Abrir menu principal

Desciclopédia β

Megaman X5

Asclepius.png A Desciclopédia não é um consultório de medicuzinho.
Por isso, tome vergonha e vá procurar um para fazer seu check-up.
Alerta de spoiler: O artigo pode conter alguns spoilers, tais como o fato de que o

ZERO MORRE NO FINAL DO JOGO E X FICA COM SUA ESPADA,

então leia por sua conta e risco.

Cquote1.png AAAAAAAAAAAAAAAAA, perdi pro Sigma de novo, PORRA!!! Cquote2.png
Garoto alemão doido sobre perder pro Sigma.
Cquote1.png Quem é aquele insetão vermelho na abertura? Cquote2.png
Noob sobre Dynamo.
Cquote1.png Me mate, por favor! Cquote2.png
Quase todos os chefes depois de serem infectados pelo vírus.
Cquote1.png Como você é persistente, Sigma! Cquote2.png
Zero sobre Sigma.
Cquote1.png Zero, eu não quero te perder! Cquote2.png
X com medo de perder Zero.
Cquote1.png Ah, muito melhor! Cquote2.png
Qualquer um sobre novos códigos da Ultimate e do Zero preto.
Cquote1.png Que nomes escrotos! Cquote2.png
Jogador sobre nomes das armas e técnicas.
Cquote1.png I... believe... iiiin miracles!! I believe... in a better world... for me and yoooou... Cquote2.png
The Ramones sobre X sobreviver no fim do jogo e o sonho dele depois disso.

Megaman X5 foi (por poucos meses) o último jogo da série X e a despedida de seu criador de um protagonista não-vermelho após 12 anos, mas como seus jogos ainda davam muita grana, suficiente pra pagar muitas garrafas do link anterior, ele deixou de ser o último para que Megaman X6 continuasse a pagar os porres dos produtores.

Com uma equipe diferente, provavelmente composta por fãs, 16 meses (preste atenção nesse número, ele vai voltar), passaportes escoceses, mas sem o aval do rei Inafune, que tinha deixado claro que não queria fazer igual aconteceu depois do Megaman 3, já que Megaman X4 não tinha defeitos (segundo essa nova equipe) e ele estava de saco cheio, chapado de João Andante e com um projeto novo com seu amado Batista protagonista vermelho, Megaman X5 fez exatamente como Megaman 3 (o medo de Keiji): foi feito pra ser o último, a Capcom quis mais dinheiro, faz um jogo que os fãs não gostaram tanto, depois aparece um jogo cuja palavra chave é mudança, mas acaba sendo o pior da série e pra encerrar vem um jogo até bom, mas com uma vibe completamente foda-se.

Se você ainda não percebeu que a introdução ficou falando de uísque várias vezes, vai tomar um copo no olho do seu cu.

Índice

HistóriaEditar

Após os acontecimentos envolvendo os bolsominions da Repliforce, ou seja, a morte linda e cheirosa deles por se rebelarem contra a humanidade, só que não, Zero seguiu com sua vida de caçador, mas dessa vez vive bolado por ter ajudado a matar de morte matada sua lolicrush, Iris, e seus futuros cunhado e sogrão (ou não), além de vários outros reploids militares que não eram mavericks porra nenhuma, mas como matou o filho da puta do Split Mushroom, não teve tanto remorso para se trancar num quarto escuro tocando My Chemical Romance. No entanto, X se sentiu mal com mais força, então arregou do cargo de líder dos Maverick Hunters e foi meditar na Cordilheira do Himalaia com reploids budistas, que continuaram carecas, mudos e usando roupa laranja depois de mais de 100 anos.

Para compensar essa baixa de ter desmantelado um grupo anti-maverick sob a acusação de terem se tornado o que juraram destruir, culminando na morte de vários reploids inocentes, outros não tão inocentes, um viadinho, o pirralho irritante citado anteriormente e um traidor filho da puta com um fandom enorme por ser faixa preta em shotokan (você já sacou de quem eu tô falando), os Maverick Hunters fizeram algumas contratações importantes:

  • Um mecânico-chefe, Douglas, um nerd com bochechas de buldogue velho que esconde sua insônia com óculos vermelhos (piadinha infame com aquela música).
  • Uma nova navegadora, Alia, uma ex-pesquisadora de um laboratório de desenvolvimento de Reploids com bolachas Maria feitas de crack no lugar dos peitos, o que foi um retrocesso comparando com as tetas fofas da Iris. Largou a carreira acadêmica depois que o governo anunciou um corte de bolsas lazarento (100 depois a história se repete).
  • Signas, que apesar do nome e do chapéu, não é o Sigma disfarçado, nem o Coronel reprogramado e com outra memória (nenhum roteirista seria tão retardado de inventar uma merda assim), para assumir o cargo de líder supremo dos hunters, ou seja, o sucessor de X. O que ele era antes disso ninguém se importa.
  • Vários lifesavers, robôs médicos do tamanho do Shaquille O'Neal produzidos em massa para reparar os hunters que não aguentaram 10 minutos de porrada com mavericks e que terão nomes neste artigo porque eu tô a fim (o da abertura se chama Sócrates).

Enquanto tudo isso acontecia, talvez um pouco antes, não sei... Ah, não poderia ser, acontecer durante a treta da Final Weapon ia ficar mal visto... Mas logo depois ia ser muito conveniente... Enfim, em algum momento entre este jogo e o anterior, paralelamente às novas contratações, Sigma conseguiu encontrar um novo monte de esterco pra chamar de corpicho e elaborou outro plano malígrino de destruição da humanidade/vingança contra os Maverick Hunter/busca do Cálice Sagrado, mas dessa vez ele caprichou: o novo corpo era elegante, mas sem viadagem, ao contrário dos cosplays de Wolverine e Dona Morte do Megaman X2 e Megaman X4, e o novo plano era o mais cabaço já feito: em Megaman X2, Sigma já conhecia o passado macabro de Zero e não, não foi ter destruído o Megaman, quem fez isso foi o Dr. Wily, com um só tiro e tudo com força baixa, mas sim de ser obra do próprio Wily, ter natureza maligna, ser doidão pra caralho (disso ele sabia desde aquela surra antes da série começar) etc, mas apenas no X5 é que Sigma terminou seus altos estudos sobre Zero e bolou um esquema para deixá-lo doidão novamente.

