Abrir menu principal

Desciclopédia β

O Incrível Hulk (filme)


O Incrível Hulk é uma animação em CGI produzida pela Marvel Studios e distribuída pela Universal Pictures, que conta a história de um gafanhoto gigante radioativo chamado Hulk, uma monstruosidade que habita o corpo de um cientistas com múltiplas personalidades. O filme foi estrelando por um Hulk gigante em CGI, e eventualmente também pelo renomado ator mimizento Edward Norton, que faz uma excelente interpretação de um cientista louco esquizofrênico

The Incredulo Hulk
The Incredible CGI Hulk
O Porradeiro Hulk (BR)
O Clube da Luta Supervitaminado (PT)
O Incrível Hulk.png
Pôster oficial de lançamento do filme.
Bandeira dos Estados Unidos Estados Unidos
2008 • Verde • 112 min
Direção Alguém aí
Produção executiva Avi Arad, Kevin Faige e Gale Anne Hurd
Elenco Edward Norton como Bruce Banner
CGI como Hulk
Liv Tyler como uma priguete
Gênero Monstro Verde e Grande
Distribuição Marvel na Disney com uma pitada de Universal Pictures

Índice

EnredoEditar

IntroduçãoEditar

Bruce Banner era um cientista que buscava produzir as calças mais resistentes possíveis, que não rasgassem nem com a força de um Hulk, mas encontrava-se frustrado porque todos seus esforços de alfaiate no filme de 2003 foi considerado sem serventia. Para piorar a situação ainda mais, Bruce era ainda esquizofrênico, as vezes um neo-nazista com uma suástica tatuada no peito, as vezes um lutador clandestino urinando em sopa de mariscos. Tudo mudou quando ele virou um ativista do Greenpeace, assimilando bem a cultura da ONG onde passou a ser ativista, tornando-se um monstro verde, agressivo e irracional. Não bastasse tantos problemas, Bruce ainda arruma mais um problema, e se apaixona por sua colega cientista sexy, cujo sogro é o general do exército que vai passar o filme inteiro tentando "curá-lo", o que obviamente só agrava a situação.

No Rio de JaneiroEditar

Banner escapa para o Brasil disfarçado de Shrek, lugar onde vive pacificamente envenenando bebidas guaraná com seu sangue radioativo, garantindo assim todo o sabor marcante do Guaraná Dolly. Com a ajuda de alguns professores de capoeira, Bruce aprende a se acalmar, mas sem querer esses treinos apenas acabam por torná-lo mais letal. Além disso, como sempre, um grupo de elite da CIA, comandando por um baixinho da KGB, decidem ver o Carnaval brasileiro, afinal é a única chance para eles verem algumas tetinhas, mas acabam encontrando o Hulk disfarçado de Shrek na festa e uma grande perseguição começa. Ainda sem saber como criar calças resistentes o suficiente, Hulk foge e Bruce acaba nu no pior lugar do mundo para não ter calças: Na Comunidade Pavão-Pavãozinho.

Em Nova YorkEditar

 
Liv Tyler esperando o Hulk pra ver se consegue dar uma umazinha.

O baixinho da KBG retorna para os Estados Unidos e decide se submeter a uma nova experiência para a criação de uma cópia do Hulk, mas como o Soro do Super Soldado encontra-se desaparecido, ele precisa se contentar em consumir, com aplicação direto na veia, de algumas doses de Lico de Cair Pinto misturado com Água da Jamaica, o que lhe garante super-força e regeneração, com o discreto efeito colateral de que depois de alguns dias te transforma num monstro horrível, deformado e irracional.

Hulk, com grande dificuldade, escapa vivo da Comunidade Pavão-Pavãozinho e retorna para Nova York, aceitando mesmo a ideia de que lá é o único local no mundo para filmes de super-heróis. Em Manhattan encontra sua namorada namorando com outro, um psicólogo, mas como Betty é uma piranha, ela escapa com Bruce até serem interceptados por seu pai ciumento e mais guerra acontece. O casal consegue fugir para uma cabana, lugar onde eles definitivamente não podem transar porque para isso eles precisariam de pelo menos uns 10 frascos só de lubrificante e um par de camas extras. Além do filme ser para toda a família.

