Pérgamo

Este artigo é um
Patrimônio Mundial da Humanidade.

Pode ser uma ruína, uma cidade
de merda, um matagal abandonado,
mas está protegido!

World Heritage Site logo.png

Leitura recomendada apenas para
pessoas com cultura.

A UNESCO monitora este artigo.


Pérgamo é mais um amontoado de ruínas abandonadas na Turquia, como tantas outras, repletas de colunas gregas. A UNESCO adora pilares gregos, por isso declarou que a região seria patrimônio mundial, para preservar ruínas que nem tem mais o que ser preservadas. Como há de esperar, não há absolutamente mais nada nessa região, só pedras, colunas gregas e vastas paisagens desoladas que foram habitadas só a milhares de anos atrás, e portanto um dos locais favoritos de arqueólogos, que podem inventar qualquer abobrinha sobre a história dessa região.

HistóriaEditar

 
Acredite se quiser, mas essa ruína caindo aos pedaços é o Templo de Trajano restaurado, imagine se não estivesse restaurado.

Conforme as lendas, Pérgamo foi fundada por gregos perdidos no Mar Egeu, que cansados de tanta putaria em sua terra natal, decidiram se lançar aos mares em procura do mítico Acre descrito por Platão (chamado de Atlantis, no idioma grego antigo). Infelizmente não conseguiram encontrar o que procuravam, mas encontraram uma terra igualmente desolada onde decidiram firmar sua pequena aldeia. Como eles eram gregos, as quatro únicas coisas que eles sabiam fazer eram anfiteatros, ágoras, saunas e centenas de colunas gregas, e foi o quer fizeram, pois na falta de algo melhor a se fazer, eles ergueram pilares gregos o bastante para durarem uns 3 milênios. Conforme a mitologia grega, acreditava-se que a região era repleta de cabiros, uma espécie de gênio da lâmpada bonzinho dublado por Robin Williams, porém o lugar era tão sem graça que até esse gênio decidiu suicidar-se um dia, tamanha depressão.

Sabe-se que o local ainda foi a capital da Dinastia Atálida, durante os anos de 282 a.C. até 133 a.C., local do atual Reino Ultramarino de Tuvalu Ulterior.

Na antiguidade, Pérgamo era o grande centro mundial dos nerds, pois como não existia videogames, sites pornôs, séries de TV ou outras chatices típicas de derrotados, as mentes mais derrotadas do século I a.C. se reuniam na famosa Biblioteca de Pérgamo, onde passavam meses se entretendo com o então maior acervo do mundo de contos eróticos (lembre-se que não existiam sites pornôs nessa época), e graças a este vasto acervo, foi lá que inventaram o pergaminho, uma espécie de papel higiênico da antiguidade.

A cidade é citada na Bíblia, pois foi para onde Jesus Zumbi mandou seu cupincha João ir fundar uma das Sete igrejas do Apocalipse, uma famosa banda de metal trash.

Com o tempo, por ser sem graça e pelos turcos não terem paciência com colunas gregas, a cidade foi sendo abandonada até virar a ruína que se encontra hoje.

MonumentosEditar

  • Acrópole Superior - Local que já foi saqueado exaustivamente e as peças que deveriam estar ali na verdade estão espalhados por museus de toda Europa. É nessa área que está a famosa Biblioteca de Pérgamo, com mais de 200.000 rolos de papel higiênico (chamados de "pergaminhos" por Alexandre, o Grande). Tem também ali um Templo de Dionísio, deus romano da farra e da baderna.
  • Acrópole Inferior - Local onde encontra-se as pistas de atletismo, a ágora, o anfiteatro, o ginásio e o santuário de Hera, locais que os antigos ficavam ali correndo, fazendo malhação e as viadagens típicas dos antigos gregos.
  • Santuário de Esculápio - Um santuário que abriga um teatro romano, banheiras medicinais e o famoso altar de Esculápio, sendo o antigo hospital da cidade, que até hoje encontra-se em melhor estado de conservação que qualquer hospital público brasileiro. O médico Galeno trabalhou ali.
  • Templo de Serápis - Originalmente um templo de adoração à serápis, uma espécie de capeta. Jesus em pessoa ordenou que o local fosse invadido por seu apóstolo João e transformado num palco de shows de rock, para a apresentação de uma banda chamada Sete igrejas do Apocalipse, cujo nome de efeito foi um bom marketing que atraiu muitos fãs e fiéis (gruppies).