A ideia errada que Sigma bolou foi fazer uma orgia de vírus com desastres de montão. Era um plano muito guet: uma quantidade cavalar de um Sigma Virus regado a cocaína iria infestar todas as quebradas da Terra, deixando as máquinas tristes e deprimidas e os reploids soropositivos, enquanto uma quantidade menor de um outro vírus seria injetado por um traveco cirurgião posteriormente. O resultado dessa nova onda viral seria não apenas a aniquilação da humanidade (para a glória de Belzebu), como também o retorno de Zero à sua natureza original com uma pica no cu. Entretanto, toda a moçada de Sigma havia morrido, então ele precisaria gozar um pouco de virus na cara de algum anão corcunda, se não fosse o fato de que ainda existiam mavericks pregando o satanismo e praticando a felação por aí. Isso facilitou muito a vida de cheirar pó e queimar pedra do Carecão, pois havia um cara chamado Dynamo dando vários pico como mercenário, um sujeito perfeito para Sigma fazer a proposição de seu plano. Faltava agora um envoltório do outro virus para que Sigma fizesse o fist fuck final, e a escolhida foi a colônia espacial Eurasia, que assim como o Avião Brutal do Scat, era grande, pesada, voava e era repleta de pessoas que faziam amor com o cu: Eurasia = Europa + Ásia, onde fica a Rússia, terra das mulheres que dão a bunda no Legalporno e dos engenheiros reploids que construíram a colônia (Qualquer coincidência é mera semelhança...)

Avançando o farol até a primeira faseEditar

Muito pó e muita pinga rolados depois de planejar seu esquema, Sigma e Dynamo foram até a Eurasia, onde deveriam se esconder até chegar a hora de agir, mas Dynamo resolveu que queria destruir uma mansão, como foi visto na custscene em que ele parece um louva-a-deus cor de tijolo em cima de uns escombros. É claro que isso não passou despercebido pelos hunters, ao contrário do cessar de referências ao Bonde da Orgia de Travecos que impregnou o parágrafo anterior mais vezes que o uísque na introdução deste artigo, e assim como em Megaman X4, X e Zero foram pra essa cidade flutuante que estava prestes a cair, matando mais gente que uma punheta batida pra Sasha Grey.

Como o incidente com a Repliforce foi muito marcante no modus operandi de X, ele estava mais cuidadoso e viado, logo, sua armadura estava muito mais bem cuidada e ele pôde usá-la, mas como nada é perfeito, exceto o corpo da Kelly Brook, ela havia perdido seu giga attack tosco, sua habilidade muquirana de guardar munição e buster também muquirana que ninguém usava porque a bola gigante de plasma era muito mais forte, apesar de não combinar com o resto da armadura. Entretanto, a bola de plasma ficou muito mais fraca, devido à ação de um grupo LGBT provavelmente maverick que alegava que o motivo era puramente homofóbico, já que a cor do carregamento do tiro era rosa e usar um buster que não combinava com a armadura era uma forma de debochar do interesse das monas em moda. Pra matar três coelhos com uma cajadada só (seriam dois, mas tinha um maverick chamado Blaze Rabbit fazendo merda na Guatemala), X pediu a Douglas que fundisse os busters, mas militantes gays sabotaram os circuitos, tanto por pirraça, quanto pela integridade de um amante de rola: o que deve ser forte é o pau, não as bolas.

Zero também aprendeu bastante com o passado, treinando os movimentos aprendidos com os chefes (sabe se lá como), mas os pesadelos foram enferrujando seus movimentos e apenas o dash aéreo e o sabre roxo permaneceram, entretanto, mais movimentos olímpicos de minorias apareceram pra atrapalhar: como roxo é cor de negão (fonte: Ah Negão!), Zero só poderia usar o tenkuuha se estivesse com sua armadura negona. Com o intuito de sacaneá-los debaixo de seus largos narizes, Zero pediu a Douglas para modificar seu dash vermelho para roxo, assim ele deixaria os militantes mais contentes, entretanto, seu longo e liso cabelo loiro ficaria marrom com a luz roxa, deixando-o moreno, coisa que militonto negro acha que é ofensa. Contudo, Douglas estava ocupado com o buster de X, mas felizmente Alia se ofereceu a ajudar o jedi.

Cada um foi pra um canto, encontrando os carros que quase atoprelaram X no primeiro jogo e os destruidores de rodovia também do primeiro jogo. Um veículo azul havia batido no meio do caminho perto do que ainda estava em pé da mansão que Dynamo destruiu, mas pedaços grandes de concreto ainda caíam. Chegando perto de uma estátua (chamemos-na de Cristo Redentor reploid com prestobarba), Alia avisou de uma presença maligna, aliás, avisou sobre LITERALMENTE TUDO o que acontecia! Chegando lá, X e Zero encontraram um ao outro, mais quebrados que aparelhos que medem poder de luta, por causa da mansão caindo aos pedaços. Zero perdeu um braço e seu buster parou de funcionar, enquanto X perdeu todo o resto das funções da armadura (o destino veio atrasado), felizmente, o código da Ultimate ainda estava lá e ele pôde usá-la, com melhorias no visual, exceto pros supostos mavericks gays citados anteriormente, já que ela não estava mais roxa. X revela dificuldades para encontrar Sigma, mas Zero o relembra de que ele é um vírus e que ele deve senti-lo perturbando a Força, o que X até consegue fazer, mesmo não sendo jedi. Nisso, os curativos das cicatrizes da prestobarba da estátua começam a cair e luzes brancas saem dos buracos, ao invés de sangue, pus ou alguma entidade demoníaca selada...

A estátua revela ser O SIGMA! E ele desafia os dois pra uma luta. Sim, o primeiro boss de Megaman X5 é o Sigma! A luta é bem fácil, o ataque mais assustador, uma esgurmitada estilo Touhou (sem hentai), é também o mais ridículo, sendo desviado com uma agachada. Entretanto, era tudo uma armadilha: Sigma havia perdido de propósito para que a explosão destruísse parte da colônia e liberasse o Sigma Virus na Terra, o que estranhamente a transformou numa bola de fogo roxa. Segundo reploids narutards, o planeta parecia ter sido consumido pelo chakra do Orochimaru. Zero estava putíssimo com a situação e queria dar um especial de porrada inesquecível em Sigma (outro?), mas Signas pediu que os hunters saíssem de lá o mais rápido possível, mas não sem antes passar no Subway pra comprar 13 baratos do dia (infelizmente era frango).

De volta à base dos Hunters (de quem mais, desgraça?)Editar

X e Zero chegam com os baratos do dia do Subway e são informados de que a Eurasia, além de estar caindo aos pedaços, também está caindo literalmente na Terra, com um tempo estimado de 16 horas (eu disse que esse número voltaria) entre Alia tirar a cebola da sanduíche dela (fresca) e a colisão da colônia, que agora se encontra infectada com o outro vírus, conforme o combinado entre Dynamo e o carecão. O resultado da colisão seria o fim de toda a vida no planeta, com exceção do Vandal Savage e das baratas, mostrando que Sky Lagoon é pinto perto de Eurasia, e a fusão entre o Sigma Virus e o outro vírus criaria um susanoo muito loko.

