Palmelo

Palmelo é um vilarejo de smurfs oculto no sul de Goiás, na zona conhecida como Triângulo da Camisa Xadrez e Chapéu de Palha (a versão goiana do Triângulo das Bermudas) toda aquela região compreendida entre Brasília, Goiânia e o Reino de Catalão.

É mais um desses municípios que nem aparecem no mapa e ninguém conhece. Forasteiro por ali é uma pessoa a cada década, e sempre gente que se perdeu do caminho para Catalão.

HistóriaEditar

 
Letreiro de entrada da cidade exibindo o símbolo do município, uma rola branca e gorda.

Palmelo surge em 1929, a sua história é diferente de 99% das cidades goianas que surgiram em torno de uma igrejinha católica, Palmelo surgiu em torno de uma seita esquisita e feliz que conversa com os mortos, posteriormente convertida em centro espírita. Por isso é uma das poucas cidades do interior que não exibe aquelas grandes igrejas, mas apenas casarões caindo aos pedaços onde são feitos os cultos de magia pagã.

Tornou-se um povoado a medida que mais fiéis foram chegando de toda parte do Brasil através de teletransporte (a única forma de chegar na cidade), que se tornou destaque até em matérias do Fantástico que retratou a ignorância do povo local em acreditar em sandices, curas milagrosas e todo o tipo de sorte de trambicagem.

Em 1954 é elevado a município ao se desmembrar de Pires do Rio, cidade vizinha que por sua vez nunca nem soube a existência desse tal de Palmelo, e provavelmente ninguém sabe até hoje. No caminho para Goiânia nem dá para perceber a existência dessa cidadezinha. O nome adotado, Palmelo, foi um bem humorado trocadilho com a expressão "pau mole", que serve para definir a pouca virilidade dos habitantes locais.

Atualmente é uma cidade habitada por muitos espíritos. Viajando pela BR-352 a noite é possível observar os fenômenos paranormais que inspiraram filmes como O Chamado.

GeografiaEditar

Palmelo é um dos menores municípios de Goiás em área territorial, espremido por lugares melhores como Pires do Rio e Santa Cruz de Goiás, Palmelo não passa de um grupo de casas caindo aos pedaços. Não possui rios, cachoeiras, e nada dessas coisas, apenas o pequeno espaço da cidade de cerrado.

Apesar de ser considerado oficialmente pelo IBGE como município, é reconhecida pelos municípios limítrofes como distrito de Pires do Rio.

PopulaçãoEditar

População formada por apenas 2.000 habitantes vivos (sem contar os espíritos). Não é todo mundo que acredita naquele negócio lá de alma penada, possessão espírita, telecinese e essas coisas sobrenaturais típicas de Palmelo.

Palmelo é considerada a Capital Espírita do Brasil só porque possui meia-dúzia de espíritas.

CulturaEditar

Aquela placa de entrada da cidade exibe um dos maiores símbolos do folclore local, a Rola Branca e Gorda com Escorbuto. Tal entidade do folclore local é uma materialização psicossomática criada a partir dos temores da população, que até o Padre Quevedo admite a sua existência.

ReligiãoEditar

 
Uma das inúmeras casas mal-assombradas de Palmelo.

Palmelo é a capital mundial da vigarice, cidade com numerosa quantidade de médiuns e demais entidades que inventam paranormalidades em geral, os grandes líderes locais dizem que estão enxergando algo invisível e escutando algo que ninguém mais consegue escutar e todos acreditam. Mas todo mundo tem direito de acreditar no que quiser, inclusive em espiritismo.

LazerEditar

Cidade com absolutamente porra nenhuma de bom para se fazer. O grande passatempo da população é ficar visitando as antigas casas espíritas mal-preservadas caindo aos pedaços da cidade, ou mesmo acampar nas inúmeras casas mal-assombradas aguardando ser a pessoa mais especial da Terra em ser a única privilegiada em conversar com os mortos.

A exclusiva zona de lazer da cidade é o Clube Recreativo Ivair Alves Teixeira onde o povo vai beber cachaça e fazer sei lá o que, pelo menos é mais divertido que ficar sentado no meio-fio vendo as pessoas passar a fonte de lazer antes da inauguração do clube.