Abrir menu principal

Desciclopédia β

Morbid Angel

Passarinho.jpg Este artigo é sobre um(a) artista, grupo musical ou uma banda.

Certamente, seus fãs idiotas alienados o odiarão!

Morbid Angel
Morbid-Angel.jpg
A Banda, tentanto com sucesso, persuadi-lo a comprar seus CD's.
Origem Icons-flag-us.png Tampa, Florida,
País E, U e A
Período 99 a.C. - Dias atuais
Gênero(s) Ópera Pop Death Metal
Gravadora(s) Isso Vai Me Dar Dor de Ouvido Records
Integrante(s) Trey Azagthoth, Pete Sandoval, Davi Vicente
Ex-integrante(s) Vide abaixo
Site oficial www.morbidangel.com


Cquote1.png Você quis dizer: Destruição Auricular Cquote2.png
Google sobre Morbid Angel
Cquote1.png AAAAAAAAAAAAAAA!!!! Cquote2.png
Ser humano qualquer após ouvir uma faixa de qualquer CD do Morbid Angel
Cquote1.png Eles são nossos ídolos, mas nós somos melhores! Cquote2.png
Dream Theater sobre Morbid Angel
Cquote1.png O que vocês disseram, não ouvi? Cquote2.png
Cthulhu e Satanás sobre última citação do Dream Theater
Cquote1.png Nada mestre, nada. Cquote2.png
Dream Theater em resposta
Cquote1.png Caralho! Que banda mais rápida da porra! Cquote2.png
Dercy Gonçalves num show do Morbid Angel

Morbid Angel é uma banda de ópera pop de Tampa, Flórida. Vivem em uma pequena casa branca, num tranquilo bairro suburbano, ao longo de lindas praias ensolaradas e pomares férteis o ano todo à frente da casa. Os membros da banda são grandes fãs de Madonna, e enquanto não estão fazendo turnês, se reúnem para jogar Vampiro: A Máscara e Dungeons & Dragons.

Índice

BiografiaEditar

A banda foi formada em 1983 por Trey Azagthoth ao realizar um ritual que encontrou no livro Minha Primeira Necromancia. Ele pretendia invocar Azagthothtemostrabaloköghth através da frase: R'ienj oui'jah Azagthothtemostrabaloköghth Cthulhu seid'na chit' ind'be le mas esquceu de pronunciar uma sílaba e o próprio Cthulhu surgiu do nada. Então Cthulhu estava prestes a transformar Trey numa ninfeta Spice Girl, por causa de uma simples sílaba, quando subitamente, Trey ofereceu sua alma em troca das habilidades de Eddie Van Halen, John Petrucci e Muhammed Suicmez somadas. No entanto, Cthulhu disse que só faria se ele encontrasse dois participantes. Trey fugiu da casa da sua mãe, correu pela rua e se atracou com os dois primeiros que encontrou, no caso Pete Sandoval e David "Tina Turner" Vicent. E instantâneamente, os três membros ganharam incríveis habilidades musicais: Trey, como dito antes, ganhou as habilidades dos três melhores guitarristas do planeta, e, sua mão ficou tão rápida que tentou se masturbar na hora, mas acabou queimando o Pênis junto com a palheta e o diapasão; Pete recebeu o dom do deus Mercúrio, desde então, seus movimentos aliado a sua habilidade percurssiva, produzem relâmpagos e nenhum pedal ou baqueta resiste e acaba sendo queimado ou derretido pelo calor. Já David Vicent, que tinha voz de tenor, no ato do "recebimento" do dom, teve uma ruptura em suas cordas vocais, dando-lhe um grande tom gutural, que fez tremer os mortais ao redor. Com isso, a banda foi formada.


ÁlbunsEditar

 
Altares da Loucura
Editar

Prestes a gravar o primeiro álbum, queria que fosse um álbum conceitual sobre o filósofo Friedrich Nietzsche. Mais de uma vez a citação Deus está morto foi repetida no álbum todo. Quando veio para nomear o álbum, eles desenvolveram um método revolucionário: tinham um saco preto com um ponto de interrogação branco sobre a tela. No saco estavam as 26 letras do alfabeto. Trey tentaria atingir o saco e retiraria uma carta, a carta que saísse com a letra seria a primeira o álbum. Trey atirou a carta e então saiu a letra A. Logo, o álbum se chamaria Altares da Loucura, em homenagem a Nietzsche e o que ele faz em seu livros.

