Abrir menu principal

Desciclopédia β

Mendonça

Gnome-searchtool blue.png Mendonça é uma pequena cidade desconhecida.
Você pode estar perdendo seu tempo à-toa ao ler sobre essa joça.
Provavelmente, esta cidade não tem mais do que dez anos.

Sciences de la terre.svg.png
Va-a-merda-porra-(Luiz-Carlos-Alborghetti).gif Este artigo pretende ser ofensivo!

Se você não se sentiu ofendido, edite-o até se ofender.

E se se sentiu ofendido, VÁ A MERDA, PORRA!!!
Carroca1.jpg Enxada-2.pngEsti artigu é caipira, sô!!Enxada-1.png

Este tar di artigu pareci caipira, foi escritu purum caipira, ô ele é de fato
CAIPIIIIRRA!!!

Num istraga eli naum, si não nóis crava a inxada pra riba docê!


Cquote1.png Onde fica essa porra?? Cquote2.png
você sobre Mendonça
Cquote1.png Essa cidade é uma bosta! Cquote2.png
Morador de Adolfo sobre Mendonça
Cquote1.png É uma bosta mas vocês dependem dela! Cquote2.png
Morador de Mendonça sobre Citação acima

Mendonça é uma cidade que fica entre São José do Rio Preto e o cu do mundo, passando por cidades como Bady Bassit, Nova Aliança e mais umas sem graça que não interessam a ninguém.


Índice

HistóriaEditar

Mendonça foi fundada em 1963 por um monte de gente que ninguém sabe quem é, por motivos que todos desconhecem. Até uns anos atrás, Mendonça era um distrito de uma outra cidade aí mas, após uma série de disputas que, obviamente, ninguém ouviu falar, Mendonça conquistou sua autonomia e se tornou o município morto pacato e tranquilo que hoje todos nós conhecemos (ou não). Também é famosa (?) pela rixa que seus habitantes têm com os da vizinha Adolfo, mas, claro, ninguém sabe dizer o porquê.

A CidadeEditar

Mendonça é uma cidade bem tranquila e bem pacata. Assim como o resto do interior de São Paulo, em Mendonça a temperatura bate fácil nos 30°C, tem uma zona rural maior que a urbana, duas escolas furrecas lotadas de pivetes vagabundos, uma pracinha central detonada, outras 10 pracinhas menores espalhadas pela cidade e que só serviram pra gastar dinheiro, um único hotel, uma única agência de correio, uma única academia frequentada pelos pitboys da cidade, uns 5 bairros só de casas de CDHU, um monte de igreja crente e internet via rádio de graça pra todo mundo (apesar de ser pior que discada pra quem mora a mais de 4 quarteirões da antena), apesar de ter que pagar 300 mangos pela antena, entre outras características. É bom se cuidar porque Mendonça também tem os policiais mais filhos-da-puta da região!

População e CostumesEditar

 
Típico habitante da cidade

Mendonça tem uma população aproximada de 4.500 habitantes, sendo 60% destes cortadores de cana nordestinos que vieram por causa da usina de cana que se instalou na beirada da cidade. O resto é composto por idosos, velhas fofoqueiras, vira-latas, gatos de rua, maritacas, roceiros, sitiantes, Agroboys metidos e Piriguetes que dão mais que chuchu na serra.

Lá também é costume a garotada começar a beber na prainha com 13 anos, apanhar brigar em balada com 15 e bater o Corcel do pai na rodovia com 16, enquanto as mulheres começam a beijar com 10, ficarem com a cidade toda aos 14 e darem o rabo com 16.

EconomiaEditar

 
Principal fonte de renda da cidade

A economia de Mendonça gira ao redor da usina de cana que foi instalada na beirada da cidade, empregando cerca de 70% da população da cidade direta ou indiretamente; como os bares e caixeiros-viajantes que "abastecem" os cortadores. e as várias fábricas de costura que empregam as mulheres dos trabalhadores da usina para que elas não chifrem os maridos. Outros 20% da economia são movimentados pelas igrejas crentes (abaixo listadas) e 5% ficam a cargo de pequenas criações de gado, hortinhas de legumes e verduras, plantações de laranja e etecétera.

Dentre as igrejas da cidade estão as seguintes:

  • Igreja Pentecostal Deus é Amor;
  • Assembléia de Deus;
  • Salão do Reino das Testemunhas de jeová;
  • Ministério Madureira;
  • Igreja do Evangélio Quadrangular;

entre algumas outras, que não param de pipocar.

Por lá também existe uma fábrica de plástico meio capenga e uma firma chamada Citrosol, que ninguém sabe pra que serve e, apesar de tecnicamente se situar na vizinha Adolfo, só não emprega mais gente que a usina.

TurismoEditar

Entretenimento é uma coisa escassa em Mendonça. São raros os bailes regados a som automotivo e as quermesses nunca vão muito além do bingo valendo frango assado e liquidificador. A única coisa que coloca Mendonça no mapa da região (Já que no oficial do Estado de São Paulo você não encontra Mendonça) é a prainha de água doce da Barra Mansa, que vive lotada de barangas, agroboys trêbados, adolescentes escrotos e velhos pançudos que adoram colocar Tião Carreiro e Pardinho pra tocar no último (com direito a CD riscado) enquanto enxem os chifres de cerveja. A água é enlameada, as mulheres feias, os frequentadores vivem bêbados e adoram fazer barulho, além de brigar ocasionalmente nos fins-de-semana e baterem o carro na BR ao irem embora. Visitar essa droga só compensa pelo baixo preço das porções de peixe frito e por não se ter mais nada pra fazer. E quando não são os piabas da cidade, é a escória abastada de Rio Preto que invade o local de assalto.

A cidade também sedia uma Festa do Peão (como toda boa cidade de interior de São Paulo) conhecida pelos preços ácidos e pelo número de gentalha espectadores que vêm assistir o show. Dependendo do ano vem mais gente de fora do que a própria população de Mendonça! E, obviamente, o que mais rola lá é mulher feia, gente bêbada e brigas, muitas brigas.

Agora, se você quer alguma coisa diferente disso, vá para Adolfo; que tem festa toda semana e, de quebra, você pode ver a turma de Mendonça apanhando bonito dos marombados locais.

Ver tambémEditar