Marechal Candido Rondon

(Redirecionado de Marechal Rondon)

Nota: Este artigo fala do sertanista. Para outros significados consulte Marechal Rondon (desambiguação).
Exercito da desciclopedia.jpg Atenção, cadete:

Este artigo é militar e possui muita garra para passar pelas adversidades do inimigo! Melhore-o capinando seu mato, mas se vandalizar, você vai pagar 50 flexões!

Caboco.jpg Bem-vindo à selva!

Este artigo é sobre algo ou alguém localizado no meio do mato e vai te levar para o Lado Verde Escuro da Força. Se vandalizares, Rambo vai descarregar a metralhadora no meio da tua fuça!


Mira, hermano! O mais famoso desbravador da Amazônia agora em sua filial argentina!

Cquote1.svg Você quis dizer: Carretas RANDON??? Cquote2.svg
Google sobre Marechal Candido Rondon

Cquote1.svg Acre? Onde? Eu só cheguei em Rondônia Cquote2.svg
Marechal Rondon

Stand do Marechal Rondon na Expo-Rondônia

Cândido Voltaire Mariano da Silva di Camargo & Luciano Rondon (1865-1965) ou Marechal Rondon foi o sertanista que descobriu Rondônia.

Entre muitas coisas, o Rondon foi um viado Marechal sem nunca ter participado de conflitos armados ou mesmo ido para uma escola militar, as más línguas comentam que ele foi dando o fiofó até conseguir a sinecura de Marechal, as boas línguas falam que ele só fazia isso no mato, na cidade ele era uma moça. Entre muitas sinecuras do Rondon constam: Diretor-Presidente do Serviço de Proteção da Malandragem dos Índios, embora não soubesse onde ficava a sede; Superintendente e afundador da Fundação do Parque Nacional Indígena do Xingu, cujo território adquiriu com dinheiro público a grileiros por preço superfaturado, notabilizou-se por nunca ter dado um dia de serviço na Fundação; Diretor-Geral do Museu do Índio, que só saiu do papel quando o Rondon morreu.

O Rondon era um cara muito zen, vangloriava-se de nunca ter trabalhado na vida, mas ficou muito decepcionado porque Rondônia não fez tanto sucesso quanto o Acre, um lugar que não existe.

Obras atribuídas ao Rondon ou a seus namorados:

1. Entre 1892 e 1898 ajudou a construir as linhas telegráficas de Mato Grosso a Goiás, entre Cuiabá e o Araguaia, e uma estrada de Cuiabá a Goiás. A obra foi embargada pelo TCU de Prudente de Moraes por superfaturamento.

2. Entre 1900 e 1906 dirigiu a construção de uma linha de fibra ótica, entre Cuiabá e Corumbá, alcançando as fronteiras de Paraguai e Bolívia. A obra foi embargada pelo TCU de Campos Salles porque a fibra ótica ainda não tinha sido inventada.

3. Em 1906 encontrou as ruínas do Coliseu romano, a maior relíquia histórica de Rondônia, mas, o Rondon foi preso e processado por contrabandear as relíquias para o Paraguai sem pagar a parte da polícia.

4. Colaborou com a construção da Ferrovia Madeira-Mamoré dando apoio moral e aulas de autoajuda para que os trabalhadores não se importassem com o sol e mosquitos. Morreram todos de malária e insolação, mas fazer o quê? Diria o Bolsonaro séculos depois.

Rondon foi profundamente hostilizado por Getúlio Vargas que como bom gaúcho estava preocupado com a integração daquela indiada feia, desdentada, fedorenta, mamadora do bolsa-índio e analfabeta do Norte no Brasil ariano e sulista.

O rosto de Rondon estampava a nota de mil cruzeiros. Frustrado com sua carreira de sertanista, Rondon fez sucesso montando uma fábrica de tratores e caminhões pesados. Por um erro de registro lamentável, contudo, a fábrica foi registrada como RANDON, o que infelizmente depõe contra o ego do genial sertanista. Hoje ainda existem parentes do mesmo no estado do Amazonas e em Belo Horizonte, Minas Gerais, que adoram se esnobar, digo, mostrar suas origens ainda que quase todos especialmente os de "Belzonte" estão quebrados e mais pobres do que o Lula antes de virar presidente.