Abrir menu principal

Desciclopédia β

Opeth

Bichos de Lamparina, o logotipo da banda!

Cquote1.png Você quis dizer: Músicas intermináveis Cquote2.png
Google sobre Opeth
Cquote1.png Eu pensei que já tinha escutado três músicas diferentes, mas era uma só... Cquote2.png
Qualquer um sobre Opeth
Cquote1.png Não são tão nervosinhos e nem tão gays como a gente! Cquote2.png
Norther sobre Opeth
Cquote1.png Amadores! Cquote2.png
Death sobre Opeth
Cquote1.png É demais! É pessado... Cquote2.png
Vanessa da Mata sobre Opeth
Cquote1.png Para de ouvir essa merda sem fim e vai fazer algo útil! Cquote2.png
Sua mãe sobre Opeth

Integrantes em foto clichê!

Opeth é uma banda de Death Metal e Metal Progressivo da Suécia que resolveram entrar para o Guiness Book fazendo só músicas que tenha de 8 á 5000 minutos e que vão se variando várias vezes para fazer com que uma música seja equivalente a cinco ou mais. O Opeth também costuma misturar a suavidade do Jazz, Violão e Canto Lírico com sua agresividade, o que acaba criando um som lento e harmonioso que muitas vezes não agrada aos headbangers por não liberar a raiva que esses animais precisam para soltar a franga.

Os temas das letras são geralmente são sobre o lado sombrio do ser humano, como toda banda Tr00. As letras falam sobre: Ódio, Ciume, Medo, Remorso, Bichos de Lamparina e essas viadagens toda. Se assemelhando muito com a cultura (?) dos góticos e tornando a banda mais "DU MAL" ainda. Entretando, diferente das outras bandas de Death Metal, Mikael Åkerfeld, vocalista da banda, não canta como quem está prestes a vomitar e por isso dá para entender o que ele fala.

Opeth é uma banda para pessoas "trevosas" e com paciência, resumidamente.

Índice

HistóriaEditar

Formação (1990-1993)Editar

 
de Opeth após passar a noite ouvindo apenas as três músicas de menor duração da banda
 
O toque instrumental mais suave do Opeth

O Opeth foi formado em Estocolmo, Suécia, por David Isberg em 1990 para poder passar o tempo com outra coisa que não fosse onanísmo. Isberg convidou Mikael Åkerfeldt para reunir-se à banda em sessões de música como baixista, mas não avisou os outros membros, inclusive o então baixista da banda. Isso deixou todo mundo puta da vida, pois eles esperavam que David fosse trazer uma gostosa com voz sussurante e criar mais uma banda de Révi Metau GótiCU com letras fáceis de fazer através de filmes trash sobre vampiros.

Como resultado, todos os membros da banda saíram exceto por Isberg, e Åkerfeldt logo oficializou o convite após o fim de sua outra banda, Coruption, onde tocava junto com Paulo Maluf que vivia na Suécia devido ao paraíso fiscal, mas teve que fugir por estar sendo caçado pela Interpol. Com Åkerfeldt na guitarra e David Isberg no vocal, o Opeth ainda estava precisando de outros membros. Com isso, Mikael começou a reunir amigos de sua antiga banda e mendigos de rua que topavam tudo por dinheiro. Ensaiando em uma escola para surdos-mudos e com equipamentos improvisados que eles montaram com sucata, essa formação durou menos de um ano e apresentou-se somente uma vez; pois nem os surdos gostaram da música daquele jeito.

Em 1991 os integrantes passaram o verão ensaiando na Lagoa Azul, fora de Estocolmo, com seu antigo amigo de escola e baixista Max Jaderberg, que havia sugerido um som menos aboiolado e mais macho de instrumento na banda.

Após sua primeira apresentação Andreas Dimeo e Nick Döring saíram da banda pois aquilo era hétero demais para eles. Para a segunda apresentação o guitarrista Kim Pettersson e o baixista Johan DeFarfalla reuniram-se à banda. Posteriormente DeFarfalla deixou a banda para poder se concentrar em sua carreira de cocaína retornando somente em 1994 após passar pelo Rehab. Pettersson permaneceu para outro concerto, deixando a banda somente em 1991. Para aquela apresentação foi recrutado Peter Lindgren para o baixo, mas após a saída de Pettersson Lindgren retornou à guitarra, seu instrumento original.

Isberg deixou a banda no início de 1992 devido à diferenças e Mikael tournou-se o novo vocalista, amplamente devido à sua experiência no papel no Eruption e por realmente ter uma voz menos fudida do que a de Isberg. Junto com Lindren começaram a escrever novo material mais sombrio e from hell, e passaram a ensaiar como um trio até a entrada do novo baixista, Stefan Guteklint, que reuniu-se à banda por um ano. Fizeram também o logo da banda em homenagem aos bichos que voavam pelas lampadas da escola onde ensaiavam.

Orchid, Morningrise, e My Arms, Your Hearse (1994–1998)Editar

 
Lemon of the fall, o maior hit do Opeth!

