Abrir menu principal

Desciclopédia β

Os Miseráveis

Os Miserentos
Os Miseráveis livro.png
Capa do livro
Autor Victor Hugo
País Bandeira da França França
Gênero Ficção de vida fudida de ex-condenado
Editora -
Lançamento 1862


Os Miseráveis é um grande tijolo em formato de livro, escrito por Victor Hugo, é aquele tipo de obra que separa os fortes dos fracos pois um fraco não aguenta a tijolada desse livro na cabeça para ler um livro desses é preciso ter altíssimas taxas de ociosidade para aguentar terminar 2000 páginas antes de morrer, desta forma só pessoas que não tem uma família para criar, um saco de cimento para carregar ou louça para lavar que encontram o tempo necessário para ler tal obra.

Índice

EnredoEditar

FantineEditar

Um JustoEditar

Que outro livro da história da humanidade dedica suas primeiras 100 páginas para falar exclusivamente da rotina sem graça e entediante de um personagem secundário? Este capítulo de abertura foi muito bem posicionado, para já incentivar os aventureiros a desistir logo desse livro que não foi feito para eles. O homem "justo" é Dom Bienvenu, um bispo do vilarejo de Digne que fica páginas e mais páginas demonstrando enorme caridade, generosidade, humildade e santidade. O que em qualquer livro normal do século XXI seria resolvido em no máximo duas linhas de texto dizendo "este é um bispo bondoso e generoso" (pois os adolescentes dessa época são ocupados demais - com tanto jogo de videogame para jogarem - para mergulhar na complexidade do psicológico de um homem santo e como encara o mundo. Terminamos 200 páginas de cenas incrivelmente enfadonhas nos perguntando "tá, mas quem diabos é esse Fantine do título do capítulo?"

A QuedaEditar

Só então surge o protagonista do livro, Jean Valjean, um ex-condenado que passou 19 anos nas galés (gulag versão França) e agora quer recomeçar a vida. Como ele vive num mundo onde o presídio não corrige as pessoas, mas apenas as pioram, é com razão que todos não desejam o ter por perto. Jean Valjean se acha injustiçado por causa disso, pensasse duas vezes antes de roubar um pão, pensasse duas vezes antes de tentar fugir da prisão uma vez, e tentar fugir outra vez, e outra vez, e outra vez, tornando-se um bandido de altíssima periculosidade. Todos na cidade de Digne são sensatos e sabem muito bem que quem roubou uma vez pode roubar de novo, então ele é deixado para dormir na rua.

O único que aceita hospedar é o venerável bispo cujo capítulo anterior dedicou-se a mostrar como ele nunca teve medo de morrer. Claro que Jean Valjean rouba os talheres de prata do bispo durante a madrugada, o que mais se poderia esperar? E claro que ele é capturado pela polícia, porque numa França que vem de uma enorme Revolução e depois um império sanguinário, é mais que natural que a polícia se atenha a perseguir implacavelmente ladrões de pão e talheres. A grande surpresa é que o bom bispo revela que prefere comer com as mãos, e inclusive doa seu castiçal de prata para Valjean, não acusando-o de nada. O protagonista aproveita a oportunidade que foi solto para então assaltar uma criança chamada Gervais.

Esta cena do roubo da moeda do garoto Gervais é considerada emblemática não por ser especial em si, é só um roubo a uma criança feita por um ex-presidiário visivelmente perigoso e compulsivo, mas como porque o capítulo seguinte é a mesma chatice inacreditável que foi o primeiro capítulo do livro, então quem não desistiu ainda de ler o livro, desiste de ler aqui, então a única cena marcante pela qual todos recordam é esse roubo aos garoto Gervais.

Durante o ano de 1817Editar

Quando o livro deu uma melhorada com a cena de Valjean se comportando feito um louco que não sabe se é um ladrão ou um cidadão de bem, de repente nos deparamos com uma aula de história que ninguém pediu. Se na época da escola todos nós matamos aula para nos divertir, não vai ser na nossa hora de lazer e leitura que alguém vai se interessar em saber como era a França de 1817. Nesse capítulo as notas de rodapé são maiores que o texto da narrativa em si, e conhecemos detalhes desse ano que sinceramente, não fazem diferença nenhuma pro andamento do livro.

Somos apresentados a Félix Tholomyés e seus três amigos panacas Limoges Fameul, Cahors Listolier e Montauban Blachevelle. Todos autênticos moleque-piranha, perfeitos bon vivant filhinhos de papai que estão na playboyzada só querendo saber de festinha, de meter, de beber e fazer porra nenhuma o dia inteiro. Cada um com sua peguete, todo mundo sabendo que aquilo é só uma diversão de verão, exceto a namoradinha de Tholomyés, a sonhadora Fantine, uma loira burra cuja beleza sempre realçada de seus lindos cabelos loiros e dentes maravilhosamente brancos parecem ter afetado seu cérebro. Aos contrário das suas três amigas, que na verdade eram só três falsianes, Fantine não quis dar o cu, então acabou engravidando de Tholomyés, que nem ficou sabendo disso, pois deu pé na bunda de Fantine antes de sumir no mundo.

Confiar É por vezes AbandonarEditar

Depois de engravidar de um fulano qualquer, as irresponsabilidades de Fantine não acabam. Perdida em Paris como mendiga com sua filha de 4 anos de idade, Fantine simplesmente doa a filha para um casal de completos desconhecidos, os Nardoni, disfarçados sob o nome Thénardier. Notadamente Fantine não apenas engravidou, como pegou hepatite, doença que apodrece os neurônios e deixam as pessoas burras, por isso ela não percebeu que não teria problema nenhum levar sua filha pequena para uma viagem árdua para uma cidade pequena onde ela seria julgada como prostituta promíscua, pois ela não levou a filha e mesmo assim foi julgada por todos no tal pequeno vilarejo como prostituta promíscua. Fantine vai embora e deixa sua pequena filha Cosette aos cuidados dos Nardoni.

