Abrir menu principal

Desciclopédia β

Palácio Real de Caserta


Este artigo é um
Patrimônio Mundial da Humanidade.

Pode ser uma ruína, uma cidade
de merda, um matagal abandonado,
mas está protegido!

World Heritage Site logo.png

Leitura recomendada apenas para
pessoas com cultura.

A UNESCO monitora este artigo.


Cquote1.png Você quis dizer: Versalhes Cquote2.png
Google sobre Palácio Real de Caserta
Cquote1.png Experimente também: Edmar Moreira Cquote2.png
Sugestão do Google para Palácio Real de Caserta

Palácio Real de Caserta é mais um dos grandes desperdícios de dinheiro feito pelos nobres prestes a falir na era barroca, lá pelos séculos XVII e XVIII, sendo um castelo que é um verdadeiro luxo situado na Itália, mais precisamente em Caserta como diz o próprio nome.

HistóriaEditar

 
O interior da humilde casa.

Numa bela noite de verão, um nobre italiano teve um sonho, só que esse não envolvia quadriláteros amorosos ou fadas atrapalhadas, mas sim um gasto monumental de verba pública para construir um trambolho inútil que só serviria de casa de verão número 54 e seria raramente utilizada, mas o cara mesmo assim mandou construir.

A ideia do cara que criou o palácio era fazer uma verdadeira cidade de primeiro mundo, melhor que qualquer outra cidade contemporânea, fazer algo que deixasse os franceses e ingleses babando, para isso fez o grandioso castelo, mas como na época o pessoal não era muito de apelar para o uso da matemática o castelo foi construído comendo a verba da cidade, resultando no que pode ser visto hoje, um castelo no meio do nada, sendo esse nada na época uma comunidade rural formada por pessoas mais rústicas que os móveis que você faz quando dá uma de marceneiro.

AtualmenteEditar

 
O jardim, ao fundo vê-se o prédio.

O local por sua exuberância e, principalmente, por sua condição isolada do mundo ganhou o título de patrimônio mundial da UNESCO, entidade que sai rotulando lugares como patrimônios e cujos métodos de avaliação para classificá-los como tal envolve teias de aranha por metro quadrado, quanto mais melhor e risco eminente de queda por falta de reparos, velharia é com eles mesmo.

Hoje o local tenta atrair turistas, mas tudo o que atrai são chineses sorridentes com flashes assassinos de retinas, por isso a população local está a um passo de fazer um pleibiscito para confirmar a venda do local para a iniciativa privada, o interessado é um famoso colecionador de castelos, um tal de Edmar Moreira, rei das Minas Gerais.

Ver tambémEditar