Após assinarem contra com uma gravadora ai, Stefan Guteklint foi retirado da banda, pois ele seguia a modinha cult e se dizia comunista, achou que ganhar dinheiros com CDs era horrível e preferia passar fome e tocar em lugares decantes pro resto da vida, chutaram ele na hora. A banda gravou seu primeiro álbum: Orchid (Orquidea, em inglês) que era uma forma de demonstrar dor e sofrimento, uma vez que até hoje Mikael lembra da dor desgraça que teve ao tentar colher uma orquidea no cemitério para não gastar dinheiro no Dia dos namorados, ter levado um susto do coveiro e batido a cabeça com toda força em uma lápide, o que afetou seu cérebro e fez com que ele perdesse a noção de tempo, passando então a achar que 1 minuto corresponde a 1 segundo, motivo pelo qual as músicas da banda ficaram intermináveis (patologia detectada por Freud que chamou de Efeito Black Rose Immortal).

A produção do disco foi feita pela própria banda no quintal de Åkerfeldt com programas de edição de aúdio que foram ilegalmente baixos no Emule por Dan Swano, um provavel "Engenheiro de Som". Ai então Morningrise (Morninho Grill), o segundo álbum da banda, foi gravada entre março e abril de 1996 e lançado no final do mesmo ano enquanto todos estavam chapados com vinho e lançaram tudo de qualquer jeito.

O Álbum Morningrise tem apenas cinco canções e varia entre 50 dias á 51 dias de duração, pouca coisa. "Black Rose Immortal" (Rosa Afrodescente Imortal), a faixa de 20.000 minutos permance como a mais longa Ui!) do Opeth. A primeira turnê eles pegaram de gaiato com a banda Cradle of Filth, seguida do lançamento de Morningrise. Após a série de concertos Johan DeFarfalla foi expulso da banda e Anders Nordin saiu, movendo-se para o Brasil para sumir do resto do mundo no Acre.

O terceiro álbum My Arms, Your Hearse (Minhas armas, suas ervas) álbum inspirado no lado lamentável da sociedade: Os manu du rip rópi; mostrou a adição do baterista Martin Lopez, anteriormente do Amon Amarth. Pouco antes da gravação Martin Mendez foi recrutado como baixista da banda, mas como não havia tempo para aprender o material, Åkerfeldt tocou o baixou nessa obra. Ou melhor, fingiu que tocou, pois ninguém ouve o contrabaixo.

O álbum foi produzido pelo sueco Fredrik Nordström, que já havia trabalhado com outras bandas notáveis From Hell como Inimigos do Arco, Churrasquinho e Tranquilidade Preta.

My Arms, Your Hearse exibiu uma mudança no estilo, contendo canções mais curtas (Só meia-hora de duração cada). É considerado um álbum bizarro, mais obscuro que o anterior. Contém "Demon of the Fall" (Toninho do Diabo na Cachoeira) uma das canções favoritas das fãs e freqüentemente executada em concertos. Foi o último álbum lançado pela Candlelight Records pois não a gravadora pé-rapada não tinha como pagar a banda. A influência do jazz de Martin Lopez recebeu críticas positivas mesmo por aqueles que queriam sair quebrando tudo.

Still Life e Blackwater Park (1999–2001)Editar

Em 1999, a propriedade uma gravadora ai mudou de mãos, com o proprietário e amigo da banda Lee Barrett(?) deixando a companhia. O Opeth assinou com a gravadora britânica Peaceville Records ou seja porra nenhuma na Europa. Nossos trutas começaram a trabalhar em seu próximo álbum, mas a gravação foi adiada (HAHA! FAIL), Devido a restrições de tempo, a banda foi capaz de ensaiar somente duas vezes, devido às musicas de em media 10x10²³ minutos, antes de entrar no estúdio. Still Life foi o primeiro álbum gravado com o mano Mendez que era o novo baixista e cubano da banda. Segundo o mano Mikael Åkerfeldt, Still Life é um álbum conceitual(?), "O personagem principal é uma espécie de bandido de sua cidade natal porque ele é traficante de drogas e comedor de criancinhas."

Alguns anos depois, após cheirar muchos gatinhos, nossos trutas voltaram a gravar, dessa vez com Steven Wilson, do Porcupine Tree(uma banda ai que nem eu nem ninguém conhece!). Novamente sem ensaiar e mostrando que são fodas Mikael e turminha vão ao estúdio e gravam tudo sem letras escritas. "Foi foda!" disse Åkerfeldt, "Essa porra ficou foda", repetiu o mesmo ao estourar seus ouvidos escutando as musicas de Blackwater Park Wilson(WIIIILSOON!) também levou a banda a expandir seu som, incorporando "ruídos de guitarras e voz", disse Åkerfeldt.

Deliverance e Damnation (2002–2004)Editar

Era para ser um único álbum, mas Mikael teve a brilhante ideia de dividir em dois. Um era mais pesado (Deliverance) e o outro era mais emo sombrio (Damnation). E também, ninguém aguentaria ouvir 5 horas de música de uma só vez.