A DecadênciaEditar

Um homem chamado Madeleine chega na cidadezinha de São Tomé das Letras, uma cidade de interior cuja principal economia era a fofoca, pois por lá para se integrar na sociedade é necessário ser extremamente fofoqueiro. Mas esse forasteiro, Madeleine, inova, e ao invés de ficar fofocando ele faz o que muitos ali tinham esquecido de fazer: ele começa a trabalhar. Madeleine começa um prodigioso negócio de produção e venda de produtos da Polishop, e não apenas isso, aceita revendedoras da Jequiti como intermediárias de venda, ou seja, em pouco tempo envolve o vilarejo inteiro em sua indústria que se multiplica e prospera. Logo Madeleine vira prefeito do lugar, principal correntista do Banco Laffitte. É um velho excêntrico e assexuado

E sabe aquelas 200 primeiras páginas chatíssimas da rotina enfadonha de D. Bienvenu? Pois é, ele morre de velhice. Simples assim.

Também conhecemos Javert, o policial local, que por enquanto apenas se demonstra um cara complexado que desconta a evidente ausência de mulher na sua vida em ser o policial mais obcecado possível com prováveis ladrões de pão. Também conhecemos o Sr. Fauchelevent e como sua incapacidade de manobrar uma simples carroça o transformou de um burguês num falido.

Fantine, trabalhou na fábrica de Madeleine por 1 ano, e durante esse tempo em nenhum momento cogitou buscar a filha, afinal se descobrissem que ela é mãe solteira, a chamariam de prostituta. Acabou demitida por ser acusada de ser prostituta mesmo assim (GÊNIA!). Então virou prostituta. Mas como o dinheiro não estava o bastante para cobrir as exigências cada vez maiores do casal Nardoni que espancava e jogava pela janela cuidava de Cosette, Fantine também cortou o cabelo para vendê-lo, depois vendeu os dentes também. Rapidamente transformou-se numa baranga.

JavertEditar

Javert se encontra com Sr. Madeleine e revela que suspeitava que aquele bom senhor seria na verdade um ladrão de pão condenado a 19 anos de prisão chamado Jean Valjean, e que dedicaria toda sua vida a perseguir um malfeitor desse tipo, mas que estava frustrado porque um tal de Champmathieu havia sido preso e acusado de ser Jean Valjean, o que deixou Javert muito triste a ponto de querer ser demitido, porque sem Jean Valjean para perseguir implacavelmente a sua vida perdia sentido. Madeleine pediu para ele não fazer isso, mas saiu em disparada para o tribunal onde Champmathieu seria julgado.

O Caso ChampmathieuEditar

Irmã Simplice e Irmã Perpetue foram as duas freiras que cuidaram de Fantine, que contraiu todas as DSTs imagináveis e estava sofrendo de uma morte lenda e dolorosa.

Enquanto isso, Madeleine, que é mesmo Jean Valjean, está num dilema moral gigantesco. Ele não sabe se retorna para as galés para brincar de pegar o sabonete com seus estimáveis amigos os quais ele recorda exatamente quem são cada um, ou se continua fingindo ser o Sr. Madeleine, um velhinho obcecado em ajudar qualquer um que aparecer pela frente. Jean decide se entregar, porque as galés é seu lugar.

A viagem para o tribunal se alonga em dezenas de páginas desnecessariamente detalhadas sobre como a maldita carroça de Jean atravessa meia França, para mostrar ao leitor como Jean Valjean poderia desistir da sua ideia idiota de se entregar em muitos momentos. Chegando na hora do julgamento, Jean Valjean se entrega, consegue inocentar Champmathieu, e sente a consciência aliviada.

ContragolpeEditar

Condenado a prisão perpétua por roubar um pão, Jean Valjean é preso e todo seu negócio se desfaz. Antes, ele saca todo o seu dinheiro do banco e o enterra numa floresta amaldiçoada. Fantine morre de desgosto e tristeza.

CosetteEditar

WaterlooEditar

 
Pequena Cosette, usando uma vassoura ao invés de um rodo para enxugar a calçada, não a toa apanhava um monte quando criança, pancadas na cabeça que a tornaria uma mulher bem burra quando adulta.

Um capítulo sobre a Cosette, que legal, vamos conhecer como foi a vida da garotinha abandonada pela mãe na mão de um casal Nardoni! Só que não tão cedo. Primeiro vamos ler algumas 50 páginas de história sobre a Batalha de Waterloo e como o exército de Napoleão Bonaparte foi enrabado pelas forças aliadas do Reino Unido e Prússia. Personalidades como Duque de Wellington e Gebhard von Blücher são citadas juntos com uma caralhada de nomes de oficiais e um detalhamento sobre aquela batalha que nem a Wikipédia tem paciência de dar.

Na noite seguinte ao fim da batalha, Thénardier, ladrão de cadáveres, acabou salvando sem querer o tal de Pontmercy, que como agradecimento deixou-se ser roubado e ainda prometeu que o seu filho iria dever a vida a esse tal de Thénardier, como gesto de gratidão eterna. Pontmercy também prometeu que se o Thénardier quisesse comer um cuzinho, podia ser o dele e o do filho. Já deu para entender.

Navio de Guerra OrionEditar

Orion é o nome do navio onde estava os forçados, os condenados a ficarem remando aquele puta navio. Como era necessário uns 1000 homens pra remar aquele negócio, o governo tinha que condenar a prisão perpétua todo e qualquer ladrão de pão, para ficar trabalhando ali. Jean Valjean cumpria pena ali, mas enquanto o navio estava no porto em reparos, conseguiu resgatar um carpinteiro distraído que ia cair no precipício, e conseguiu ainda simular a morte no mar.

Cumprimento da Promessa Feita à MortaEditar

Conhecemos a pequena Cosette com seus 8 anos, um momento importante para entendermos porque ela viria a se tornar uma completa retardada mental quando se tornasse adulta, pois enquanto criança era continuamente maltratada pelo casal Nardoni Thénardier, batendo a cabeça diversas vezes até se tornar uma guria estúpida e traumatizada. Nada muito injusto, Cosette usufruía do teto e da comida de cachorro dos Thénardier, e sua mãe caloteira nada pagava porque era uma prostituta que contraiu HIV e morreu, Cosette precisava então lavar a louça, varrer a casa e ir buscar água na Casa da Mãe Joana, isso até não ficar mais velha e poder servir de prostituta aos seus tutores. Obviamente não havia dinheiro pra comprar uma boneca estúpida. Era uma vida normal, com umas agressões merecidas, por não saber fazer o trabalho corretamente.

