Abrir menu principal

Desciclopédia β

Nó Suíno

Este artigo é sobre um HIT!

É uma música chata, repetitiva e seu vizinho adora. SOLTE O SOM!

Music madonna.jpg
O suíno referido na música, ou não.

Nó Suíno é a nona música do segundo CD do Raimundos pós-Rodolfo, o Cantigas de Roda, ou o terceiro, se você contar com aquela porcaria do Pt qQ cOizAh com o Alf (QUEM???). A música foi criada como símbolo do fim da semi-aposentadoria da banda, um hardcore sobre as dificuldades de se fazer shows quando quase todos na banda tem 50 anos de idade.

ComposiçãoEditar

Nó Suíno foi composta por Digão e Marquim, os guitarristas da banda. Como pra eles todo disco tem que tem um hardcore sem noção pra puxar a atenção dos fãs mais descrentes que largaram o Raimundos pra ouvir Teatro Mágico e Cordel do Fogo Encantado (que desgraça hein...), dessa maneira, três músicas nesse estilo foram compostas por eles: Cachorrinha, um plágio descarado de Véio, Manco e Gordo feita em homenagem a esposa do Rodolfo que levou ele pra igreja e fez ele virar um crente buceta; Rafael, sobre um moleque tarado sexual, primo do Digão (outras fontes dizem que essa música se chamaria Rodolfo, mas tiveram que mudar o nome pra evitar um belo processo); e Nó Suíno, que acabou sendo a mais aclamada devido as menções a zueira (never ends!) e punheta.

Essa música também mostra as habilidades do novo batera, Caio, na verdade dizem que foi o próprio que compôs essa canção para esfregar na cara dos fãs o quanto ele seria melhor que seu antecessor, Fred, porém tempos depois o feitiço virou contra o feiticeiro e Fred foi chamado pra tocar em alguns shows da banda, curiosamente nesses shows nenhuma música do CD novo foi tocada, para desespero de Caio e felicidade dos fãs saudosistas.

 
Digão e Fred antes do referido show, prestes a fazer um nó suíno. Caio chora...

LetraEditar

Pauleira, zueira, buseira, go

Tocar sem ganhar nada na poeira da estrada
Sua mulher já tá cansada e não dá nenhum valor
O cachê é um insulto, deixa todo mundo puto
Mas eu vou dando risada esmerilhando esse motor

Lezeira, frieira, punheta, go

Toda noite é um leão que sapecamos no cacete
Nós comemos com azeite pra depois poder fumar
Zime zime puxa a bronha, tem tempo que é pra maconha
Se tu ficar muito louco não vai conseguir tocar

Chegamos na roubada viajando a noite inteira
15 horas de viagem, meia hora de pauleira
Pode botar fé que essa é a minha verdade
Somos uma multidão, Zé HC não tem idade

Hardcore do sertão, meus amigos estão na roda
Vacilou os dente voam mas o Caio bota cola
Hardcore é meu patrão, essa é a minha estrada
Fazendo do meu jeito comendo pela beirada

Chutar cachorro morto é um par de erro na vida
Você erra um chute besta e ainda leva uma mordida
Essa tal "paumolescência", se perdeu toda a essência
Distorção, velocidade é o que alimenta a minha crença

Hardcore do sertão, meus amigos estão na roda
Vacilou os dente voam mas o Caio bota cola
Hardcore é meu patrão, essa é a minha estrada
Fazendo do meu jeito até comer de colherada