Ghost Reveries (2005–2007)Editar

Álbum considerado como o melhor da carreira por muitos fãs, o Ghost Reveries, como o próprio nome já diz, contém músicas reverenciando fantasmas, e inclusive há uma música ensinando a conjurar o mochila de criança. Disco perfeito para ouvir durante a madrugada.

IntegrantesEditar

  • Mikael Aquifede - Vocais, Satanás Rugindo, Cantos de dor no cú, guitarras, baixo...etc.(desde 1990)
  • Martin Mendez - Único nome normal da banda, baixo, inexpressão.(desde 1997)
  • Frederico Âkesson - Guitarras, backingvocal, gordinho.(desde 2007)
  • Pera Wiberg - Teclados, mellotron, backingvocal.(desde 2005)
  • Martin "Axé" Axezeiro - Percussão, tambores, bateria, ritmos de Axé Sueco.(desde 2006)

DiscografiaEditar

Albúns de estúdio:

  • Orchid (1995) - Orquídea do Mal
  • Morningrise (1996) - Mornim Greysson
  • My Arms, Your Hearse (1998) - Minhas armas, seu cavalo
  • Still Life (1999) - Continuamos vivos (que pena não terem se matado)
  • Blackwater Park (2001) - Parque da Água Negra das Trevas do Inferno Profundo do Abismo Satânico
  • Deliverance (2002) - Entrega Delivery
  • Damnation (2003) - Danadão
  • Ghost Reveries (2005) - Reverências aos Fantasmas
  • Watershed (2008) - Água com Cheddar
  • Heritage (2012) - Ereção
  • Pale Communion (2014) - Cramunhão Pálido

Álbuns ao vivo:

  • Lamentations (Live at Shepherd's Bush Empire 2003) (2003) - Lamentações ao vivo do império de George W. Bush
  • The Roundhouse Tapes: Opeth Live (2007) - Opeth tampando buracos em volta da casa
  • In Live Concert at the Royal Albert Hall (2010) - Consertando o hall da casa do Alberto

Compilações:

  • Collecter's Edition Slipcase (2006) - Edição de colecionador Eslipiknot
  • The Candlelight Years (2008) - Nos tempos do Candelabro não havia eletricidade
  • The Wooden Box (2009) - A Caixa de Woody Allen

Inspiração musicalEditar

O estilo do Opeth é muito discutido ainda hoje, é clara a influência de bandas como Bobo Dylan, Calypso, Pink Floyd, Fagner e Paulinho Paixão na música de Âkerfeldt. Somando com suas raízes trevosas e satânicas do Death Metal, Axé Sueco e Satanejo, o Opeth tem um som original e nada convencional. É tanta confusão, que até mesmo o próprio Âkerfeldt tem dificuldades em descrever o estilo do som da banda. Observe a resposta de Âkerfeldt quando perguntado sobre o estilo das músicas do Opeth. Detalher que ele estava meio bebado então troque as palavras punheta, sauna gay e masturbação por "banda", "death metal" e "coisas do tipo", mas será... que ele quis realmente ser interpretado ao pé da letra ?

  Eu não vejo o ponto de tocar uma punheta e ir apenas de uma maneira, quando você pode fazer tudo. Seria impossível para nós tocar apenas punheta , que é a nossa raiz, mas agora estamos com uma mistura de tudo, e não os puristas de qualquer forma de masturbação. É impossível para nós fazer isso, e, francamente, eu pensaria que é tão chato estar em uma sauna gay que toca apenas punhetas de metal. Nós não temos medo de experimentar, ou de poder ser pego com as calças para baixo, por assim dizer. Isso é o que nos mantém indo.  
Mikael Âkerfeldt

Vocalmente, Âkerfeldt alterna entre guturais de dor no cu e satanás gritando para vocais emotivos e gays onde ele expressa toda sua homossexualidade.

CuriosidadesEditar

  • O vocalista Mikael Aquifede ouvia muito Alice CuCooper quando pequeno, isso explica sua alta taxa de homossexualidade.
  • A banda não gostou dos resultados do álbum Morningrise. Segundo Mikael, ele estava irritadinho por haver várias bandas de black metal copiando seus contrapontos e pondo em suas músicas satânicas. Por conta disso, preferiu mudar o estilo do Opeth, e essa alteração se vê no álbum My Arms, Your Hearse, principalmente na música Abril Estéril, onde Mikael narra a aventura que era namorar um cara estéril.
  • O CFM (Conselho Fodedor Federal de Medicina recomenda músicas do Opeth para pessoas que sofrem de insônia. E tem funcionado bem: as músicas são tão longas que os pacientes dormem até mais do que deveriam.
  • O álbum Heritage possui em sua capa uma árvore com as cabeças dos viadosintegrantes da banda como se fossem as frutas. É possível ver a cabeça de alguém aí caindo de um galho. Trata-se do ex-namorado de um ex-integrante da banda. A cabeça caindo é uma alusão simbólica à sua demissão, porém boatos dizem que Mikael Akifede cortou seu pescoço com uma faquinha de rocambole.

Ver tambémEditar