Para evitar a maior catástrofe da história da humanidade desde o surgimento do canal do Luccas Neto, os hunters precisavam destruir a colônia antes que o mesmo atravessasse a fronteira entre o planeta e o vazio existencial do espaço, conhecido como exosfera entre as pessoas que não faltaram às aulas de geografia (pelo menos as legais). Surgiram duas ideias: a primeira é um raio da morte aparentemente velho chamado Enigma, criado por videntes romenas para destruir meteoros refugiados porque elas acreditaram que o fim do mundo chegaria com a queda de um asteroide 5 vezes maior que o que matou os dinossauros bem em cima do permafrost, na Rússia. Como isso era lorota, assim como qualquer outra paranoia sobre o fim do mundo, o Enigma caiu em desuso e seus componentes foram leiloados, viajando pelo mundo conforme eram vendidos, roubados ou contrabandeados. A segunda era mais apelona: ressuscitar o abandonado há mais de 100 anos Programa de Ônibus Espacial! Um busão espacial iria lançar o tanque de combustível como se fosse um míssil e explodir a colônia, contudo, o Sigma Virus desativou o piloto automático, o que seria uma catástrofe se os hunters fossem da zelite, pois obrigaria a um deles ao ultrajante ato braçal e servente de pilotar um veículo, como um manobrista. Felizmente, ninguém ali era paneleiro, fazia trilha ou viajava pra Disneylândia, mas apenas Zero tinha brevê de piloto.

No presente momento, as peças que eles queriam pra reativar o canhão eram o equipamento de laser (vulgo: ponta do canhão), a bola de cristal (entenderam por que videntes?) que faz o canhão FIRE HIZ LAZOR!! e a bateria que fornece energia pra isso, alimentada por fissão nuclear de hidrogênio orgânico dos Montes Urais, se encontravam, respectivamente, com Shining Firefly, nerd cientista que mora num castelo medieval, Crescent Grizzly, um contrabandista grande, peludo e manso, e Volt Kraken, ex-maverick hunter que pediu pra sair após o primeiro jogo para fazer tratamento contra a depressão, o alcoolismo e um furúnculo na bunda causados pela morte de seu irmão bailarino (sim, o furúnculo também). Entretanto, os hunters careciam de hidrogênio, e o primeiro local que o computador apresentou para que pudessem obter um tanque de hidrogênio orgânico dos Montes Urais foi num cemitério de embarcações onde morava um ermitão chamado Tidal Whale, que encontrou naquele cu de mundo um recanto relaxante para esperar a mudança de seu nome no cartório para Marcos Owen. Você com certeza imagina que esse computador está mais louco que o Michael Jackson bebendo vodka com duas anãs, mas isso nem foi o pior: ao registrar o nome dos envolvidos, o computador os modificou para trocadilhos com membros do Guns n' Roses, confirmando que o servidor dos hunters foi infectado pelo Sigma Virus!

X e Zero, então, viajam pelo planeta para encontrar esse bando de infelizes, já que, pela primeira vez, os futuros chefes não estavam todos num lugar só (ou minimamente pertos um do outro). Mal os hunters recuperam um dos itens, às custas da vida do infeliz porque ele tinha acabado de ser infectado pelo vírus e ia dar uma de Paulo Guina com Raimundos, Dynamo aparece cheio de marra anunciando que queria travar uma peleja com X e Zero, deixando Signas pistola da vida. Outro item recuperado depois, Dynamo invade a base dos hunters, picha "Signas mama negões" no canhão, transplanta uma árvore e amarra um ambientalista nela com uma bomba nuclear, ameaçando explodir a porra toda se um dos hunters não aparecesse para lutar. O mercenário mostrou ser um adversário bem sacana, tirando sarro da incompetência de X em manejar armas brancas e da deficiência do foderoso buster de Zero ao disparar um buster que se multiplicava (filha da puta até na matemática).

Blast off! It's Engima's time!Editar

Após encararem um trem desgovernado prestes a explodir com furadeiras, enfrentarem um robô tubarão baleia três vezes, resolverem puzzles que quase os esmagaram depois de uma corrida traumática e percorrer dos lustres assassinos à escadaria sem fim de um castelo, os hunters finalmente conseguiram todas as partes necessárias para reativar o Enigma, que como Douglas disse INCESSANTEMENTE (ou não), é velho. O canhão foi preparado e Signas deu a ordem para o disparo do laser gritando BLAST três vezes com sua boca gigante que dá pra botar e tirar uma lâmpada incandescente sem problemas. O laser empalou completamente a colônia, com um percentual de destruição que, nas palavras de José Serra, foi excelente (não, pera), e os hunters comemoraram enchendo a cara de margaritas e comendo margueritas do Pizza Hut. Tudo isso é muito bonito, pena que é uma grossa mentira e nenhum nome foi trocado para proteger ninguém, até porque a máquina de fazer margaritas foi infectada pelo sigma virus e não colocava o licor de laranja, coisa que as gurias retardadas que tomam shots de tequila sequer sabem que vai no coquetel...

EEEEEnfim, na verdade, o laser somente bateu na colônia e empurrou a parede, fechando a rachadura gigante que a explosão da cabeça gigante do Sigma fez e aparentemente apagando o fogo, mas é mais provável que isso tenha acontecido devido à ausência de oxigênio no espaço. Com isso, Douglas começou a arquitetar a ressurreição do programa de ônibus espacial, que estava morto havia 102 anos e 6 meses, isso em Megaman X2! Para tal missão meio impossível, eram necessárias 5 coisas: uma engrenagem de booster (vulgo: foguetão), pro busão espacial sair do chão tão rápido quanto o Felipe Neto imitando o Edward Cullen (ZWOOF!!), um par de asas orbitais (vulgo: o busão mesmo), pra fazer uns barrel roll muito lokos, uma engrenagem orbital, pra voar, voar, subir, subir, um tanque de combustível, de preferência cheio, ou a nave nem vai sair da Terra, e um anão cover do Tom Cruise, afinal, é uma missão MEIO impossível...

  Haaa... Haaa... Haaa...Haaa...  
Carlos Alberto de Nóbrega sobre o final do parágrafo acima.