O problema é que o intrometido do Jean Valjean descobriu o paradeiro de Cosette, na maior cagada, uma das tantas coincidências incríveis do livro. Como ele prometeu para a falecida Fantine cuidar da sua filha, ele decide simplesmente comprar Cosette dos Thénardier por 1500 francos. Eles a vendem achando que Valjean era algum tipo de pedófilo safado.

O Pardieiro GorbeauEditar

Jean e a pequena Cosette se mudam para uma favela de Paris chamada Pardieiro Gorbeau, e por lá começam a sua relação feliz de pai e filha. Como ambos só se fuderam na vida, aquela vida simples já é o bastante para os dois.

O problema que rondava essa nova vida é que o inspetor Javert estava disfarçado mendigo, obcecado no encalço de Jean Valjean, afinal a França inteira já estava pacificada (ou não), e era uma missão importantíssima fazer de tudo para prender um nada perigoso ladrão de pão que hoje em dia só sabe fazer caridade diariamente e cuidar de uma menina órfã. Mas como Javert é péssimo de disfarces, a única coisa que ele sempre faz é só mudar o chapéu (vide o filme), Valjean consegue identificá-lo antes de ser tarde demais e consegue tempo para escapar daquela favela com sia filha adotiva.

Caça Tenebrosa, Matilha SilenciosaEditar

 
Javert procurando incansavelmente e implacavelmente um ladrão de pão.

Com uma França inteira repleta de criminosos, Javert dedica sua miserável vida (título do livro) a caçar implacavelmente a droga de um ladrão de pão. Ele se mudou para Paris exclusivamente para isso, e agora passa a noite seguindo um velho que cuida de uma garotinha órfã, implacavelmente cercando todas as ruas, mobilizando todo um batalhão de guardas para essa perseguição noturna. Mas toda essa dezena de guarda altamente treinados em prender bandidos perigosos, não conseguem capturar um velho filantropo e uma garotinha, que conseguem entrar num convento e se esconder ali.

Petit-PicpusEditar

Jean Valjean e Cosette caem dentro de um convento. Por coincidência inexplicável, lá vive Fauchelevent, o velho da carroça que Valjean salvou e o puniu condenando-o a uma vida de merda num convento onde jamais poderia ver uma mulher novamente, e pior, estaria proibido de bater punheta para o resto de sua vida, afinal é pecado.

E você acha que o livro vai avançar no tempo tão simples assim? Para vermos logo a Cosette mais adulta? Mas claro que não. Há toda uma descrição minuciosa da chatice monumental que é aquele convento de freiras beneditinas extremamente ortodoxas e masoquistas. Chega a haver uma página inteira só com os nomes irrelevantes de todas as 30 freiras do lugar.

ParêntesesEditar

Para que aprofundar na história sobre como foi a vida de Cosette estudando num colégio de freiras, quando ao invés disso há a oportunidade para mais uma aula de história que ninguém pediu? Dessa vez Victor Hugo passa tediosos momentos escrevendo sobre a relação entre conventos, Idade Média, Ordem Beneditina e monarquismo. Além de toda uma filosofia acerca de anacronismos, oração, bondade e . Ninguém quer saber disso, sinceramente.

Os Cemitérios Recebem o que lhes DãoEditar

Jean Valjean caiu ali naquele convento, mas não sabia mais como sair. Uma escada seria mais que o bastante, mas como ele não era um homem muito estudado, teve que optar por um plano mais cinematográfico: Quando a madre morreu, o seu plano para fugir do convento seria entrar no caixão da falecida, ser enterrada junto come ela, e resgatado.

Talvez as dezenas de páginas sobre a chatice que era aquele convento serviram para mostrar como aquelas freiras eram loucas, e queriam manter um cadáver sob a própria igreja, deixando um caixão vazio para Jean entrar dentro e sair do lugar dentro do caixão. O problema é que o coveiro da cidade morreu, porque coveiros também morrem, e foi substituído por um homem sóbrio que não fazia parte do plano de não enterrar o caixão com Jean Valjean dentro. O velho Fauchelevent, todavia, foi esperto em dizer que havia um puteiro distribuindo Vouchers grátis no outro lado da cidade, e com a saída do coveiro abriu o caixão, resgatando Jean dali de dentro.

Jean virou Ultime Fauchelevent, irmão falso de Fauchelevent, e deixou Cosette estudando com aquela freiras malucas. Mais uma etapa da educação daquela criança que viria a se tornar uma mulher tão besta no futuro.

MariusEditar

Paris Estudada em seu ÁtomoEditar

Após dois capítulos sendo abertos com análises absolutamente dispensáveis, Victor Hugo mantém o padrão e dessa vez a análise é sobre o que é um moleque. Focando na vida dos moleques de rua e como andam por aí, mendigam, frequentam os teatros, ficam de vadiagem nas ruas de Paris e o que representam para a sociedade. Como em determinado momento a vadiagem tornou-se crime, Luís XIV limpou Paris prendendo um monte de moleque, mas eles sempre voltam porque vai ter sempre um casal de pobres trepando inconsequentemente e fazendo filhos sem parar. Que bela análise de sociologia. Gavroche, filho de pais desnaturados, representa esse moleque parisiense que passa os dias na rua vadiando e sobrevivendo de esmolas.

O Grande BurguêsEditar

Conhecemos também o Sr. Gillenormand, um velho idoso muito velho que é cheio de mania de velho e é muito idoso e passa os dias fazendo coisa de idoso, resmungando bastante e sendo bastante idoso. Por ser idoso viveu a Revolução Francesa e o Império Napoleônico, e não gosta dessas duas época, passa os dias resmungando sobre como essas épocas foram ruins. Tem duas filhas putas, e uma delas deu a Gillenormand um neto mimado.

