Mary Wollstonecraft

002.png Este artigo pode levar-te para o Lado Azul da Força!

Este artigo contém fatos sobre sapatas e gosta de Fórmula Truck.

LesbianKiss1.jpg
Feminazi.png Este artigo é feminista!

Provavelmente ele se trata de alguém que o pai foi comprar cigarro durante a Copa de 2002 e nunca mais voltou, e foi criado por uma maconheira de DCE.

Não vandalize, ou a Rihanna vai te matar.

Cquote1.svg Mulheres precisam de peixe da mesma forma que os homens precisam de uma bicicleta[...] Cquote2.svg
Mary Wollstonecraft sobre e sua visão holística do feminismo

Mary Wollstonecraft, mulher patriota (Londres, 27 de Abril de 1759 - Londres - 10 de Setembro de 1797). Muito antes de Madonna, muito antes de queima de sutiãs em praça pública, muito antes da Maria da Penha, Mary Wollstonecraft foi a primeira mulher do mundo que contestou a autoridade masculina no mundo, de lá para cá, só deu merda no mundo.

InfânciaEditar

 
Mary Wollstonecraft, a primeira lésbica assumida da história.

Nasceu em Londres, filha de um pai maluco que a espancava e estuprava diariamente, e uma mãe irlandesa fanática religiosa que lavava sua mente com aquele besteirol religioso, Mary Wollstonecraft não só adquiriu um ódio por homens, como também acreditava fielmente que iria para o Inferno, essa infância contribuiu para a formação conturbada da personalidade da pequena Mary.

 
Ela foi uma das notáveis que usavam a saudação romana.

Aos 19 anos fugiu de casa, e deu o golpe do baú num velho magnata, ficando com sua herança e podendo assim, passar o resto de sua vida sem trabalhar (algo que os homens fazem) e escrevendo coisas estranhas, típicas de feministas. As suas experiências sexuais obviamente frustrantes com o velho e anteriormente com seu pai, moldaram Mary como lésbica.

CarreiraEditar

 
Wollstonecraft é a responsável da inclusão da mulher em todos setores de trabalho. Na foto, uma mulher policial.

Em sua carreira profissional tornou-se uma humorista feminista e inventou praticamente todas as piadinhas feministas sobre homens muito difundidas hoje em dia em ambientes humorísticos de quinta categoria como Zorra Total e Desciclopédia. Ficou famosa depois de sua célebre frase, vanguarda para sua época: "Casamento é uma espécie de prostituição legal". Mary Wollstonecraft tentou durante toda sua vida provar que as mulheres são gente, e pensam e por isso devem ter os direitos iguais ou acima dos homens, e assim inventou a "Greve do Sexo", responsável por causar movimentos com a Revolução Inglesa, que ocorreu quando os ingleses, depois de 2 dias sem sexo decidiram invadir o castelo para estuprar o rei.

A partir daí, as mulheres começaram a achar que podiam dirigir carros, e foi então que o trânsito ficou caótico.

Mary Wollstonecraft ficou famosa também, pois inventou o lesbianismo assumido, e lançou uma proposta de projeto de lei que dizia que seria importante para a evolução da humanidade, o confinamento de homens do mundo inteiro em jaulas, e seu sêmem coletado para reprodução através de inseminação artificial. Mas o senado vetou a proposta e preferiu uma medida semelhante, abrindo mais barzinhos na cidade.

MorteEditar

 
Uma das famosas discípulas e seguidoras de Mary Wollstonecraft.

Como qualquer feminista, apesar de tudo que disse, Mary Wollstonecraft acabou dando para alguns homens em uma orgia em sua mansão com o dinheiro que ganhou lançando o seu famoso livro "A Arte de ser Lésbica", depois de 30 anos transando apenas com outras mulheres, e claro, ela engravidou. Muitas mulheres se sentiram traídas, e Mary Wollstonecraft foi amaldiçoada por um enclave de bruxas irlandesas lésbicas, e morreu após o parto.

Pós-MorteEditar

A filha de Mary Wollstonecraft, Mary Wollstonecraft Shelley, se reclusou em um castelo na Romênia, e depois de anos de estudos, ressuscitou a mãe, a quem batizou carinhosamente de Frankstein.

ObrasEditar

Mary Wollstonecraft escreveu muita porcaria, como se pode esperar de qualquer feminista, são páginas e mais páginas da mais falta de sentido e incoerência, dignas de uma mulher de TPM.

Reflexões sobre Educação de FilhasEditar

 
  Enquanto os homens precisam de anos de estudo e exaustivas provas e exercícios, para uma mulher ser bem sucedida profissionalmente, basta um bom boquete  
frase de um dos livros de motivação profissional feminina de Mary Wollstonecraft.

Um livro que ensina coisas como ter uma filha sempre é melhor que ter um filho. Recomenda a queima de Bárbies e o uso de cuecas, entre outras bobagens incentiva as mulheres a deixarem a vaidade física totalmente de lado e assim fazerem os homens se desapegarem a elas.

Uma Defesa dos Direitos da MulherEditar

Uma famosa obra, é dividida em 4 capítulos, é considerada até hoje o manual da feminista:

  1. Todo homem é um sexopata, que passa o dia inteiro pensando apenas em sexo, sexo, sexo, sexo, sexo, sexo, sexo...
  2. Todo homem é um ignorante narcista que só olha para si mesmo e vê as mulheres como um pedaço de sexo..
  3. Homens não tem sentimentos, de vez em quando disfarçam sentimentos no único intuito de obter sexo.
  4. Os homens são movidos por sexo.

Ver tambémEditar