Abrir menu principal

Desciclopédia β

Novo Horizonte (São Paulo)

Cquote1.png Vamos passear na floresta, enquanto o seu lobo não vem Cquote2.png
Chapeuzinho Vermelho, dorgada sobre Novo Horizonte

Cquote1.png Pelo Amor dos meus filhinhos! Cquote2.png
Sílvio Luiz sobre Novo Horizonte

Novo Horizonte, também conhecida como a Capital da Amizade (menos pelos habitantes da cidade vizinha, Urupês, que vivem em guerra com Novo Horizonte) ou Capital da Lá-Tinha (Lá tinha Pernambucanas, Lá tinha Grêmio Novorizontino, Lá tinha... mimimi) pelos próprios habitantes, fica no meio do estado de São Paulo.

Índice

GeografiaEditar

Banhada pelo Rio Tietê, possui uma fauna muito exótica, composta por uma maioria de homens de grandes chifres e donzelas trepadeiras.

PolíticaEditar

  Mentiroso e caluniador. Caluniador e mentiroso!  
Orestes Quercia sobre os candidatos da última eleição de Novo Horizonte

Sua política do café com leite derramado, sempre está dividida entre dois candidatos, normalmente um médico ou um fazendeiro, algo do gênero... A cada quatro anos estes, se degladiam para dominar a cidade. É o evento mais engraçado que ocorre.

EconomiaEditar

Duas usinas mandam na cidade, decidem as eleições e empregam 456% da fauna local. Tirando isso, não há nada que movimente a cidade.

90% do PIB da cidade vão parar nos "predinhos" em Catanduva (dorgas manolo!), uma cidade vizinha.

CulturaEditar

Não tem. Aliás, tem um rodeio, onde todo ano alguém morre baleado na arena. É a tradição do evento.

Em Novo Horizonte é possível fazer todo o tipo de coisa errada, que até Buda duvida. Usar dorgas na rua, fumar cigarro do capeta na frente da polícia, dentro da delegacia, no capô da viatura.

E Se você quiser turismo, tem também. sobe ali na trajano, desce, vira o quarteirão e faz a mesma coisa por 1 hora, 2, até perceber que não tem mais vaga nem gasolina, ligar pruns amigos e dizer que vai ficar em casa.

A cidade agora tá dizendo que vai oferecer turismo pra quem vier, mas se não tem nem pra quem fica...

TurismoEditar

A cidade é cortada pelo Córrego Estiva, um riozinho safado que derruba as pontes, onde vive um cardume de sereias, que atraem motoristas bêbados para o Córrego. As sereias são homenageadas na praça da fonte, onde há uma fonte, obviamente, com várias delas nuas. (Putz, que bom, sereia de burca é tenso...).

Em frente à praça da fonte, existe a Igreja Matriz, mais conhecida como ponto do busão da facul, onde os capiais mais jovens saem para desbravar as cidades vizinhas em busca de conhecimento conforme foram instruídos por ET Bilu.