Outro sub-capítulo porque acabou a hora do canhão e começou a do plano BEditar

Infelizmente (ou não) o computador não encontrou quem poderia estar com o cover anão, apenas os que estariam envolvidos com as peças que eles queriam, e logo de cara os hunters ficaram perplectos: enfrentar ex-hunters era fichinha, até porque metade dos chefões enfrentados até o momento tinham sido de fato EX-COLEGAS DE TRABALHO, mas se deparar com dois ex-membros DA REPLIFORCE VIVOS?! Com as asas e o booster estavam Burn Dinorex e Spiral Pegasus: o primeiro havia sido expulso da Repliforce depois o Magma Dragoon descobriu que ele tava escondendo um puta arsenal ilegal num vulcão e resolveu dar uma de Caco Barcelos, levando reploids estudantes de jornalismo para filmarem o arsenal, por isso, conseguiu a proeza de sobreviver à guerra da Repliforce. Já o segundo só não estava perto das missões da Repliforce que aconteciam nas fases do Megaman X4, então deu muita sorte. Com a engrenagem orbital, estava Spike Rosered, vai saber por que, mas provavelmente foi por pura cagada. O tanque de combustível seria algo melzinho na chupeta de arrumar, mas um maverick ligado diretamente a Sigma chamado Dark Necrobat resolveu se meter e roubou vários tanques de combustível e os levou para um planetário no espaço!

Depois de bombas relógio, os filhas da mãe da fase do espaçoporto com roupa nova, rosas violeta assassinas, muitos cipós com espinhos, um buraco negro falso que cria espinhos das constelações e deixa tudo lerdo, blocos lilás com um olho com conjuntivite, cabeças de dragões cuspindo fogo de maneira aleatória, uma piscina de lava protegida por um pássaro cuzão pra caralho, uma infestação de cabeças do Sigma 3 vezes maior e o retorno do Dynamo no mesmo canal e no mesmo horário da intrometida anterior, os hunter FINALMENTE conseguiram juntar as peças de montar o centenário busão espacial pra destruir a colônia antes que ela matasse os negrinhos e os missionários, matando os leões de fome. Zero é voluntariamente forçado a pilotar o veículo para levar caos e destruição à colônia, enquanto os momentos de suspense fazem os cientistas da NASA cagarem as próprias tripas, até que o busão é estabilizado, na medida do possível, pois ele começa a tremer mais que o Michael J. Fox. Se aproximando do cu da Eurasia, Zero joga o booster educadamente emprestado por Burn Dinorex e destrói mais de 80% da colônia, desmaiando como um pinguço na sarjeta ao retornar à Terra. Os menos de 12% que restaram da colônia caem num canto próximo à Israel, o que foi suficiente pra poluir completamente o planeta e obrigar os humanos a morar debaixo da terra, em bunkers militares de caipiras paranoicos, com exceção de Cubatão, Volta Redonda, Beijing e cujas populações já estão acostumadas a cheirar mais pó que a produção anual do cartel do Pablo Escobar. A colisão também chegou perto de aniquilar a humanidade, mas só a parte que merecia (viva a Palestina!)  

Uma risada misteriosa é notada por Alia, mas ninguém mais foi capaz de percebê-la, inclusive o jogador, mostrando que reploids têm intuição feminina, apesar de que aquela comunidade gay citada num pedaço lá em cima que eu esqueci prefira pensar que a risada estava numa frequência baixa demais para reploids humanoides ouvirem e que Alia escutou porque é uma cachorra. Após a risada, Zero avisa no intercomunicador que estava bem (isso sim deu pra ouvir) e ele realmente estava: bem NOIADO! Pra piorar, ele entrou em coma, caiu duro na poltrona e começou a ter sonhos perturbadores com pôneis coloridos e memes do Faustão. Os hunters enviaram o lifesaver Tonhão para resgatá-lo, já que Zero era muito pesado e apenas um lifesaver com nome de caminhoneiro seria forte o bastante para carregá-lo. Nisso, Alia nota uma presença perturbadora perto de onde caíram os destroços da colônia. Não, não era o Borat de sunguinha, era muito pior: lembra do plano do Sigma de criar um susanoo com a fusão dos dois vírus? Pois, é: como caiu pedaço da colônia na Terra, mesmo que tenha sido uns pedaços bem xexelentos, o plano tinha dado certo, e pra deixar a situação mais fodida que nunca, a mistura entre o Sigma Virus, que tanto encheu o saco e causou problemas mentais graves nos chefões, com o vírus da colônia, que infelizmente é invisível, era idêntica AO ZERO!

Uma cagada atrás da outra, é impressionante...Editar

Depois de ser analisado, a cópia ganhou um nome adequado: Carlinhos Zero Virus. Era o mais assustador, devastador (e fitness) vírus já visto: agia quase igual ao Sigma Virus, que surgia do nada e te stalkeava, infectando o reploid se ele fosse burro, um velho reumático, um gordo preguiçoso do caralho ou combinações de duas opções de cada, já que o coração seboso e sedentário do gordo sucumbe à morte antes da aparição das rugosidades e verrugas cabeludas na pele e da insatisfação com a geração atual para que ele se torne velho, no entanto, o novo vírus era muito mais rápido, podendo alcançar e infectar atletas olímpicos, personagens jogáveis de Sonic e até niggas fugindo da polícia e/ou impedindo que um tênis de marca produzido por uma indústria da Pérsia Antiga sofresse danos higiênicos (vai que, né). Ele também era mais forte, conforme comparações de simulações computacionais de dor de cabeça, febre, cãibra, alucinações e até ideologia política: se um reploid comum fosse infectado pelo Zero Virus, ele começaria a ver esquilos cor-de-rosa gigantes comedores de pessoas cantarolando a marcha imperial de Star Wars e sentido nas asneiras que o PCO fala.

Entretanto, havia uma novidade: distorção da realidade. Ao colidir com a Terra, o Zero Virus fez uma gambiarra muito louca que resultou na fusão entre o cyberespaço e o mundo real, criando um ambiente coerente com a visão causada por uma dieta de entorpecentes que os eleitores do PCO e testemunhas de esquilos cor-de-rosa gigantes comedores de pessoas fazem uso diário. Não obstante, inimigos do passado voltaram transbordando referências, como se eles fossem roteiristas de Dragon Ball Super. Ao descobrir esse bônus da felizmente não global infecção no planeta, Alia começou a pensar no pior quando se refere à interseção do mundo real com o virtual:

  • Fanarts do DeviantArt criando vida e invadindo eventos nerds;
  • Ladybug e Catnoir no Casos de Família porque um traiu ou outro com o Homem-Aranha e a Elsa em alguma fanfic retardada pra crianças viciadas em tablet que não recebem educação dos pais;
  • Uma série jamais vista de estupros coletivos (exceto na Índia) de cavalos e garotos de 12 anos feita por futanaris bombadas de 2,50 m de altura e 75 cm de pau (mole).
  • YouTuber passando a ser considerado emprego;
  • O Weegee aparecendo do nada na frente das pessoas, roubando suas almas e fazendo sabe-se lá o que com os corpos;
  • Uma nova Guerra Fria causada pela magia de centenas de Wololos;
  • Todas as ideias absurdas daqueles "grupxs militontxs de minorixs" citados em vários trechos deste artigo (e do PCO) se tornando verdade.

