Abrir menu principal

Desciclopédia β

Moqueca

Oco Jajá.jpg Este é um artigo gastronômico.

Jailson Mendes garante: "Este artigo é gostoso, grande e gostoso!"

BandeiraES.JPG Este artigo é CAPIXABA!

Ele só aparece na televisão quando acontece tragédia, tem o pulmão preto de tanto pó de minério, torce pra time carioca e passeia na Vitória-Minas. Apesar disso, é trabalhador gente-fina, ao contrário dos seus primos sulistas.

Nós não vivemos apenas de Roberto Carlos.

Receita.jpg
Veja também uma receita sobre Moqueca

Moqueca é um prato culinário tipicamente brasileiro, que na verdade se chama Peixada. O seu comércio envolve intrincados sistemas de empresas de transporte, indústria do entretenimento, corporações de alimentos, organizações de saúde e a vigilância sanitária.

Índice

CulturaEditar

 
O vistoso aspecto de uma deliciosa moqueca.

Os primeiros registros da moqueca surgiram em torno de 1500, quando Pedro Álvares Cabral deu alguns espelhos aos indígenas em troca de algum prato de peixe. O nome do prato vem da expressão indígena "moquecar", que significava "reproduzir sexualmente" em tupi guarani, e posteriormente passou a significar a expressão "assar/cozer para ingerir em seguida livre das bactérias presentes na carne crua". Aquele foi o primeiro peixe assado da história

Os primeiros registros escritos sobre a moqueca aconteceram em 1554, quando um jesuíta português mandou uma carta de clemência ao rei de Portugal com os dizeres "Aqui é o Inferno! Esses malditos índios, eles moquecam a carne humana misturada com peixes. Eles acham a nossa pele branca uma especiaria! Eu quero voltar para Portugal ora pois!", e assim surgiu a "moqueca", que no início levava partes humanas e outros ingredientes tipicamente indígenas na preparação do tempero como mandioca, maconha e veneno (LSD na Europa).

O tempo passou, os índios foram extintos, mas a moqueca ficou, os escravos que não gostavam de carne humana adaptaram o prato, tiraram aqueles temperos estranhos dos indígenas e passaram a fazer o tempero da moqueca com os diversos restos que dispunham que catavam no lixo de seus senhores, como pé de porco, orelha de porco, rabo de porco, ovos podres, capim, barro e o peixe do mais barato. Surge a Moqueca Baiana, uma das principais oferendas da umbanda.

 
O transporte do peixe da moqueca deve priorizar a agilidade, para que o peixe chegue à mesa o mais fresco possível.

A moqueca também serviu como arma letal para os cavaleiros medievais dos séculos XIV, XV e XVI, que duelavam até a morte usando o peixe assado como arma.

João Paulo II no comando do Vaticano declara que a moqueca é um símbolo cristão da Santa Ceia, onde Jesus reparando na fome dos palestinos na Faixa de Gaza, multiplicou as moquecas e distribuiu para 5.000 militantes do Hamas, por conta desse ultraje foi condenado e crucificado pelo Império Romano (atual Estados Unidos) se tornando um mártir religioso.

Depois de séculos de história, hoje a moqueca é um prato que apenas restaurantes sabem preparar e não é mais popular sendo bem caro para o consumo. A moqueca de hoje também não é mais assada como antigamente, mas afogada em infinitos temperos picantes.

EconomiaEditar

 
A moqueca auxilia a economia canadense.

Na Bahia, a moqueca movimenta apenas 45% da economia, ficando atrás dos cocos, os acarajés e as visitas ao pelourinho. O típico prato capixaba movimenta 95% da economia do Espírito Santo.

Todos os rios do Brasil tem restaurantes de moqueca.

Gosto, Textura e CorEditar

 
A papinha de neném O pirão, principal acompanhante da moqueca.

Muito semelhante ao típico prato cearense, a buchada de bode, o aspecto de uma moqueca é intragável, uma vez que seu preparo pode ser resumido em "Misture peixe e quantos ingredientes você achar possível em uma panela de barro a alta temperatura no forno", mas se você saboreá-la de olhos fechados vai apreciar o prato (ou não).

É correto afirmar também, que a moqueca é uma sopa de peixe refogada em ingredientes estranhos. Os baianos inventaram o pirão apenas para dar textura à moqueca.

O gosto do peixe é quase imperceptível, o paladar só consegue detectar o gosto dos diversos e variados temperos de uma tradicional moqueca. O peixe na verdade só serve para dar uma textura e você não precisar tomá-lo como bebida num copo, mas como refeição em um prato. O grande sabor de uma boa moqueca é que seus mais de 134 ingredientes possíveis tem um tempo específico de cozimento, e você pode saborear seus legumes crus junto com o peixe ressecado.

O caldo da moqueca tradicional tem cor barrenta, com aquelas diversas ervas verdes contrastando e os pedaços de ovos cozidos chamando a atenção.

A Tênue diferença entre a moqueca capixaba e a moqueca baianaEditar

Na verdade não existe nenhuma diferença, é tudo peixe afogado em um monte de tempero A moqueca baiana é misturada com Azeite de Dendê, leite-de-coco e acarajé.

CuriosidadesEditar

  • O peixe sempre acaba primeiro.
  • Você nunca acha o camarão.
  • Você sempre só come legumes e bebe sopa.
  Este é um artigo gastronômico.

Léo Stronda garante: "Lê esse artigo que cê vai se dar bem, confia no monstro!"