CuraEditar

Bruce e Betty vão para o Empire State onde encontram o Sr. Azul, que infelizmente não era nenhum smurf, só um nerd megalomaníaco que diz ter a cura para Bruce Banner, e não era algo sobre meditação, mas sim sobre roubar o sangue de Banner, com certeza para fins científicos vampíricos, para curá-lo e fazê-lo parar de se transformar num monstro verde e gigante. Embora curado, Banner se vê num dilema quando percebe como ele finalmente havia criado uma calça roxa hiper-resistente, mas agora não podia mais se transformar num Hulk para testar a nova invenção.

Confronto finalEditar

 
Para dois CGIs lutarem, é melhor esperar ficar de noite.

Até então nada parecia estar justificando um orçamento de 150 milhões, então é hora de fazer o Abominável aparecer, e Bruce Banner optar por injetar Guaraná Dolly na veia e se transformar novamente no Hulk, para uma cena de luta de CGI entre duas monstruosidades numa rua qualquer de Nova York. E o Hulk, claro, vence. No final do filme que os fanboys insistem em falar que é cena pós-créditos Tony Esterco aparece num bar perguntando para o general se ele conseguiu capturar o Hulk para formar os Vingaceiros, e ele respondeu perguntando. afinal ele tava bebido, né?

ProduçãoEditar

Após o sucesso de Homem de Ferro 1, a Marvel percebeu que dava para fazer coisa decentes em CGI, então apostou nesse filme do Hulk, fingindo que nenhum filme de Hulk tenha sido feito em 2003, embora usando o mesmo roteiro deste. A ideia inicial era que o diretor fosse o Ang Lee, mas como na época ele havia recentemente dirigido um filme pornô, o O Segredo de Brokeback Mountain 3: Ah! Uma cobra na minha bota!, e estava com desprestígio, o desconhecido Louis Leterrier foi chamado de última hora para ser o diretor do negócio.

A trilha sonora do filme foi escrita, arranjada e executada pela Orquestra Filarmônica do Acre em colaboração com um grupo de pessoas que não sabiam cantar, tocar ou compor, mas que estavam desempregadas e necessitavam de um trabalho na Disney Studios onde poderiam ser devidamente explorados. No final o resultado foi melhor que o esperado, ninguém importante morreu durante a gravação das faixas musicais que serviram de fundo perfeito para que não se prestasse atenção durante as cenas de ação, assim evitando críticas ao CGI do filme.

ElencoEditar

  • Hulk (CGI): Apenas um boneco que quando surge destrói tudo ao seu redor.
  • Bruce Banner (Edward Norton): Ator que só aceitou participar caso pudesse dar pitacos no roteiro, enchendo o saco de todo mundo e mandando mais que o diretor Louis Leterrier. É graças a ele que o cientista Bruce Banner se tornou apenas um maluco psicótico que ama tomar chutes no saco e se encontra completamente estressado devido à abstinência sexual. Tentou um tratamento de choque no Brasil, o país da putaria, mas não deu certo, virou Hulk lá também.
  • Betty Ross (Liv Tyler): Embora seja difícil aceitá-la como uma cientista devido a aquele lábio operado, a verdade é que foi uma grande surpresa que Jennifer Conelly fosse considerada uma Betty Ross ainda melhor. É claro que alguns de nós não conseguem parar de imaginar o rosto de Steven Tyler no corpo de Lyv, o que para alguns fetichistas, como Bruce Banner, é uma visão estranhamente muito sexy, mas nem todos compartilham essa ideia.
  • Abominável /Emil Blonsky (Tim Roth): Antes um ex-KGB baixinho com cara de malvado, mas um viciado em Guaraná Dolly que sonha um dia ser como o Léo Stronda, mas por mais que trabalhe pra CIA não consegue deixar de ser um frango, por isso apelou pra bomba e inevitavelmente se transformou numa aberração, e rival do Hulk no final do filme.
  • Thaddeus Ross (William Hurt): Pai ciumento que deseja que a sua filha morra virgem, e fica completamente desesperado quando descobre que ela é uma pervertida que sonha ser arrombada pelo Hulk (mas só o Thor viu a tromba verde). General Ross entra em desespero e passa o filme inteiro tentando caçar o Hulk, além de esconder lubrificantes, para sua filha não poder usá-los.
  • Brasileira aleatória (Débora Nascimento): Colega de trabalho de Banner na fábrica do Guaraná Dolly.
  • Tony Stark (Robert Downey Jr.): Apareceu no final só para mostrar que esse é um filme do MCU, embora hoje quase ninguém lembra da existência desse filme.