Faixas:

  1. Immortal Rites – 4:04 (Rituais Imortais)
  2. Suffocation – 3:15 (Sufocamento)
  3. Visions from the Dark Side – 4:10 (Visões do Ladro Negro da Força)
  4. Maze of Torment – 4:25 (Muro das Lamentações)
  5. Lord of All Fevers and Plagues – 3:28 (Senhor das Pragas e Fervuras)
  6. Chapel of Ghouls – 4:58 (Chapéus de Fantasminhas)
  7. Bleed for the Devil – 2:23 (Sangramento do Demo)
  8. Damnation – 4:10 (Danadinha)
  9. Blasphemy – 3:31 (Palavras de Deus)
  10. Evil Spells – 4:13 (Mágica do Mal) aka Magia Negra
  11. Maze of Torment (remix) – 4:27 (Ao Vivo)
  12. Chapel of Ghouls (remix) – 4:59 (Ao Vivo)
  13. Blasphemy (remix) – 3:21 (Ao Vivo)

 
Abençoados Sejam os Doentes
Editar

Depois de uma bem-sucedida turnê, começaram a trabalhar num novo álbum, dedicado às suas doenças favoritas, a Tuberculose .No entanto, Cthulhu entrou em contato com a banda e lhes disse que as músicas também teria que ser sobre ele e outros deus pagãos, isso se quiserem manter as habilidades. Por isso, incluíram a faixa "The Ancient Ones", que levava a mistura. Para melhorar a estrutura da música, tiveram alguns elementos musicais das folhas de Mozart. Esse álbum também foi o primeiro do Morbid Angel a ser lançado com características de violino, que foi jogado na faixa Abençoados São os Doentes/Liderando os Ratos.

Faixas:

  1. Intro – 1:27 (Introdução)
  2. Fall from Grace – 5:13 (Caindo na Gargalhada)
  3. Brainstorm – 2:34 (Tempestade Cerebral) - Acontece com quem ouve pela primeira vez.
  4. Rebel Lands – 2:41 (Ilhas Rebeldes) WTF?
  5. Doomsday Celebration – 1:49 (Celebração do Fim do Mundo)
  6. Day of Suffering – 1:54 (Procurando Emprego)
  7. Blessed Are the Sick/Leading the Rats – 4:47 (Abençoados São os Doentes/Liderantos os ratos)
  8. Thy Kingdom Come – 3:24 (Comendo os USA)
  9. Unholy Blasphemies – 2:10 (Palavras Sagradas de Deus)
  10. Abominations – 4:27 (Pessoas Bonitas)
  11. Desolate Ways – 1:40 (Caminhos Desolados)
  12. The Ancient Ones – 5:53 (Os Véião)
  13. In Remembrance – 1:25 (Lembrando as Lembranças)

 
A Arca do Pacto
Editar

 
A Arca dada à banda por Cthulhu. Meio familiar, não?

Depois de outra turnê bem-sucedida, Cthulhu mostrou sua satisfação por premiar a banda com a Arca da Aliança. Adoraram o artefato, tanto que decidiram gravar seu próximo álbum baseado unicamente em torno da Arca. Queriam nomear o álbum como "Arca da Aliança", mas necessária a tradição de puxar a carta do chapéu, não permitia isso, então puxaram a carta "P". Como não podiam nomeá-lo "Arca da Aliança", improvisaram, pondo o nome de "Pacto, A Arca do". Para promover seu novo álbum, começaram a planfetar folhetos que diziam que, se as pessoas não comprassem seu novo álbum, iriam libertas os espíritos demoníacos detidos na Arca. A promoção foi total sucesso. Tanto que foram vendidas 125.000 cópias do álbum só no primeiro dia de lançamento. Fazendo posteriormente com que fosse o álbum de Death Metal mais bem-sucedido de todos os tempos.

Faixas:

  1. Rapture – 4:17 (Raptura da Criatura)
  2. Pain Divine – 3:58 (Divina Dor)
  3. World of Shit – 3:20 (BRASIL!!) - Cazuza fez uma interpretação dessa música.
  4. Vengeance Is Mine – 3:15 (Kratos)
  5. The Lion's Den - 4:45 (Dente de Leão)
  6. Blood on My Hands – 3:43 (Menstruei em Minhas Mãos)
  7. Angel of Disease - 6:15 (Anjo de Glórias) - Cópia de Ângelo, DESCE!, do Irley
  8. Sworn to the Black – 4:01 (Volte a Ser Preto - Música dedicada a Michael Jackson, um grande ídolo da banda.)
  9. Nar Mattaru – 2:06 (Mataru Eli) - Clássico no Rio de Janeiro.
  10. God of Emptiness – 5:27 (Deus Vazio) Clássico dos Clássicos.