O Avô e o NetoEditar

O tal neto é um garoto afastado do pai, um cara chamado Georges Pontmercy que é uma vergonha para Sr. Gillenormand porque foi a bichinha particular de Napoleão e Gillenormand se ressente profundamente com essa má fama que essas pessoas deram para a França. O problema é que Georges Pontmercy morreu de desgosto (tipo a Fantine que também morreu de desgoto, muita gente morre de desgosto nesse livro, afinal são Os Miseráveis).

O seu filho, é Marius, um garoto mimado que do nada começa a sustentar uma admiração irracional por um pai que nunca conheceu. Como é mimado, não conseguiu construir um mero contra-argumento contra o sensato avô, e fugiu de casa achando que o mundo é fácil.

Amigos do ABCEditar

Somos apresentados a Enjolras e seus amigos, um grupo de estudantes da USP que se acham os revolucionários, mas não passam de arruaceiros rebeldes sem causa. Enjolras é o líder, mas em momento nenhum entendemos o que ele exatamente quer, pois mistura todos ideais existentes e basicamente só quer é arrumar confusão, e aparentemente lutar pelo direito de uma França mais gay, por isso sonha criar uma sauna gay com seus amigos. Combeferne é a cabeça filosófica por trás desses ideias, acreditando que uma sauna gay concretizaria todos os sonhos de Rosseau a Voltaire. Jean Prouvaire é o gayzinho afeminado e delicado que gosta de andar em campos floridos. Feuilly é o típico pai de família, um urso peludo, grande, mas muito manso. Courfeyrac é o bon vivant, que quer apenas dar o cu em paz em alguma orgia, por isso apoia Enjolras. Bamorel é o truculento. Bousset é aquele cara calvo aos 25 anos, que ri de tudo e sabe que numa orgia daria o cu pra todo mundo e não comeria ninguém. Joly, um hipocondríaco. Grantaire, o mais gayzão de todos, sonha um dia comer o cuzinho do Enjolras, por isso o segue fielmente. Enfim, um grupo de imbecis.

Excelência da DesgraçaEditar

Marius está na rua da amargura por orgulho, não aguentou os argumentos refinados do avô, e sem conseguir refutá-lo apenas saiu de casa pra viver feito mendigo. Estuda para ser um advogado, mas não consegue passar na prova da OAB porque é orgulhoso demais pra pedir dinheiro para o avô para fazer cursinho. Sem exercer a profissão, virou tradutor de livros, e tornou-se um pobretão.

A definição de 'pobre' em Paris, todavia, é ter ovo pra almoçar e uma mulher para varrer sua casa e trocar sua água todos os dias. Por isso ele consegue pelo menos continuar vivo. Graças a essa vida de merda, Marius virou emo e passa a vestir só preto, além de deixar o cabelo ensebado. Ficou amigo de Courfeyrac e Sr. Mabeuf, mas por ser um garoto esquisito, nenhum desses dois nunca deu moral pra ele.

Enquanto isso, Teódulo, um outro neto, visita Sr. Gillenormand para puxar o saco do velho. Por ser um grande pau no cu, foi completamente ignorado.

A Conjunção de Duas EstrelasEditar

Foi então que durante seus passeios Marius viu Cosette pela primeira vez. É amor a primeira vista. O rapaz nunca havia batido uma mera punheta em toda sua vida, até então só queria saber de estudar história da França, política e outras coisas sem importância, mas bastou ver uma gostosa que ele muda completamente. Marius então foi conhecer o que é puberdade apenas aos 20 anos de idade, e como qualquer garoto normal na puberdade, botou como novo objetivo de vida comer aquela loira gostosa que ele ainda não sabia o nome. O grande problema é que aquela menina estava sempre colada ao pai, o tal de "Sr. Leblanc" (ou seria aquele velho um namorado pedófilo? Eram muitos mistérios).

Ao invés de agir como homem, Marius preferiu agir como um stalker filho da puta, começando a seguir pai e filha. Como o tal Sr. Leblanc não era nenhum tolo, logo percebeu como aquele garoto era um freak. No dia seguinte, pai e filha se mudaram, para tristeza de Marius. Marius se lamentou, agora acreditava que morreria virgem.

Patron-MinetteEditar

Conhecemos quatro bandidos de altíssima periculosidade, quatr malfeitores os quais nenhum Javert está implacavelmente atrás para prender, então ficam tranquios no submundo de Paris fazendo suas maldades, afinal nenhum deles roubou nenhum pão. Gueulemer, um grandalhão idiota. Babet, um magrelo ardiloso. Claquesous, um notívago mascarado metido a ventríloquo. E Montparnasse, um lúgubre insensível.

O Mau PobreEditar

 
Casal Thénardier. Com uma esposa feia desse tanto é compreensível a revolta pela vida que esse homem tem.

Conhecemos melhor Jondrette, o vizinho de Marius, que usava as duas filhas para pedir esmolas pela cidade. Um tremendo filha da puta. Como Marius estava na maior tristeza porque perdeu a loira gostosa de seus sonhos, decidiu fazer o que pessoas frustradas normalmente fazem, começou a espiar o vizinho de forma descarada, quando providencialmente descobriu que Leblanc estava ali querendo fazer doações, mas Jondrette iria extorquir aquele velho filantropo. Marius denuncia a armação para o policial Javert, que pergunta se Jean Valjean estava na cena, e como estava, ele decide mobilizar todo seu esquadrão para abordar o lugar e ainda dá umas pistolas à Marius.

Leblanc caiu na cilada de Jondrette, que se revela ser Thénardier. Foi amarrado e começa a ser extorquido. Marius, como é um bananão (me desculpe o palavreado) não faz absolutamente nada e fica assistindo um velho filantropo sendo amarrado, extorquido e maltratado, ignorando totalmente a necessidade de ajuda daquele que planeja ser o futuro sogro.

Javert é que precisa aparecer para resolver a situação. Ele pergunta se alguém ali é ladrão de pão, e como no local só há bandidos de altíssima periculosidade, ele não dá atenção a nenhum deles, e apenas os prende sem sentir nenhuma satisfação pessoal. Na hora de entrevista a vítima, pra perguntar se ele roubou algum pão, o homem sumiu. Sr. Leblanc, que obviamente era Jean Valjean pulou pela janela e escapou.