Ao ouvir esse monte de merda, o lifesaver Rovílson, que anteriormente tinha conversado com Signas sobre a inacreditável capacidade de Zero de ficar mais saudável com o Sigma Virus fazendo festas universitárias nos circuitos dele, deu um chacoalhada nela, que ficou descabelada, e pôde-se notar um aumento no tamanho das bolachas de crack que seu desenhista chamou de peitos. Com isso, Alia pôde se juntar a Signas e X em planejar como lidariam com tamanha desgraceira, enquanto Douglas comia feijoada, os outros hunters faziam missões de salvamento de humanos e execução de mavericks fãs de The Walking Dead que se auto proclamaram-se líderes de bunkers na mais pura megalomania, e Zero descansava, sofrendo com mais um pesadelo: nele, a colônia sugava o ônibus espacial com o cu, diminuindo seu percentual de destruição, semelhante a um cu de verdade que fez pompoarismo diminuindo a arregaçada de sentar num galão (e a graça em arregaçar um cu ao ver uma rosa anal). Isso criou pedaços muito maiores que os que realmente formaram havia pouco tempo, maiores até que a explosão, mas menores que sua mãe. A colisão foi muito mais devastadora, deixando um rasgo violento DO TAMANHO DA ÁFRICA na crosta terrestre e quase exterminando a vida no planeta, errando por um tantinho assim. A novidade é que Zero acaba sendo rodeado por uma quantidade de vírus tão grande que cria uma aura de ki maligno com coisas dilitricidade em volta dele e retorna à programação original de Dr. Wily, se tornando a besta apocalíptica que foi feita pra ser. Com isso, ele não foi resgatado por Tonhão e ameaçou destruir X, numa cena digna de Oscar.

O pesadelo ia se agravando até o momento em que os dois se encontram, com Zero falando que ele não ligava mais pra porra nenhuma, nem pros mavericks, nem pros humanos, pro décimo-terceiro, pra queda da qualidade musical, pra arrogância da torcida do Flamengo quando o time alcança o G-4, até mesmo pro ato abominável de fritar bacon com azeite! X morria e morria mais de 8000 vezes, pois a cada vez que a luta chegava em 2 minutos, Zero alcançava o instinto superior e o obliterava, mas ele voltava e voltava, como naqueles loops clichês de Hollywood. Em algum momento, X conseguiu derrotar Zero, que soltou uma bufa desgraçada que criou forma própria e lascou um pedala Robinho em X, que desmaiou perto de seu ex-amigo. Nisso, Sigma aparece para matar os dois com um makankosappo carregando em cada mão, por todas as frustrações que passou nos últimos jogos, pra cumprir alguma vingança ou coisa do tipo, e também porque ele sentiu o peido macabro de Zero, que acorda e se joga na frente dos makankosappos, que perfuram seus infames peitos verdes. Zero cai, morrendo de dor (e literalmente), Sigma foge inconformado, mas chorando feito menininha por dentro, e X continua desmaiado, mas ouvindo a porra toda e pedindo para Zero aguentar firme (em pensamento, já que a cutscene não mexe), o que ele até faz, já que cadáver é firme mesmo: você entendeu, Zero morreu, isso rimou e a seção acabou (rimou de novo! E CHEGA DE PARÊNTESES!!)

Como o fim de um supercontinente leva ao começo da nostalgia forçada - Parte 1, by AnaEditar

Forçado realmente é a palavra aqui: OLHA ESSE TÍTULO, pelo amor de Odin! EEEEEnfim, nesse momento, Zero acorda atônito e olha imediatamente para a sua cuequinha branca, que só estava limpa e seca porque reploids não cagam mesmo Zero não sendo reploid. Ele corre para a sala de controle, onde todos os envolvidos e outros 6 hunters salvos durante algumas das missões que deram upgrades como agradecimento estavam AINDA planejando como iriam lidar com a fusão entre o mundo real e a internet. Nisso chegam mais 10 hunters que fizeram a mesma coisa, e um deles estava falhando miseravelmente em esconder o riso, pois havia desenhado um bigode escroto na cara do Zero enquanto este estava sendo atormentado pelo pesadelo descrito antes. X rapidamente se prontificou a limpar sua cara, usando a recém adquirida Goo Shaver a queima roupa, mas Zero não sentiu nada porque a arma era uma bosta, sendo a segunda vez que foi utilizada de tão ruim.

Contratempos resolvidos, X e Zero decidem ir até a cratera para cortar o mal pela raiz e rapidamente percebem que a ideia foi muito suicida: logo de início, eles percebem que a fusão não foi muito bem feita, pois pedaços de rocha se transformaram em gráficos vetoriais em alguma parte. Era a fronteira entre os dois mundos, e o mundo interior era bem o que foi dito antes da parte dos esquilos gigantes. Pra ficar pior, os hunters avistaram uma garrafa de Ballantine's com um baldão de torresmo em cima de um muro, mas eles não puderam pegar porque o muro tava ensebado com a banha da tua mãe. Decepcionados, eles adentraram a cratera, que estava azul nos fundos e TRANSPARENTE no chão, com alguns circuitos piscando como se fosse uma Parada Gay que salvaram a pele deles (e curiosamente a retaguarda também). Haviam hexágonos espalhados por todos os cantos (e no meio também), alguns ocos, outros bem cheinhos, alguns com uma escrita estranha difícil de pronunciar, outros não. O ambiente não permitia que Alia enchesse o saco dos hunters, então não havia contato com o mundo exterior, impossibilitando que fossem mandadas fotos dos hexágonos para que fãs de Futurama pudessem traduzir e algum Knuckles da Uganda pudesse pronunciar, logo, era por conta própria agora, como nos velhos tempos.

Os dois continuaram a explorar o ambiente psicodélico e logo foram surpreendidos por um raio da morte. Aliás, um monte deles, todos verdes e a laser. Os dois se dividiram em seções de tortura para desviar da morte súbita e Zero encontrou outra garrafa de Ballantine's, mas era uma armadilha para que quem tentasse pegá-la ficasse preso embaixo do laser, contudo, Zero se lembrou que a realidade é 3D e escapou do feixe pelos lados, de um jeito que o jogador não consegue ver no jogo. O pesadelo parecia ter acabado, até Zero se lembrar que tudo o que eles passaram fazia parte do pesadelo que teve uns parágrafos atrás (tudo culpa deste que vos narra o artigo ao falar a palavrinha mágica) e alertar X do perigo iminente de tropas terrenas da Repliforce mortas em Sky Lagoon voando logo em frente. Sim, voando!