 
Dominação
Editar

Continuando com seu enorme sucesso, como era de se esperar, gravaram outro álbum. Desta vez sobre os grandes conquistadores do mundo. Com seus poderes necromânticos, reanimaram o cadáver de Julius César para executar backing vocals na canção Caesar's Palace e contrataram o Cardeal Ximanes da Espanha para reproduzir a canção em ritmo de guitarra Inquisição Espanhola. Chamaram o álbum de Dominação com a razão simples de "vai dominar a parada". Como agente promocional, Julius César ameaçou as pessoas, que se ninguém comprasse o álbum, ele iria invocar seu exército de soldados mortos-vivos para comer os seus cérebros (o seu também). Embora não seja tão bem sucedido como A Arca do Pacto, Dominação vendeu na faixa de 42 à 666 mil álbuns, apenas.

Faixas:

  1. Dominate – 2:39 (DOMINA ESSA PORRA!)
  2. Where the Slime Live – 5:26 (Onde o Sorriso Mora)
  3. Eyes to See, Ears to Hear – 3:52 (Olhos para Ver, Nariz para Cheirar) - Clara apologia ao Cheiramento de Gatinhos
  4. Melting - 1:20 (Melando...)
  5. Nothing But Fear – 4:31 (Nada de Medinho!)
  6. Dawn of the Angry – 4:39 (Queda do Faminto)
  7. This Means War – 3:12 (É GUERRAAA!!!)
  8. Caesar's Palace – 6:20 (Casinha do César)
  9. Dreaming - 2:17 (Sonhando...)
  10. Inquisition – 4:33 (Aprendendo com a Igreja)
  11. Hatework – 5:47 (Trabalhe Seu Ódio)

 
Eu Assumo, é Caos e
Formula Fatal do Perfume Francês 
Editar

 
Steve Sucker mostrando sua habilidade em queimar críticas destrutivas à banda

Durante a turnê de Dominação, gravaram ao vivo o álbum Eu Assumo, é Caos. Ainda com o cadáver de Juilius César reanimado, decidiram usá-lo em backing vocals em praticamente todas as canções. Após o término da turnê, Davi Vicente deixara a banda, alegando que tinha umas questões pendentes com seu arquirival Davi Lee Roth Lemos, mas ele queria ter certeza que o integrante a substituí-lo, faria muito pior melhor que ele, e que na entrevista oficial de abandono da banda, o substituto não faria tanta merda com seu baixo. Chamaram então Estêvão "Bafo-de-Fogo" Sucker, que, de tão rigoroso que era, assustava os amigos e até exigia muito quando o baixo não ficava totalmente em pé na sua estante. Já com o novo membro, começaram a produzir o novo álbum, que saiu com um pouco de atraso, devido a que Estêvão "Bafo-de-Fogo" Sucker constantemente verificar o isolamento das portas do estúdio, e as portas que levavam ao estúdio e todo o prédio, em consequência ao seu péssimo hálito. Terminada sua gravação completa, o álbum ganhou o nome Formula Fatal do Perfume Francês - que é um álbum totalmente francofobíaco, criticando severamente os perfumes franceses - tais músicas como Bill seu viado!, Maria é uma Mula e Pacto de Fedor, são críticas diretas a tradição e fama dos perfumes franceses. Outra canção incluída foi Hino Ritual de Guerra que foi acrescentado na época, a alguns jogos de RPG de Super Nintendo, incentivando subliminarmente às crianças a travarem guerras com os pais, causando Caos sem tamanho. O álbum foi muito mal recebido em alguns países francofilos, inclusive a França. O governo francês decidiu proibir a execução e venda do álbum e a turnê da banda no país. Mas o Morbid Angel entrou com uma ação judicial contra o governo francês (usando seus aliados do bem), que instantâneamente levantou bandeira branca e na última hora os recebeu de braços abertos, com todos os fãs.

