Mossâmedes

Mossâmedes é alguma desgraça em formato de cidade localizado em algum canto obscuro qualquer do interior do interior de Goiás. O que diabos está fazendo lendo sobre essa cidade doida que ninguém conhece? Clique em Página aleatória ali ao lado e procure um artigo melhor por favor, de preferência um artigo de algo que exista.

HistóriaEditar

 
Movimentadíssimo centro da cidade e seu calor sufocante que matou o fotógrafo dessa foto 2 minutos depois. Deus tenha piedade de sua alma!

Tudo começou quando um bando de índios em 1755 não tinham onde armar suas barracas, quando avistaram um urubu devorando os restos mortais de um calango sobre uma samambaia (versão tupinambá do mito asteca), e então reuniram-se ali todo tipo de Naundós, Acroás e Caiapós, etnias indígenas que encontraram naquele mato, um bom lugar para morar, convencidos de que ali estariam para sempre longe dos portugueses, sem imaginar que alguém pudesse ir querer explorar um local tão ermo.

Mas em 1770, devido ao avanço dos pestilentos portugueses, os índios tudo morreram de gripe e os que sobreviveram acabaram virando escravos e construíram a primeira capela de Mossâmedes, onde eles eram catequizados na base da porrada. Após uma revolução liderada pelo índio Touro Sentado, os branquelos foram expulsos, e desde então os índios deveriam evitar apenas Brasília, capital do Império do Mal que queima índios como se fossem bruxas.

Durante um longo tempo aquele mato todo foi posse litigiosa de Itaberaí e Goiás Velho, até que os dois se tocaram que nada ganhariam com aquele pedaço de terra e transformaram Mossâmedes em município em 1938.

Inicialmente chamava-se Aldeia de São José de Mossâmedes, mas como o povo é preguiçoso para falar nomes extensos demais, você sabe, acabaram resumindo só para Mossâmedes (goianês Mossamis).

GeografiaEditar

Em Mossâmedes a geografia é muito diversificada, encontrando, mato, capim, pasto, mato, capim, pasto, mato, capim, pasto, mato, capim, pasto, mato, capim, pasto, mato, capim, pasto, mato, capim, pasto, mato, capim, pasto, mato, capim, pasto, mato, capim e pasto, merda ,capim, pasto, viado, merda, ignorante.

EconomiaEditar

O que chamam de economia em Mossâmedes é o fato de vender galinhas na feira em troca espigas de milho, por aí, porque em questões de contribuição efetiva para o PIB do estado de Goiás ou produção de riquezas em si, pode esquecer.

PopulaçãoEditar

Com uma população minúscula de menos de 5.000 habitantes, em seus tempos modernos essa cidadezinha é povoada por qualquer tipo de gente, qualquer literalmente.

É dominada hoje por jovens vagabundos que não querem crescer na vida, os poucos com qualquer perspectiva de crescimento logo se mudam da cidade. Esses jovens mal-ocupados gostam de se achar mais que as outras pessoas, mas não tem dignidade nem nível o suficiente para serem considerados pessoas normais, seu ritual em comum é utilizar sabugos de milho para "diversão em grupo" enquanto ouvem sertanojo universiotário e bandas coloridas de merda, é lógico, além do bando de modistas e seguidores de bandas coloridas que existem desta cidade.

LazerEditar

A única diversão disponível na cidade, pelo que parece, é o som automotivos na praça que por razões óbvias foi proibido, pois além de ser uma merda e juntar um grande nível de mal-ocupados, danificava as estruturas de obras primas do tempo indígenas de Mossâmedes. Essas balbúrdias foram então transferidas para postos e beira de estrada, mas quando a fiscalização afrouxa voltam à praça.