 
Pôster do Quick Man encontrado na beira do precipício.

De repente, um Zero Virus aparece, e realmente, ele era igual ao Zero, antes de passar pelo Esquadrão da Moda dos X Hunters, e muito rápido, conforme a análise minuciosa de Alia. Eles chegam em um precipício, onde estava pichado   Rock esteve aqui, 1988   e havia um pôster do Quick Man tomando nesquik com o Ness de Earthbound (imagem ao lado). Zero informa que há mais lasers da morte abaixo, então X teve a ideia de parar o tempo com a Dark Hold, que Zero também tinha, já que o moguerço maverick era muito chique pra ter uma habilidade que preste. Zero concorda, e ainda avisa que, no seu sonho, X iria congelar os raios com a Goo Shaver, ia morrer, voltar e um Zero Virus ia meter um pescotapa, peguntando se ele tomou gasolina com bosta de elefante pra ter essa ideia horrível, antes de infectá-lo, é claro.

Enfim, o plano funciona, mas o terreno era muito zoado, parecendo a cara de um indiano com problemas de acne, até chegar numa seção decente, que dava na porta do chefe, que eles não faziam ideia de quem seria, já que estavam mal acostumados com tantos mavericks importantes para a história. Ao adentrarem, tudo ficou escuro, mas como não tinha camas por perto, não havia perigo do bicho-papão levá-los para o limbo. Chegando no salão, uma imagem distorcida de uma alguma merda roxa e brilhante iluminou a porra toda e um ovo gigante de piche atoprelou X, que fez um duplo twist carpado invertido antes de cair de cara no chão. Mais ovos surgem, mas dessa vez eles desviam (como podem) até que eles param de aparecer, pois todos os 16 ovos se juntaram numa poça gorda gigante que criou uma bola enorme que criou braços, pernas e um olho mais satânico que o Olho do Milênio. Sim, Yellow Devil voltou! Mas agora ele era Shadow Devil! A luta é complicada, como sempre foi desde 1987, contudo, em certo ponto, Shadow Devil se transformou numa bota/tanque de guerra/caveira com espinhos na sola, o que não foi o bastante pra virar o jogo e escapar da morte outra vez.

Como o fim de um supercontinente leva ao começo da nostalgia forçada - Parte 2, by TolaEditar

 
Um Zero vírus acompanhado de inimigos do passado num pedaço do Espaço Zero inspirado na fase do Knight Man de Megaman 6.

Apesar de incomunicáveis, os hunters podiam se teletransportar, então fugiram o mais rápido possível de lá para fazer uma avaliação de seus sistemas e fazer check-in no Graal. Ao voltarem para o lugar, que por sinal, foi apelidado de Espaço Zero, não que isso importe muito, perceberam rapidamente que o ambiente calmo e sereno do oceano, quando não tem tubarões, tempestades, tsunamis, vazamento de petróleo ou orgias dentro de estômagos de baleia, agora estava... gay. A tropa terrena voadora da Repliforce voltou, junto com um precipício gigante muito familiar, principalmente com as dúzias de plataformas errantes aleatórias indo pra lá, indo pra cá e rodando. Outros robôs fizeram pequenas aparições aqui, mas nenhum deles era importante e tão revoltante quanto a quantidade absurda de espinhos que tinha no lugar, todos eles feitos de vidro gourmet com nitrato de neodímio, um loo-sho, amore! De repente, um Zero Virus aparece na frente de uma parede de espinhos igual à do planetário (o Bat-maverick está em todas...) imitando o Ace Ventura dançando balé. Dezenas de espinhos mais tarde, os dois chegam em outro corredor, as luzes se apagam de novo e lá estão eles prestes a enfrentar sabe-se lá o quê. Para o terror de X (e do jogador), quem apareceu foi RANGDA BANGDA fazendo um cosplay egípcio de Sakura Card Captors!!

A luta foi como o esperado, até surgirem espinhos das paredes e eles empurrarem X, que numa cagada impressionante, escolheu sua grande, lerda e pesada armadura imune à espinhos. Rangda Bangda é destruído novamente, mas o mural egípcio continuou lá, ao invés de se transformar numa carta Clow. Passada a seção gay, X e Zero voltaram para a base, com X quase desmaiando de cansaço por levar quase meia tonelada de chumbo no corpo, então "decidiu tirar uma sonequinha", o que é um eufemismo para "foi dopado pelo lifesaver Reginaldo com cachaça de jambu e clorofórmio", mas antes do boa noite, Cinderela, Reginaldo informou sobre a situação viral de Zero para X. A mistura dos dois venenos fez X ter um pesadelo, com cameos dos lifesavers Reginaldo e Kimberly (sim, Kimberly), em que usava sua antiga armadura Ultimate cor de calça jeans com sorvete de uva para lutar com Zero, usando técnicas do jogo anterior. O pesadelo ficou pior quando ele percebeu que as armas usadas eram fracas, inúteis, inadequadas pra combate ou simplesmente malfeitas (mas aí é culpa do Megaman X4 mesmo), então ele acordou gritando igual a Lily Santos e foi correndo atrás Zero, preocupado se seu "best" estaria mesmo virando um maverick, mas ele já tinha saído da base para explorar a próxima seção do Espaço Zero e levar o lixo pra fora, já que a sujeira do Subway não tinha sido limpa até agora!

A terceira seção era de dar nos nervos dos cidadãos de bem, mas fez a alegria dos portadores de Síndrome de Down. Era lógico que se o começo era azul e o meio era roxo, o final seria vermelho, e dava pra ouvir os metools cantando o hino da União Soviética. Havia um precipício enorme igual ao da floresta do Axl Rose e depois tinha outro com mais plataformas (os pisos invisíveis devem ter feito um rombo nas contas do Espaço Zero). X não estava nem aí, ele precisava salvar seu amigo das forças do mal, mesmo que tivesse que encarar o mais desnecessariamente longo e alto corredor de todos os tempos! Ao chegar na área do chefão, ele encontrou Zero, e os dois perceberam que a zona não tinha chefão, só que eles não foram teletransportados automaticamente como acontecia antes e não podiam reclamar com a Alia, até porque ela tava dando em cima do lifesaver Lexington. Os dois discutem sobre o comportamento viral de Zero, que se recusou a ir no médico, como um homem que não lava o pinto, então os dois lutaram. A luta acabaria com a vitória de apenas um hunter, mas graças à uma sombra colorida subliminar, ambos ficam desmaiados. Curiosamente, ambos tinham essa habilidade: enquanto X tinha o Soul Body, que apareceu em seu pesadelo, Zero tinha o Sougenmu, que era igualzinho ao Soul Body, até a Marvel se intrometer... Os dois estão desmaiados e Sigma aparece com um makankosappo cada mão, conforme o pesadelo de Zero, mas este já ficou esperto quanto a isso e saltou na frente de X, com o buster ARMADO para atirar a queima ROSCA em Sigma! O carecão tenta matar os dois como no sonho, mas Zero não desiste e carrega seu buster cortador de braços como aconteceu contra Vile e lança aquela frase foda do começo do artigo. Sigma se retira vendo que não tinha poder ali e Zero leva X de volta à base.