Faixas de Eu Assumo, é Caos:

  1. Immortal Rites - 4:08
  2. Blasphemy of the Holy Ghost - 3:31
  3. Sworn to the Black - 3:49
  4. Lord of All Fevers and Plague - 3:56
  5. Blessed Are the Sick - 2:48
  6. Day of Suffering - 2:02
  7. Chapel of Ghouls - 3:47
  8. Maze of Torment - 4:25
  9. Rapture - 4:07
  10. Blood on My Hands - 3:41
  11. Dominate - 2:54

Faixas de Formula Fatal do Perfume Francês:

  1. Heaving Earth – 3:54 (Ganhando Espaço)
  2. Prayer of Hatred – 4:28 (Ódio do Rezador)
  3. Bil Ur-Sag – 2:30 (Saco do Bill)
  4. Nothing is Not – 4:44 (Não é Nada e Porra Nenhuma)
  5. Chambers of Dis – 3:30 (Câmara de Quê?)
  6. Disturbance in the Great Slumber – 2:32 (Masturbação do Grande Punheteiro)
  7. Umulamahri – 4:34 (Olha Lá e Rí!!)
  8. Hellspawn: The Rebirth – 2:43 (Renascimento do Spawn) De novo?
  9. Covenant of Death – 6:08 (Pacto de Vida)
  10. Hymn to a Gás Giant – 1:04 (Inalando Muito Pó)
  11. Invocation of the Continual One – 9:47 (Invocação Contínua do Um)
  12. Ascent through the Spheres – 2:02 (Subindo Além das Esferas)
  13. Hymnos Rituales de Guerra – 2:43 (Quebra-quebra Doido!)
  14. Trooper – 0:55 (Tropeiro) - Nada a ver com o Tropeiro da outra banda.

 
Portais da Aniquilação
Editar

 
A terrível caixa em que a banda foi aprisionada e foi feito o Portais da Aniquilação

Após a decepcionante aceitação de Formula Fatal do Perfume Francês, Cthulhu ficou bastante irritado com a banda, causando seu banimento e aprisionamento numa caixa de dimensões 3x5x8 mm, e atirou-a nos Portais da Aniquilação, e disse-lhes que, se só sairiam de lá se produzissem algo realmente substancial e com sucesso garantido. Como não tinham o truque do saco preto, não tinham nada em mente até saírem da caixa, que foi quando resolveram dar o nome de Portais da Aniquilação. Como o álbum foi gravado totalmente crú, os membros deram tudo de sí para sair da caixa. As músicas ficaram com qualidade e rapidez tremenda apesar de não ter nenhum tipo de masterização. Os músicos queimaram vários instrumentos e derreteram toneladas de ferro com suas incríveis habilidades e rapidez. Após terminado, Cthulhu conferiu pessoalmente o álbum, e saiu urgentemente para a Terra para lançá-lo. Após saírem da caixa e retornarem à Terra, foram aclamados e o álbum recebeu muitos elogios de seus amigos metaleiros e fãs. Pode-se conferir a desgraça nas faixas Não Sou Tão Habilidoso (uma indireta ao próprio Cthulhu) e Papai Perdoe-me.

Faixas:

  1. Kawazu – 0:35 (Demônio Sapo)
  2. Summoning Redemption – 7:16 (Suma Redenção)
  3. Ageless, Still I Am – 5:18 (Não Sou Tão Habilidoso) Faz jus à musicalidade.
  4. He Who Sleeps – 4:04 (Ele é Quem Dorme)
  5. To the Victory the Spoils – 3:43 (Spoilers da Vitória)
  6. At One with Nothing – 4:33 (Estar Com você é Estar Com Ninguém)
  7. Opening of the Gates – 5:15 (Abrindo-se as pernas os Portais)
  8. Secured Limitations - 4:39 (Segura essa Nêga!)
  9. Awakening - 1:21 (ACORDA!)
  10. I – 3:50 (Você)
  11. God of the Forsaken – 3:49 (Papai Perdoa-me) Oração à Cthulhu.

 
Herege e Além
Editar

Quando chegou 2003, quando a banda estava prestes a esgotar-se de ideias assim como o criador desse artigo. Com isso, reuniram-se novamente apartir de suas ideias antigas de álbuns e lançou-se uma conglomeração de pensamento, sob a forma de um novo álbum: Herege e Além. As vendas do álbum foram muito pobres, e consequentemente, Morbid Angel foi expulso de seu rótulo. O baixista/vocalista Steve Sucker deixou a banda, depois de muitos meses de puro tédio. Faixas como Dentro no Inimigo, Rio de Janeiro: Lugar de Muitas Mortes, e Bênção da Carne, são petardos nos quais pode ser conferido o tédio que é esse álbum. Até o baterista Pete Sandoval faz um solo em Solo Chato de 3 minutos que acorda todos no estúdio. O ócio é tamanho que existem inúmeras faixas subsequentes no álbum todo, revelando a preguiça dos técnicos de som em masterizar o CD. No mesmo álbum, ressucitaram solos antigos e puseram versão demo de algumas músicas.