O Idílio da Rue Plumet e a Epopeia da Rua Saint-DenisEditar

Algumas Páginas de HistóriaEditar

Dessa vez Victor Hugo nem disfarça que gosta de começar cada um de seus capítulos com uma longa e maçante aula de história desnecessária e já deixa um subtítulo bem específico do que virá a seguir. Dessa vez a aula é sobre como a França se tornou um país atrasado no tempo, uma família de merdeiros, como playboyzinhos tomaram conta do país em 1830 e um rei que não sabia o que estava fazendo ali.

EponineEditar

Marius passa a morar com seu amigo Courfeyrac, que visivelmente era meio gayzão e por isso topou a ideia. É claro que Marius se fazia de pobretão, mas nunca recusou a mesadinha do avô, embora usasse esse dinheiro pra fazer filantropia por aí e fazer seu nome.

Eponine, a filha de Thenardier, é solta da cadeia por falta de provas no envolvimento dos trambiques do pai. Sozinha no mundo ela começa a sua jornada rumo á maior friendzone da história da literatura mundial. Com tanto homem no mundo, ela foi logo apaixonar-se perdidamente justo por um fudido pobretão e nem tão bonito assim, um rapaz que na verdade só gostava é de loiras gostosas, o tal do Marius, que em momento nenhum vai esboçar qualquer possibilidade de poder ficar junto de Eponine.

A Casa da Rua PlumetEditar

Conhecemos então a casa da Rua Plumet (espécie de Rua Augusta da França do século XIX, ou seja, local de má fama). É uma casa cheia de passagens secretas e entradas secretas onde Jean Valjean foi morar com sua filha adotiva Cosette agindo de maneira extremamente suspeita a se parecer com um puta de um pedófilo, embora fosse longe de ser um.

Também nos deparamos com o drama de Valjean e como ele observa a pequena Cosette crescer e se transformar numa gostosa, e ainda por cima uma gostosa virgem, para aflição do pai adotivo que não sabe como lidar com tal situação.

O Socorro da Terra pode Vir do CéuEditar

Valjean fica doente graças à bobagem de queimar a própria mão no dia anterior quando caiu na cilada do Thenardier. A parca medicina da época permitia que pessoas morressem simplesmente por cagarem mole demais, então a simples febre de Valjean foi algo preocupante, ele conseguiu assim a chantagem emocional mais adequada para manter Cosette por perto.

Depois disso, aquele mendigo mirim, Gavroche, depois testemunha Valjean dando porrada e lição de moral no ladrão Montparnasse. Gavroche acaba roubando Montparnasse e dá o dinheiro para um filho falido, que entrega o dinheiro pra polícia.

Onde o Fim não se Assemelha ao PrincípioEditar

Cosette recebe a carta de amor de Marius e se impressiona como um homem consegue escrever tantas bobagens ao mesmo tempo, ela no entanto se encanta por aquela cartinha porque ela já passou da puberdade e precisava desesperadamente de uma piroca grossa, e decide dar uma chance para o mongoloide. Por motivos óbvios, Marius e Cosette precisam se encontrar secretamente todas madrugadas no quintal da própria Cosette, mas apesar da mulher todo dia aparecer ali dando o maior mole, o paspalhão nada faz, fica só de papo furado, deu no máximo um beijinho e nada de comer a piranha. Sorte que Cosette se apaixonou por um paspalho, ao contrário da mãe que se deixou engravidar por um pilantrão.

O Pequeno GavrocheEditar

Madame Thénardier teve duas filhas, e depois ainda teve mais 3 filhos. Um filho virou mendigo, o Gavroche, e os dois mais novos foram vendidos para uma tal de Magnon, uma vadia que queria continuar recebendo pensão alimentícia depois que seus dois filhos originais morreram. Claro que os trambiques de Magnon nãod eram certo e ela acabou presa, e aquelas duas crianças viraram meninos de rua.

Os dois garotos acabam acolhidos por Gavroche, e temos páginas e páginas dessas três crianças fazendo porra nenhuma. Basicamente para a todo momento demonstrar como não possuem pais, que no caso é o próprio Thénardier, que é resgatado da prisão pelos seus amigos, pra nada.

A GíriaEditar

Um livro não chega a ter 2000 páginas se não tiver boas doses de enrolação no meio, por isso há uma capítulo inteiro sobre linguística e a análise da gíria, apesar disso acrescentar absolutamente nada ao livro. Na verdade é só uma resposta de Victor Hugo sobre o livro O Último Dia de um Condenado à Morte que foi criticado por usar muitas gírias, então para não sofrer a mesma crítica, fez toda uma defesa da necessidade de usar gírias numa obra literária. E no final das contas, nem usa gírias no livro. Nunca lemos algum "lés filhés des puté" ou "tomá nu seus cù" ou qualquer gíria francesa.

Encantamentos e DesolaçõesEditar

Marius e Cosette passam a se encontrar secretamente por 1 mês. Mas o máximo que fazem é encostar os joelhos um do outro, Marius é um perfeito palermão retardado sem atitude gentleman e em momento nenhum desrespeita a virgindade de Cosette.

Concomitantemente ao relacionamento de Marius e Cosette ficando mais forte, comprovando que não é só por causa de sexo e putaria que um homem e uma mulher podem se amar, a Eponine vai ficando cada vez mais na maior friendzone, chegando a ter que ler poemas de Marius e avaliar se eles estão bons para Cosette, além de servir de cadela de guarda para a casa de Cosette.

Uma terrível notícia vem para Marius, ele descobre que Cosette vai se mudar para Inglaterra, porque a única pessoa sensata nessa história inteira, Jean Valjean, já está farto de tanta gente maluca querendo comer sua filha, então melhor mudar-se para um país decente, então Marius decide rever o avô. Para fazer as pazes? Não esse moleque mimado, visitou o avô para dizer que ia casar com uma loira gostosa que não tinha dinheiro.