A batalha final se aproxima... de novo...Editar

Não havia mais nada a se fazer, a não ser enfrentar Sigma, que não chegou a fugir do Espaço Zero. Dynamo sumiu pro mundo, os reploids infectados estavam mortos, a Eurasia estava destruída, o Enigma e o voltou à aposentadoria, o ônibus espacial fez as duas coisas e Douglas estava assassinando a privada do banheiro graças à feijoada. Ué, mas reploids não cagam! Sim, mas podem ser hipnotizados, e a feijoada controlou a mente dele para que desse narigadas no pobre vaso... Sócrates e Rovílson viram o resultado da cena e tentaram cuidar dos dois o mais rápido possível, mas era tarde demais para a privada, que morreu de traumatismo ucraniano, conforme a tradução do relatório de Sócrates porque o lifesaver escreveu tudo com letras gregas.

X e Zero voltaram ao Espaço Zero depois de tomarem um litro de vodka com energético, segundo a recomendação de Zero. Ao chegar lá, X percebeu o motivo: o ambiente virou uma festa rave do caralho! Seguindo o batidão, os hunters se deparam com criaturas do mar, como arraias e ouriços do mar, que eram os espinhos da fase. Os vagalumes hematófagos do castelo do nerdão voltaram, mas antes que tentassem transformá-los em vampiros, eles conseguem encontrar refúgio, mas não sem antes se depararem com um objeto que foi perdido não muito tempo atrás: uma terceira garrafa de Ballantine's! Eles precisariam MESMO dessa dose extra de álcool, pois o refight dos chefes estava logo abaixo deles, em um abrigo seguro. Crescent Grizzly sucumbiu à bola do Quico, Volt Kraken estava tão doidão e ferido emocionalmente que sofreu dano com a Goo Shaver, Shining Firefly provou que ninguém gosta de pagar a conta de luz, Tidal Whale mostrou a fraqueza mais inteligente da série, enquanto Spiral Pegasus a mais WTF, Spike Rosered pegou fogo, bicho, Dark Necrobat ficou cego dos olhos e Burn Dinorex entrou para o hall de chefes que valem a pena usar o ponto fraco, mesmo que demore pra cacete ou que comprometa uma parte do corpo, neste caso, sua mandíbula gigante.

Os hunters entraram no portal que levaria a Sigma, mas tiveram um probleminha: bolas de bilhar gigantes, mas facilmente destrutíveis. Apareceram garrafas de Seagers e Campari no meio do caminho, onde tinha uma pedra e maldita tropa terrestre voadora da Repliforce volta pra encher o saco. Mas nada se compara ao terror que estava prestes a surgir: não um precipício, mas um verdadeiro desfiladeiro. De repente, surge um bloco preto com circuitos em arco-íris, que depois sumiu e voltou de novo: o Espaço Zero teve a audácia de recriar AQUELES MALDITOS BLOCOS DO MEGAMAN CLÁSSICO!!! E, claro, o corredor estava logo em frente. Passado todo esse tormento, é hora de acabar com Sigma até o próximo jogo. O carecão surge do nada, com armadura branca, botas horrorosas e um par de asas postiças, que logo tira, antes de começar a... atirar bolinhas super lerdas. A incompetência dessas esferas coloridas de plasma conseguiu irritar o próprio Sigma, então ele voa atrás dos hunters, vai de um lado pro outro do salão, cria ondas super destrutivas e um escudo de Sigma Virus ridículo, mas nada adianta, ele é derrotado, ou pelo menos a versão pequena. Um breu desgraçado toma conta de tudo e Sigma revela seu corpo gigante, mas dessa vez ele exagerou e criou um megazord com as dimensões da quilometragem rodada da tua prima!

Luta que segue, o novo corpo de Sigma tem a habilidade filha da puta de se transformar em gráficos do Vectrex e ficar invencível, fazendo um barulho demoníaco no processo. Isso ajuda a luta a ficar muito mais estressante para os hunters, que têm que atingir a preda vermelha na testa, enquanto desviam de esferas de energia com cheiro de pizza, bem mais rápidas (e sacanas) que as anteriores, evitam serem esmagados pelas mãos voadoras com olhos que atiram igual à armadura do Megaman X4 (preguiça?), fogem mais desesperados que jogador de ocolast daqueles blocos gigantes e tomam cuidado pra não levarem um choque de 220 V na orelha. 2000 anos depois, Sigma é derrotado, entretanto, a explosão destrói metade do corpo de Zero, curiosamente a mesma metade de quando se explodiu no primeiro jogo, mas talvez trocando de mão. Isso deixa X literalmente de joelhos (até porque não daria pra fazer a cena a seguir deitado) e chacoalha Zero como Rovíson chacoalhou Alia, mas com muito menos força X frangolino. Sigma, aliás, o que sobrou dele, se prepara para um último ataque, e quando X viu isso, percebeu que se fodeu, igual àquele meme, não dando tempo de desviar do laser da morte, que perfura ambos os hunters, deixando um oco em seus peitos. Mesmo assim, Zero ainda estava vivo e dá o golpe de misericórdia que finalmente levaria Sigma pro inferno, com a frase mais foda que proferiu até agora:

  Como você... é persistente... Morra... Sigma!!  

