Abrir menu principal

Desciclopédia β

Michael Andretti

EUA Falencia.jpg United $tate$ of McDonald'$

Este artigo é gringo! Ele come Big Mac com Coca Cola no café-da-manhã e pensa que Seinfeld é a melhor série de todas.

Cquote1.png Você quis dizer: Mario Andretti Cquote2.png
Google sobre Michael Andretti
Cquote1.png Você quis dizer: Falcão Cquote2.png
Google sobre Michael Andretti
Cquote1.png Você quis dizer: Nepotismo no automobilismo americano Cquote2.png
Google sobre Michael Andretti
Cquote1.png Você quis dizer: Bode expiatório da McLaren Cquote2.png
Google sobre Michael Andretti
Cquote1.png Experimente também: Marco Andretti Cquote2.png
Sugestão do Google para Michael Andretti
Cquote1.png Si fudêo! Cquote2.png
Mika Hakkinen após puxar o tapete de Michael Andretti na McLaren

Michael Andretti
Michael Andretti.jpg
Esbanjando bom humor!
Nascimento Bethlehem, Bandeira dos Estados Unidos Estados Unidos
Nacionalidade Americano
Ocupação Chefe de equipe
NovoWikisplode.gif
A nossa sátira autorizada, a Wikipédia, tem um artigo sobre: Michael Andretti.

MICHAEL ANDRETTI é o começo da proliferação da máfia ítalo-americana nos EUA (redundância...), cujas atividades se encontram no automobilismo: filho de Mario Andretti (que que Mário?), ele faz parte da 2ª geração dessa máfia no país, uma máfia do bem, pois, até que provem o contrário, eles não matam, contrabandeiam, matam, extorquem (se bem que ele extorque sim, lembrando que ele tirou o Tony Kanaan da sua equipe após ele se recusar a ser extorquido), traficam bebidas (não. O Volstead Act foi derrubado há 80 anos) e outras coisas que essas redundantes máfias ítalo-americanas fazem.

Nascido em Bethlehem, em 5 de Outubro de 1962, correu na Fórmula Indy, foi queimado na Fórmula 1, voltou pra Indy, voou na Mulsanne em Le Mans, ou seja, o pacote completo no automobilismo. Por estar velho e com as artrites fazendo a diferença, já é um senhor aposentado, mas não quer saber de largar o osso: atualmente é o dono da equipe de nome superoriginal chamada Andretti Autosport, onde se mostra adepto do nepotismo, ao colocar o filho Marco Andretti, da 3ª geração da máfia automobilística, para pilotar para ele.

Índice

O Começo:Editar

Michael, querendo ser mais um a provar que “Michael” é nome de pessoas extremamente incríveis, tanto que seu xará alemão é o maior piloto de todos os tempos, resolve seguir os passos do seu pai, que ainda estava correndo na Fórmula 1, com nacionalidade americana, pois era difícil ser piloto na Itália na época e porque estava na moda sair da Itália para viver no Grande Satã, ou seja, se tornar um piloto. Como o pai dele estava faturando milhões na Fórmula 1 e em contratos de patrocinadores, entre os quais o lendário cigarro do Cowboy gay, ele pôde iniciar sua carreira.

Comprou um kart e foi para as pistas, onde era sempre dado como hors concours por causa da árvore genealógica, sendo o filho do único piloto americano que conseguiu fazer algo na F1. Ganhava as corridas e os troféus, mas, nunca os campeonatos por isso, ou seja, nenhum credenciamento para nada nos EUA.

Assim, viaja para a Itália para recomeçar sua carreira sem ser tratado como alguém especial, e para entender porque seu pai fugiu de lá, assim, conseguiu o que lhe faltava: títulos, pois ali ele jamais seria hors-concours: era só mais um filho do Grande Satã cujo pai fugiu do país só para ser vítima dos clichês de ítalo-americanos.

Após vencer tudo, consegue correr em um campeonato de base.

Carreira:Editar

Base:Editar

 
Que vidinha de merda, hein...

Voltou aos EUA, onde correu de Fórmula V, um campeonato cuja verba arrecadada com ingressos e patrocínio era revertida a produção da série V, onde venceu quase tudo e achou aquilo fácil demais.

Como a série foi cancelada, o campeonato perdeu muita força, e ele migrou para a Fórmula Atlantique, que é um degrau para a Indy Lights, que é um degrau para a Indy, ou seja, um desperdício de tempo.

Por causa desse ciclo e o fato de seu pai ter saído da F1 para iniciar seu império no país, teve que desistir da Fórmula 1.

Por ser o cara que tem pai famoso no meio, os oponentes brincavam de Carmaggedon com ele, o que tornou a parada mais difícil para ele, não dava mais para vencer como ele vencia antes.

Após muita birra, o papai o leva para Le Mans com direito a mostrada de língua aos seus oponentes que tiveram que assistir as 24 Horas de Le Mnas pela TV. Se juntou a um local para ganhar a torcida, correram, não voaram na Mulsanne e voltaram.

Após essa experiência, consegue um contrato para correr na Indy. Era a máfia automobilística dos Andrettis começando.

