Paisagem Cultural de Le Morne

Bear janta.jpg Este artigo é aprovado por Bear Grylls

E come testículos de camelo.

Clique aqui para ver mais aprovações dele.


Este artigo é um
Patrimônio Mundial da Humanidade.

Pode ser uma ruína, uma cidade
de merda, um matagal abandonado,
mas está protegido!

World Heritage Site logo.png

Leitura recomendada apenas para
pessoas com cultura.

A UNESCO monitora este artigo.


Paisagem Cultural de Le Morne é um local lá em Maurício, uma ilha perdida no Oceano Índico. Esse lugar foi considerado patrimônio mundial pela UNESCO por ser um lugar que ninguém conheço, muito menos foi.

A paisagem de Le MorneEditar

 
O Monte Le Morne, a maior pedra coberta de musgo do mundo. Agora que você sabe disso, pode morrer feliz.

Isolado, selvagem, esquecido, a paisagem de Le Morne foi onde Julio Verne caiu de balão quando tentou dar a volta na Terra em 80 dias. Lá, ele encontrou bastante musgo, o Tom Hanks e o Padre Voador. Desde então essas paisagens tornaram-se um importante cartão postal do Maurício, o Ricardão que está comendo sua namorada agora.

Essa paisagem se tornou a prova de que é possível sobreviver uma vida inteira sem televisão, roupas, mulheres, Internet ou dinheiro. Ficou famosa por servir de cenário para a gravação de Lagoa Azul, filme de sucesso estrondoso no Brasil.

Porque cultural?Editar

Le Morne abriga vários segredos que desvendam a cultura do pseudo-povo de Maurício. É para aquele lugar maldito, esquecido e isolado que os escravos foragidos íam contar os dias de tédio até a sua morte, alguns até se arrependiam de tanta coisa que não tinha que fazer em Le Morne que rapidamente voltavam para as atividades escravas.

O monte tornou-se símbolo das quilombolas, a ilha que ficava naquele maldito caminho marítimo entre Europa e Índia. Sempre que as embarcações davam uma parada na ilha para os marujos comerem umas putas, sempre tinham uns 10 escravos que escapavam, e acabavam em Le Morne.

Foi também em Le Morne que Maurício teve a inspiração para criar a Turma da Mônica, enquanto observava um pelicano carnívoro devorar um indefeso coelho azul enquanto alguns ex-escravos catavam cebolinhas.

Hoje, Le Morne é habitada apenas por alguns poucos e hábeis ninjas negões.