Zero começa a ficar zonzo e a ter visões de sua vida passada, de quando ele era o chefão final de Megaman Unlimited, do Wily posando de dominador do mundo pro Megaman 8, da surra que deu em Sigma quando era doidão e de sua lolicrush, a quem pediu desculpas *pausa pra chorar* mesmo que ela não pudesse ouvir *outra pausa pra chorar*. Com isso, Zero aceita seu destino selado em Megaman X3 de ser destruído para que a paz reinasse no mundo e Avatar mantivesse o equilíbrio entre as 4 nações, terminando sua vida se despedindo de X e me fazendo chorar de novo. Quanto a X, acabou pegando lepra do laser e ficou mais detonado que o Zero; estava vivo, mas inconsciente, acabado, quase crescendo barba e perdido no deserto, já que o Espaço Zero se foi com a explosão (e com o Zero, quem diria). Um brilho azul aparece e acontece o plot twist mais loko da série: o holograma do Dr. Light que tanto enchia o saco dos jogadores imaturos, não era um holograma, era uma inteligência artificial feita com as memórias do Light, e detentora do poder realmente supremo, que usou para curar as mazelas da hanseníase de X. Ele pensou que poderia ser uma boa ideia remover suas memórias de Zero, já que isso deixou X muito boiola no jogo, mas isso poderia dar merda no futuro e só seria conveniente se sobrasse apenas a cabeça dele. O final do jogo mostra X sem toda aquela frescurisse de antes, inspirando e transpirando confiança aos hunters novatos e herdando o sabre de Zero, provando que nosso amigo cosplay de Papai Noel fez a coisa certa em deixar as memórias, pois esse final foi do caralho, ainda mais com o Zero aparecendo no céu, ofuscando o pão.

ChefõesEditar

Em Megaman X5, você é obrigado a enfrentar os integrantes do Guns N' Roses como chefões. Aqui vai a lista e os poderes deles:

Grizzly SlashEditar

 
Grizzly Slash se preparando para fazer exame de prostata em você.

Esse chefe se acha o tal mais é só um urso obeso que ataca com as suas lua amarelas que não tiram Porra Nenhuma de HP. Seu jogo favorito é o Pula Pirata.

Ataques:

X:A coisa mais inútil de todos. Ele só atira pequenos Pretzel para os inimigos morrerem engasgados.

  Isso não é verdade. Quando o golpe é carregado pela Fourth ou pela Ultimate Armor, forma uma barreira protetora super apelona em volta do corpo do X e isso mata qualquer chefão  
Nerd viciado sobre afirmação acima

Zero: Você pula e a sua espada faz uma lua amarela fodônica. É Muito útil (isso se você não for um noob!!).

Squid AdlerEditar

A fase dele é a mais odiada, pois você tem que andar na moto infernal do Motoqueiro Fantasma e quando a sua vida está preste a acabar, surge esse boiola que solta descargas elétricas pelo e que arranaca um Hp fudido.

 
X roubou a moto do Motoqueiro Fantasma

A fase na verdade é uma bosta, plágio do Jet Stingray do Megaman X4 Ataques:

X:Ele faz um pênis elétrico, em um milésimo de segundos, No ataque saem duas bolas e um raio reto e grosso (ui).

Zero:Zero faz uma cópia idêntica ao Shoryuken de Street Fighter, só que com choque.

Izzy GlowEditar

 
Izzy Glow preste a soltar uma grande merda.

O chefe mais fácil de todos. Só solta uma rajada de merda laranja. (Caso você sofra epilepsia, é recomendado não atacar com o ataque oferecido por Izzy Glow) Ataques:

X:A mesma coisa que o Chefão, só que a merda sai pela mão

Zero: Zero cria uma bola de trevas (isso sendo que o chefão é de luz) e joga no chão se espalhando em bolas menores para diversos lados da tela.

Duff McWhalenEditar

 
Fazendo força para cagar.

Possui o nome mais zuado da série Megaman X. Sua fase é a mais chata do jogo pois é só uns 10 minutos diretos sendo perseguido por um submarino enquanto porra nenhuma acontece. A primeira parte de sua batalha é só ele criando umas plataformas de gelo e de vez em quando atirando mísseis fáceis de se desviar, mas a segunda é apelona demais: ele tenta te jogar nos espinhos com seus blocos de gelo que são rápidos pra porra.

Ataques:

X: Solta peixes lunáticos que correm pra caralho.

Zero: Faz um air dash de gelo ridículo e fraco, mas que atravessa os inimigos.

The SkiverEditar

A Quépikom resolveu ressuscitar o Storm Eagle, mas não tinham ideia em envolver um chefe com os mesmos poderes, daí eles criaram um cavalo e chamaram de The Skiver. Ele tem os mesmos ataques pra foder com derrotar ele é só usar a Dar o cú para a Hôla Dark Hold. Parece mais um cão do que um cavalo é outro apelão. É um outro filho da puta que plagiou aquela Coruja filha da puta no Megaman X

 
The Skiver pronto pra te matar de novo.

Ataques:

X: Solta um ventinho podre que não faz nada.

Zero: Um espectro vermelho sai do corpo de Zero e só.

Axle the RedEditar

 
Ui!Como sou gay!!

O mais gay de todos! Ele foi aprendiz de Afrodite de Peixes e aprendeu aquele ataque gay das rosa diabólicas reais. E também cria um clonezinho viado que ficam dançando juntos no campo de batalha. De acordo com os nerds, sem vida social que jogam Tíbia Online e possuem level máximo Wikipédia, seu nome é maconha no cantor [[Axelrosarose|Axel Rose]], sendo considerado uma ofensa aos [[posers]] roqueiros.

Ataques:

X: olta uma mamona que fica balançando na tela e é um ataque muito apelão.

Zero: le faz um show de cores com um clone gay dele.

Dark DizzyEditar

 
Dark Dizzy tentando fazer cosplay de seu herói favorito, o Batman.

A fase se passa no espaço, onde você tem que fugir de morcegos irritantes que atiram bombas atômicas em você.

Ataques:

X:Paralisa o tempo fazendo você pensar que está drogado por que tudo fica com cores negativadas.

Zero:A mesma merda.

MattrexEditar

 
Mattrex pronto para um boquete.

Como todos os outros, esse é apelão até demais. Mas é só um dragão otário fácil de derrotar. Ele é patrocinado pela loja de brinquedos Mattel

Ataques:

X: Atira fogos de artifício que são uma porcaria.

Zero:Uma explosão que não causa nada

Outros chefõesEditar

 
jungle, welcome to the jungle.

Dynamo: De vez em quando ele aparece para encher o saco de quem está jogando.

Bolota gigante preta: O primeiro dos últimos chefões. Um dos sinais que Dr. Wily continua vivo no jogo.

O ponto fraco dele é o olho, mas não aquele olho, e sim esse olho aqui.

Parede com olhos coloridos: Flashback de um chefão do Megaman X, mas dessa vez ele dá tapa na pantera.

Zero ou X: Dependendo de quem está jogando, você pode batalhar com Zero ou X. É que o Vírus Zero infecta o Zero e ele fica com uma vontade de meter porrada no X. Estranhamente, no plano de fundo da batalha tem um grande e escandaloso W. Por que será?

 
Aquele W no plano de fundo não te lembra alguém??