aí que começa essa fantástica aventura cheia de terror, suspense, mistério, erros de edição, dublagem sofrível, cortes e mais cortes além dos diálogos absurdos. O final, é claro, você só vai saber se passar pelo verdadeiro desafio que é assistir essa bosta.

v d e h

Os piores filmes do mundo!