Para Onde vão Eles?Editar

Cosette se mudou, e isso leva Marius ao completo desespero, pois agora ele sente que está fadado a uma vida eterna na punheta (não que já não estivesse assim, dado sua pouca atitude). Enquanto isso, Sr. Mabeuf vai ficando cada vez mais pobre, uma punição por ter escolhido a profissão de vendedor de livros.

5 de Junho de 1832Editar

Aqui temos mais um pouquinho de aula de história, mas é basicamente algo sobre a morte do General Lamarque e gerou uma revolta sem sentido de um bando de playboyzinho revoltado sem causa que se revoltaram sabe-se lá com o que e protestaram contra sabe-se lá quem, exigindo sabe-se lá o que, desejando morrer por um ideal sabe-se lá qual.

O Átomo Fraterniza com o FuracãoEditar

Aqueles dois meninos acolhidos por Gavroche foram embora e nunca mais foram vistos. Mais um final miserável para mais personagens miseráveis (nome do livro).

Enjolras com seus amigos black blocs começam o protesto contra o governo, uma revolta que ninguém entendeu até hoje porque aconteceu. Se fosse feita em 2018, essa revolta teria cartazes de #lulalivre ao lado de #Bolsomito2019. No fundo, todos aqueles garotos leite com pera queriam só é ter uma morte gloriosa como aquelas de 1789, mas como não tinham contra o que se revoltar, fizeram apenas uma grande birra para um suicido emo e massa.

CorintoEditar

A estratégia adotada pelos leite com pera foi bem básica, e consistiu em utilizar a mesma estratégia dos 300 de Esparta, fazendo barricadas sem qualquer esmero, espremendo a poliça em ruelas estreitas para ganhar vantagem. Nesta tática também estava incluso não levar qualquer alimento para dentro das barricadas, pois emos são tudo anorexos e morrer de fome também seria uma espécie de glória, caso eles não fossem massacrados.

Havia, todavia, no meio dos black blocs um homem de barba bem feita, porte atlético e aspecto físico decente, obviamente não poderia ser um emo, e logo descobriu-se ser o Javert, que estava infiltrado no meio daqueles emos procurando algum ladrão de pão, que não encontrou, e ele foi denunciado por Gavroche, e como Enjolras não gosta de policiais que não gostam de ladrões de pão, ele prende Javert e promete executá-lo.

Marius Entra na SombraEditar

Marius estava triste, estava completamente deprimido, ele chegou a voltar pra casa e não conseguiu nem bater punheta direito, seu pau simplesmente não ficava duro mais. Cosette havia se mudado para sabe-se lá onde e sua vida havia perdido sentido. Onde mais ele encontraria uma loira tão gostosa em uma Paris cheia de Eponines? Marius então decide juntar-se a seus amigos blabk blocs, decidido a juntar-se a eles no maior movimento emocore de suicídio coletivo da história, e na madrugada se infiltra nas barricadas, encontrando seus amigos para ser miseravelmente massacrado lutar ao lado deles

A Grandeza do DesesperoEditar

 
Eponine levando a friendzone até seu túmulo.

Marius manda uma carta de despedida para Cosette e vai encontrar seus amigos nas barricas, salvando Gavroche e Courfeyrac numa atitude suicida. Ele só não morreu com tiro na cabeça porque foi salvo por uma Eponine disfarçada de homem, mulher que já estava no desespero do forever alone e não sabia mais o que fazer, tentou se disfarçar de homem para ver se o problema de Marius era o fato dele ser gay, depois pensou que talvez o problema dela é que ela não havia ainda sacrificado sua vida para salvar um homem que não a ama, então colocou a mão na frente do rifle que atirou em Marius, salvando-o.

A Rue de L'Homme-ArméEditar

É óbvio que se um garoto burro chegasse na casa de Jean entregando uma carta para sua filha pré-adolescente gostosa, o pai é quem interceptaria a carta e a leria, entendendo a situação do seu pretendente a genro, que escreveu à Cosette que participaria de um suicídio emo em massa. Num primeiro momento Jean Valjean fica feliz, afinal é um emo a menos no mundo e essa notícia agrada a qualquer um, mas então ele percebe que Marius talvez não seja exatamente um emo, mas apenas um gótico, então toma a decisão mais difícil da sua vida, e parte para tentar salvar Marius.

Jean ValjeanEditar

A Guerra Entre Quatro ParedesEditar

Do nada o livro começa a falar das revoltas de 1848, ou seja, uns 16 anos no futuro, e como as barricas dessa época futura foram muito melhores construídas e como deram muito mais certo e como Paris era uma cidade mal feita que com apenas uns móveis empilhados você conseguia travar bairros inteiros. Há uma ênfase acerca da barricada de lixo de Saint-Antoine e a barricada silenciosa de Temple.

De volta à história, Jean Valjean chegou no lugar onde está Marius, Enjolras e seus amigos retardados que veem alguma beleza e utilidade no suicídio. Ali Enjolras tenta um discurso motivacional, mas a única coisa que ele consegue é ser tão chato que Gavroche fica com tédio e prefere is saltitar e cantar na rua aberta até ser fuzilado sem parar e morrer miseravelmente.

Em outro momento, Javert finalmente fala algumas palavras ao perceber que um ladrão de pão estava no meio daqueles arruaceiros, sentindo seu dom de justiça fluir mais uma vez em suas veias. Mas por ele ser chato pra caralho, é dado para Jean o trabalho de matar Javert, mas é óbvio que Jean não faria isso, senão quem mais o perseguiria implacavelmente pelo resto de sua vida? Sem Javert, o pobre Jean ficaria carente demais, ainda mais agora que sua filha se tornou uma gostosa que vai casar, então ele liberta Javert ao invés de matá-lo.

Uma batalha sangrenta ocorre e todos ali conseguem seu objetivo: Morrer estupidamente num heroísmo que nunca será recordado por ninguém.

O Intestino de LeviatãEditar

Para manter o seu livro ainda mais grosso, Victor Hugo decide dedicar mais um pá de páginas para algo que não importa mas nem um pouco, quando discorre sobre a história dos esgotos de Paris. É uma descrição detalhada ao ponto de entendermos o formato das fazes de cada cidadão parisiense do século XIX, enquanto vamos entendendo que aqueles esgotos não passam de enchentes de merda e cadáveres.

