Abrir menu principal

Desciclopédia β

Massapê

Massapê é supostamente um município do Ceará, mas aquele tipo de cidade tão desprezível que é ignorada até pela Internet, não sabendo nem o Google nos informar de qualquer coisa dessa cidade. O jornal de maior circulação tem apenas uma notícia por ano, que é sobre um capotamento de ônibus (2014), um surto de sarampo (2015) e uma mulher que assassinou o marido corno (2016), e tudo isso nos leva a afirmar o quão tedioso e longe da civilização pode ser essa cidade.

Índice

HistóriaEditar

 
Massapê tratando um monumento histórico da cidade como se fosse lixo.

Inicialmente a região era habitada pelos índios das tribos Batoré, Tacalê-Pau e Tabajara, que se escondiam atrás das montanhas acreditando que jamais os portugueses seriam tão burros de ir explorar aquele deserto infértil, ainda mais tendo a linda Beira-Mar toda a sua disposição. Mas os portugueses surpreenderam a todos quando tomaram as terras até do interior, pois a ganância era tanta que eles queriam até os cajus dos índios, pois os escravos só trabalhavam abastecidos com cajuína.

O povoado prosperou a partir de 1877, quando vários cearenses retornaram ricos de sua aventura pela recém-explorada Amazônia, onde alguns bravos seringueiros descobriram o Acre e lá descobriram uma maravilhosa árvore que ejaculava um sêmen de propriedades misteriosas que podia ser transformado em pneus de carro para as fábricas de Henry Ford nos Estados Unidos, aventura de masturbação de árvores e extração de leite do pau que ficou conhecida nos anais da história do Brasil como Ciclo da Borracha. Os cearenses que se deram bem, reuniram uma vasta fortuna com o leite de pau extraído no Acre, o equivalente hoje, com correção monetários e inflação calculada, a um montante de 5 tickets vale-refeição e 1.000 centavos em moedas de 10, 25 e 50. Com essa fortuna Massapê tornou-se um dos municípios cearenses mais ricos em sua época.

Outra contribuição para o desenvolvimento da cidade ocorre em 1881, com a chegada da Estrada de Ferro de Sobral-Camocim, pois agora toda muamba, material ilícito, prostitutas, dorgas, caju e demais commodities essenciais à Sobral, agora passavam por Massapê também.

Por preguiça, incompetência ou algum outro motivo, nada desse passado foi aproveitado, hoje Massapê amarga o esquecimento e abandono, servindo de orgulho apenas para os próprios iludidos habitantes locais que ainda não se mudaram de lá.

GeografiaEditar

A cidade está localizada depois da Serra Meruoca, literalmente num buraco, o que impede a mínima brisa refrescar a cidade torturada continuamente pelo calor.

Uma peculiaridade desta cidade é o fato dela estar envolta por um grande cinturão de desertificação, pois os arbustos encontrados nos arredores e todo aquele barro nem de caatinga pode ser denominado.

EconomiaEditar

A cidade sobrevive às custas da produção de caju e mandioca, produtos capazes de serem cultivados no solo mais pobre possível, que é oc aso da região desta cidade.

A pecuária também é presente, e reconhecida pelo gado magro e raquítico que parece ser capaz de gerar apenas 100% de charque quando morre, pois nunca se vê picanha, maminha, filé mignon, nada disso nos mercados da cidade, apenas charque.

TransportesEditar

A cidade está localizada no encontro de três rodovias estaduais, as CE-240, CE-362 e CE-232, e como já diz o ditado, quantidade não é qualidade, pois todas são uma bela porcaria desolada que precisa ser muito corajoso para se trafegar nelas.

As leis do Código Brasileiro de Trânsito não são seguidas nesta cidade, pois para os habitantes locais dirigir um veículo é como andar como pedestre que você pode cortar caminho pelo gramado e esse tipo de coisa. A coisa fica feia especialmente entre motos, sendo comum motociclistas utilizando como indumentária apenas chinelas, bermuda e nenhuma camisa e muito menos capacete.

TurismoEditar

Uma igreja igual a todas outras 1000 igrejas do Ceará, uma praça deserta, e uma torre do relógio. No máximo.