Abrir menu principal

Desciclopédia β

Mendelévio

Dmitri Mendelévio
Mendelevium.jpg
Um supositório de mendelévio, porque mendelévio de verdade nunca foi realmente criado, exceto uns átomos
Símbolo, número Md, 101
Série Radioativídio
Principal isótopo 258Md
Propriedades atômicas
Massa atômica (258) cus
Dureza Desconhecida
Nível de radioatividade Altíssima
Nível de toxicidade Altíssima
Propriedades físicas
Comestível? Alta
Inalável? Não
Posso passar na pele? Não
Onde encontrar Bombas atômicas explodidas
ponto de fudição Dado irrelevante
ponto de rebuliço Dado irrelevante
Coisas de quadrinhos
Probabilidade de te transformar num super-herói Nula, só te mata mesmo



Mendelévio é um desses elementos químicos com prótons e elétrons demais (101 ao todo) que não tem a menor condição de existir na natureza e portanto é considerado um elemento fictício, que está ali junto com o nobélio e o laurêncio não por realmente existir, mas só pra fechar a linha dos actínios.

CaracterísticasEditar

Por ser um elemento inventado, não há um consenso sobre quais seriam as características do mendelévio, já que cada pesquisador quer inventar suas próprias características ao mendelévio e não há um consenso sobre como ele realmente deve ser. Alguns até tentam colocá-lo em água ou reduzido a isótopos com menos nêutrons e mais estáveis, mas a melhor forma de descrever as características do mendelévio é mesmo inventá-las.

As duas únicas características do elemento que são por unanimidade aceitas por toda comunidade científica como verdadeiras são os fatos do mendelévio ser radioativo e do mendelévio ser um elemento extremamente inútil de se estudar porque vai levar ninguém a lugar algum descobrir as propriedades dele.

HistóriaEditar

Mais um dos tantos elementos criados para fins de porra nenhuma na Universidade da California em 1955. Albert Ghiorso engordou einstênio com nêutrons até ele ficar obeso o bastante para ser considerado um mendelévio. No caso, o 256Md durou só 77 minutos, porque começou a defecar partículas alpha para emagrecer de volta.

Com já 100 elementos criados, estava acabando a quantidade de químicos a serem homenageados, até porque não existem tantos químicos importantes assim, porque pessoas importantes acabam querendo fazer outra coisa que não química. Mas aí lembraram do alquimista russo Dumbledore Mendeleev, o próprio criador da tabela periódica, então nada mais justo que incluí-lo em sua própria tabela.

AplicaçõesEditar

Como é um elemento que não existe, é óbvio que ele não tem nenhuma utilidade ou aplicação prática. Sua única função é infernizar a vida dos estudantes da tabela periódica, obrigando-os a decorar mais um nome maluco, mendelévio, que nunca usarão em nada prático.