Há uma merecida homenagem a um tal de Bruneseau, um verdadeiro herói, o homem que reformou todos os esgotos de Paris em 1805 e dedicou sua vida à merda. Parabéns para ele.

Lama e AlmaEditar

Jean fugiu pelos esgotos carregando um quase morto Marius, e são páginas e mais páginas dele carregando um peso morto enquanto nada em tsunamis de cocô, atravessa rios de merda e vence turbilhões de fezes apodrecida. É claro que, para não perder o hábito, Jean roubou e comeu o pão do moribundo. São páginas e páginas de sofrimento num mar de lama e merda, e quando o leitor já entendeu que Valjean está obstinado em salvar Marius, há mais e mais páginas de viagem árdua com esgoto batendo no pescoço dos dois.

Até que numa puta coincidência incrível, Jean e Marius chegam numa tampa de bueiro que está coincidentemente trancada com um cadeado cuja chave coincidentemente é Thénardier quem possui e que está coincidentemente passando por ali porque ele está coincidentemente fugindo de Javert. Thénardier é quem abre o bueiro em troca de algumas moedas, ele fez aquilo porque sabia que Javert o perseguia e só uma coisa poderia fazer aquele guarda maluca sair de seu encalço, que seria revelar a Javert um ladrão de pão, e foi o que aconteceu quando o policial encontra Jean Valjean atolado na merda carregando o Marius moribundo. Mas Javert inexplicavelmente os ajuda. Seria peso na consciência?

Javert sem RumoEditar

Javert está atormentado, ele não consegue entender porque ajudou um ladrão de pão ao invés de prendê-lo, a sua mente está experimentando algo completamente novo, algo chamado consciência, algo que ele nunca teve durante toda sua miserável vida (nome do livro), mas agora que ele está com consciência, Javert simplesmente não sabe como lidar com isso, especialmente ao perceber que para ser uma boa pessoa seria necessário ser contra as leis, mas ser contra as leis seria ser uma má pessoa, mas ser uma má pessoa seria não prender um ladrão de pão, mas não prender um ladrão de pão seria ser uma má pessoa, seguir a lei seria perseguir implacavelmente um ladrão de pão. Enfim, ele ficou louco. Escreveu uma carta foleira e suicidou-se.

O Neto e o AvôEditar

Marius acorda todo fodido na casa do avô, um velho que já está tão carente que releva o fato de seu neto ser um teimoso imbecil orgulhoso, então o velho e o neto se acertam, afinal, quando se tem 93 anos de idade a única coisa importante é ter alguém jovem para trocar suas fraldas. O jovem Marius, aliás, se reencontra com Cosette, o amor de sua vida, e ainda recebe 600.000 francos, ele estava realizado, casaria com uma gostosa virgem e rica, e como bom filho da puta, em nenhum momento demonstrou qualquer gratidão ao pobre Valjean, que desenterrou essa fortuna para entregar à filha.

A Noite BrancaEditar

Cosette e Marius finalmente se casam. Nesse momento já lemos umas 1900 páginas, e para que? Para absolutamente nada! Não ficamos sabendo de nenhum mísero peitinho, nem um pedaço de coxa, nenhuma mão mais ousada, Victor Hugo simplesmente pune seus leitores não narrando absolutamente nada da lua-de-mel dos dois. Na hora de narrar um convento, são 50 páginas. Pra narrar um esgoto, são 200 páginas. Pra narrar a vida chata de um bispo bondoso, 200 páginas. Aí na hora mais importante, nem um putaria de leve sequer, aí depois reclamam que 50 Tons de Cinza que é o best-seller.

Pois bem, não conhecemos nenhum detalhe de como foi a lua-de-mel de Marius e Cosette, não sabemos o tamanho do pênis do Marius, nem se a Cosette é boa de cama, nem quais fetiches o casal de pombinhos realizou, o capítulo é dedicado à Valjean e como ele se lamenta solitário em sua casa, sofrendo em saber que sua pequena filha naquele momento estaria dando o rabo pra um moleque chato mimado e mal-agradecido.

A última Gota do CáliceEditar

Após a lua-de-mel, Jean Valjean decide se encontrar com Marius e se confessa, revelando ser um ex-presidiário. Mas como é burro, revela só a parte chocante, não mencionando nada sobre ter carregado o corpo moribundo de Marius através de tsunamis de lama, ou o fato que resgatou Cosette de se tornar prostituta particular dos Thénardier, e como ele só falou a parte ruim, claro que ganhou a ojeriza de Marius, que passa a evitar o sogro. Valjean, velho solitário e sem noção, passa a ser aquele sogro chato, que visita todo santo dia na mesma santa hora, e do nada passa a tratar Cosette como se fosse lixo, até mandando-a parar de chamá-lo de pai.

CrepúsculoEditar

Está um puta climão. Marius sabe que o sogro é um ex-ladrão de pão de altíssima periculosidade, por mais que por anos e meses Jean tenha se provado um homem bondoso, caridoso e amável. Por outro lado Jean Valjean está se comportando feito um completo freak, visitando Cosette todo dia, ficando parado na mesma cadeira por 1 hora, fazendo nada, falando nada, forçando antipatia. O livro até parece que vai terminar mal, faltam tão poucas páginas.

Suprema Sombra, Suprema AuroraEditar

 
Jean Valjean é tão foda que ele decide até a hora da própria morte.

Thénardier aparece para Marius, mesquinho como sempre, ele cobra dinheiro de Marius para contar coisas boas de Jean Valjean. Uma vez pago, Thénardier diz que Jean Valjean foi o homem que o salvou da morte pelos esgotos, algo tão brutalmente óbvio que Thénardier fica espantado que alguém o tenha pagado uma passagem para os Estados Unidos para revelar aquilo.