Na Indy:Editar

 
Após Mario e Al Unser se matarem em pista, era a vez dos filhos...

Começou já em uma boa equipe, a Newman-Haas (aquela equipe onde Paul Newman torrava a grana que ganhava com os filmes que fazia) após provar que tinha QI (Quem Indica), e assim, começou a desaprender a virar para direita, marca registrada dos pilotos americanos e conseguiu ir bem.

Após um tempo, a máfia Andretti tinha novos trabalhos em Le Mans: ele, Mario e John trabalharam por lá. Mas, como para sair da Mulsanne era necessário virar para a direita, coisa que ele não sabia como fazer dada sua natureza, bateu, o clã não conseguiu trabalhar e assim eles voltaram sem a realização de sua missão.

De volta, continuou correndo e sendo perseguido pela árvore genealógica, ele ganhava mas não vencia, ao contrário do pai que, quando tinha a idade dele na época, já estava cheio de alergia a pó por causa do acumulado com tanto troféu.

Após uma vitória e descobrir que Emerson Fittipaldi correria na categoria, fica extremamente nervos, bebe todas e transa com a garçonete do Hooters que o estava servindo. 9 meses depois, ele vira pai, iniciando a 3ª geração do Império Andretti.

Em 1991, já pai e de saco cheio de ser chamado de “O Filho do Mário” e de “O Cara que Sabe Onde Está o Mário” e com medo de o Marquinho passe a ser chamado de “O Neto do Mario”, se emputece e vence a Indy.

Como a Marlboro estava querendo um piloto americano na McLaren para que seu país esteja sendo representado nas pistas junto com os Cowboys gays, Michael vê isso e se manda da Indy e vai para a F1.

Fórmula 1:Editar

 
Pensando no Hakkinen

Na McLaren, percebeu que tinha sido vítima de propaganda enganosa: na verdade, ele seria só o cara que limpa a barra do Ayrton Senna, ou seja, sem grandes ambições, e ainda tendo que babar ao ver as mulheres do Senna, pois não é todos que podem pegar a Adriana Galisteu (o Roger conseguiu, palmas para ele!) e a Xuxa (se bem que essa aí era fácil. Andretti não conseguiu chegar junto mesmo. Foi frouxo.), e ainda tinha que ver o Marco sendo bulinado pelo Bruno.

Após um primeiro ano de figuração, a McLaren resolveu conspirar para queimar sua carreira na categoria: a equipe já estava de olho em Mika Hakkinen, e Senna era intocável, então, sobrou pro bode expiatório, de um jeito ou de outro ele teria que sair da equipe.

Então, após aquela corrida em Donnington Park, onde Senna ganhou 4 posições na 1ª volta e é taxado de rei (e Rubens Barrichello ganhou mais de 10 e é motivo de chacota), o pessoal da McLaren deu um ultimato ao piloto: se não fechar a 1ª volta em uma corrida na Itália, onde não pegou a liderança, em 1º, perderia o emprego: e ele não conseguiu. Terminou a corrida em 3º, garantiu 15 6 4 pontos para a McLaren e foi demitido da equipe. Era a vez de Hakkinen ser o figurante de Senna.

Volta a Indy:Editar

Trocou um carro vermelho e branco por outro carro vermelho e branco, demonstrando ser torcedor do Internacional, assina com a Chip Ganassi, a equipe que era a grande modinha da época, se lamentando com o que aconteceu com ele na F1: Senna tinha acabado de sair da categoria, ou seja, ele esperava voltar para a McLaren, o que não aconteceu.

Aceitando essa nova realidade, continuou levando sua vida no automobilismo americano, retomando o domínio da famiglia no país, torcendo para que os estereótipos voltassem.

No ano seguinte, volta para a Newman-Hass para que Paul Newman pudesse fazer um filme sobre o game que levaria seu nome aquele ano. Com sorte, os brasileiros não fizeram um hack desse, colocando o nome de Ayrton Senna como a barbaridade que fizeram com Nigel Mansell, que estava o aterrorizando naquela época nos Esteites.

A maldição dos cowboys gays continuou e ele não conseguiu vencer mais nada, só dinheiro mesmo. Até Indy 500, que nem com o próprio equipamento ele conseguiu vencer.

Administrativamente:Editar

Já sob os efeitos e os calores da atrite, se aposentou e, para ajudar seu filho, resolve criar a Andretti Autosport, que, nada mais seria do que o nepotismo na pista: seria a única equipe onde Marco Andretti pilotaria, ou seja, é o clã preparando seu atual representante nas ações de famiglia.

Sua equipe era formada pelo filho, uma gostosa veloz, e dois figurantes. Era uma família que não era conhecida por serem extorquistas. Tony Kanaan só não está aí porque o arrgego foi curto, e, quando o arrego é curto, acaba o amor (essa frase ia ficar muito foda em um filme de ação!!!)...

Danica se tornou uma caipira racista, ou seja, deixou a equipe, então, Dan Wheldon seria seu substituto, mas, como a morte ofereceu um contrato à força para ele...

v d e h
Pilotos da Fórmula 1
v d e h
Pilotos da IndyCar Series