Faixas:

  1. Cleansed in Pestilence (Blade of Elohim) – 4:35 (Cansado de Tanta Pestilência)
  2. Enshrined by Grace – 4:27 (Caindo na Graça)
  3. Beneath the Hollow – 4:20 (Atrás do Capeta)
  4. Curse the Flesh – 3:35 (Maldição da Carne)
  5. Praise the Strength – 5:16 (Bênção do Vinho Estrangeiro)
  6. Stricken Arise – 4:10 (Estica e Arrasa!)
  7. Place of Many Deaths – 4:13 (Rio de Janeiro)
  8. Abyssous – 1:30 (Abismos)
  9. God of Our Own Divinity – 6:21 (Satã e sua Própria Satanice)
  10. Within thy Enemy – 3:17 (Dentro do Inimigo)
  11. Memories of the Past – 3:18 (Memórias das Pastas Arquivadas)
  12. Victorious March of Reign the Conqueror – 2:37 (Marcha Vitoriosa em Direção a Guerra) WTF?
  13. Drum Check – 2:51 (Checagem da Bateria) Bateção de lata do baterista.
  14. Born Again – 2:35 (Morra de Novo) Solo antigo tenta ressuscitar, mas morre instantâneamente.

Morbid Angel nos dias de hojeEditar

Após a saída de Steve Sucker, as coisas começaram a melhorar para eles, quando Davi Vicente retornou ao line-up original. Fontes não seguras de informação revelam que a banda está em processo de criação de um novo álbum, com mesmos elementos de Portais da Aniquilação. E os nomes das faixas serão iniciados por palavras coerentes como Eu, como no exemplo, Eu Matei seu Cachorro e Eu vou queimar Sua Casa.

Line-Up OriginalEditar

Antigos MembrosEditar

  • Mike Brownie - bateria, vocais (1983 - 1986)
  • Wayne vendedor de Órgãos - bateria (1986)
  • Dallas Warden - guitarra principal e vocais (1983 - 1986)
  • Richard Brunette - guitarra principal (1985 - 1992, 1998 (ao vivo))
  • Keny Bamber - vocais (1985)
  • Sterling Von Scarborough - guitarra principal (1986)
  • Steve Sucker - vocal, baixo (1997 - 2001, 2003 - 2004)
  • Jared Mr. Anderson - backing vocals, guitarra principal (2001 - 2002)
  • Tony Norseman - guitarra (2003 - 2006)
  • Erick Rutan - guitarra solo, principal, teclados (Turnê Européia) (1993 - 96, 1999 - 2002, 2006)
  • João Ortega - guitarra principal (1985 - 86)
  • Michael Manson - vocais (1986) (Nenhuma relação com Michael Jackson ou Charles Manson).
  • Gino "Jalapeno" Marinho - guitarra (ao vivo) (1992 - 93)

Valor educativoEditar

Sua discografia aparece em ordem alfabética 1986 - Abominations of Desolation (lançado em 1991) 1989 - Altars of Madness 1991 - Blessed are the Sick 1993 - Covenant 1995 - Domination 1996 - Entangled in Chaos (Ao vivo) 1998 - Formulas Fatal to the Flesh 2000 - Gateways to Annihilation 2003 - Heretic 2011 - Illud Divinum Insanus


DiscografiaEditar

  • Pipoca no Cesto (demo) - 1977
  • Altares da Loucura - 1989
  • Abençoados Sejam os Doentes - 1991
  • Queijo Sangrento dos Deuses Vol. 1 - 1992
  • A Arca do Pacto - 1993
  • Homens Vestidos de Dominadora - 1995
  • Eu Assumo, é Caos - 1996
  • Fórmula Fatal do Perfume Francês - 1998 (Álbum com conteúdo extremamente antifrancês)
  • Portais da Aniquilação - 2000
  • Herege e Além - 2003
  • Matem os Homens (e deixem as mulheres) - 2008
  • Queijo Sangrento dos Deuses Vol. 2 - 2008
  • Queijo Sangrento dos Deuses Vol. 2 (remasterizado, assinado pelo vocalista Davi Vicente, Deluxe Edition) - 2008
  • Iogurte Derretido na Roupa da Puta - 2010.

Ver TambémEditar