Marius então tem uma epifania, de que estava sendo um baita de um cuzão, e chama a esposa Cosette para correr para a casa de Valjean. Mas chegando lá, o herói da história estava nas últimas, então simplesmente morre por causa de "tô de saco cheio dessa merda toda" e as súplicas de Cosette não conseguem ressuscitar o pai. É isso aí.

PersonagensEditar

  • Jean Valjean - Protagonista da porra toda, é um ladrão de pão, de castiçais de prata e de moedas de ouro de garotinhos retardados. Apesar de sua altíssima periculosidade, o que explica batalhões de policiais perseguindo-o implacavelmente e juízes sedentos em sentenciá-lo à prisão perpétua, ele decide tornar-se uma boa pessoa, o que significa que ao invés de todos os outros, ele decide trabalhar com afinco, e por isso fica rico. Não apenas isso, ele também se torna um filantropo altruísta santo que vai salvar qualquer um não importa a situação, mas enquanto sai por aí fazendo bondades, tem que também fugir da polícia sem parar. Por sua culpa, uma mulher (Fantine) precisou se prostituir por não conseguir trabalhar em sua próspera fábrica de maconha, e arrependido por ter deixado aquela mulher morrer miseravelmente, ele decide adotar a filha pequena dela para cuidar, muito embora tivesse que sequestrar essa filha do pensionato onde ela morava. Torna-se um pai adotivo atencioso e bondoso, mas que vai ficando preocupado na medida que a criança Cosette vai se tornando uma jovem gostosa e atraente. No começo ele é todo ciumento, mas depois percebe que é inevitável uma loira tão linda morrer virgem, então vai resgatar seu genro imbecil no meio da guerra, precisando carregar o corpo de Marius num mar de merda ao atravessar o esgoto com ele, e depois de ainda doar todo seu dinheiro para o casamento dos pombinhos, ser abnegado como se fosse lixo, afinal confessou ser um ladrão de pão. Aí morrer de desgosto.
  • Cosette - Mulherzinha burra pra caralho, mas sua deficiência cognitiva tem explicação, é porque apanhou muito quando criança e danos cerebrais durante a infância causam sequelas horríveis. Por sorte foi adotada por um homem bondoso e nada pedófilo, então outra parte da infância foi relativamente feliz, embora esse pai adotivo fosse um esquisitão ex-presidiário. Quando cresce ela fica gostosa, mas como é uma bobalhona, não entende que poderia escolher qualquer homem na França com aquela beleza toda que ela tinha, então decidiu escolher um maldito stalker para flertar no parque. Claro que o pai é contra essa palhaçada no começo, mas Cosette estava com a xavasca pegando fogo, e faria de tudo pra dar para aquele homem misterioso que a seduziu. Era Marius. Com quem passa a se encontrar secretamente todas as noites, doida pra ele passar a rola nela de uma vez por todas, mas ela deu sorte de se apaixonar por um completo imbecil gentleman, assim Marius no máximo tocava no joelho dela, que frustração, mas pelo menos não teve o mesmo destino da mãe, uma gravidez indesejada. Como é burra, nunca sabe o que está acontecendo, nem que o namoradinho é um emo que quer se suicidar num protesto dos black blocs, mas como o pai salva esse Marius, ela pode se casar com ele, e ainda recebeu uma puta grana do nada. É uma mimada mesmo.
  • Marius - Um perfeito de um bananão (desculpe o palavreado, mas o horário permite) filhinho de vovô que estuda na USP e mora com a tia, que depois fica revoltadinho, sai de casa e rapidamente se torna um fudido pobretão depois de abandonar a casa por orgulho barato. Vira emo, por isso passa a vestir só preto. Por um momento ele acha ser assexuado, isso até ver Cosette pela primeira vez, a partir de então é punheta todo dia sem parar. O problema é que o pai dessa Cosette é um esquisitão que fica se mudando a todo momento, e Marius, como é um stalker filha da puta, não desiste, e não é que eventualmente ele consegue reencontrar Cosette e passar a encontrá-la secretamente todas as noites? Por ter um pau pequeno, sempre teve vergonha de ir mais a fundo no relacionamento, então por 1 mês nada fez além de passar madrugadas de papo furado com aquela garota. Outra que dá doida pra dar o cu pra ele é Eponine, mas tendo uma gostosa como Cosette de namorada, ele pode colocar esse Eponine na maior friendzone. Quando Cosette se muda de novo e ele a perde de vista de novo, Marius fica tão deprimido que decide se suicidar, então vai se juntar aos seus amigos black blocs para fazer protesto contra o BOPE, e obviamente todo mundo ali é massacrado, e quando todos seus amigos morrem tragicamente, ele chora por uma garota que acabou de conhecer (é um cretino mesmo).
  • Javert - Um homem que tem 24.601 problemas, e todos eles se chamam Jean Valjean. Como a França está em paz (sqn) ele pode dedicar sua vida a perseguir implacavelmente um ladrão de pão, vai se disfarçar e vai para toda parte mover todo seu batalhão de policiais fortemente armados para capturar Jean Valjean. Um homem roubou um pão? O mais sensato é persegui-lo implacavelmente pelo resto da vida. No final ele acaba salvo pelo próprio Jean Valjean, e assim que enfrenta o primeiro problema moral de sua vida, se joga da ponte e se suicida, porque raciocinar nunca foi seu forte e aquilo foi demais.
  • Fantine - Mulher que foi demitida por ser acusada ser uma prostituta, então tornou-se uma prostituta, graças às suas atitudes de prostituta engravidou de um desconhecido e precisou criar uma filha sozinha, mas por vergonha dessa filha,d eixou-a sob cuidados de um casal de completos desconhecidos e nunca mais quis ver sua filha.
  • Eponine - Garota que atingiu um nível absolutamente inalcançável de friendzone na cultura popular. Na cabeça dela só existe uma rola no mundo, e se chama Marius. Filha de pai e mãe desnaturados, não recebeu nenhuma boa educação quando criança, por isso cresceu como uma mimada. Quando atingiu a puberdade percebeu que nunca teve uma rola na vida, então sem instrução, passou a dedicar seu amor incondicional para um cara que estava nem aí pra ela, e ainda se sacrificou por ele pra ganhar um beijo na testa só depois que morresse.