Abrir menu principal

Desciclopédia β

Paranoá

Cquote1.png Muitos noiados aparecem à noite perto da Rodoviária. Inclusive eu já fui assaltado. Cquote2.png
Um cidadão pacato sobre Paranoá
Cquote1.png Oxe!!! Tá doido é?! Cquote2.png
Maloqueiro sobre aquele que esbarrou nele
Cquote1.png Isso existe ? Cquote2.png
Qualquer um sobre Paranoá

Paranoá (inglês: Stop-in-A) é uma cidade-assaltélite de Brasília que parou no "A". Os seus moradores tem trauma por terem construído e estarem tão pertinho do Lago Paranoá, mas não terem acesso ao mesmo, ao contrários dos ricos do Lago Sul que invadem as margens do lago sem se preocupar. É junto com o Itapoã, uma das poucas regiões onde “pegar o celular de alguém” é dito apenas no sentido denotativo.

Índice

HistóriaEditar

A invasão, surgiu em 1957, durante a construção da Barragem do Lago Paranoá. O povo que já tava por ali, decidiu ficar, mal sabiam a terrível escolha que fizeram de morar num lugar desses. Atualmente, ao lado de Brazlândia, o Paranoá é uma das cidades mais isoladas da civilização do mundo. Após a inauguração do Lago Paranoá, todo o povo do Antigo Paranoá foi transferido para além das montanhas, e a antigas nas margens do lago foi demolida e transformada no Parque Vivencial do Paranoá, o parque menos visitado de todo Distrito Federal.

O Paranoá, é para o Lago Norte, o que São Sebastião é para o Lago Sul, uma favela e periferia medonha. O Paranoá tecnicamente orgulha-se de ser uma cidade planejada. Mas quem planejou a cidade foi um mendigo bêbado que criou duas longas avenidas principais que levam seus moradores e visitantes ao longo de um emaranhado labiríntico esquema de ruas e endereços que não fazem sentido, além da tradicional lógica de endereço feito com códigos que nem os moradores entendem.

Aos poucos, todo tipo de pobres começaram a se aglutinar no Paranoá, tornando-a uma das maiores invasões do Distrito Federal na década de 80. Roriz então transforma aquilo em cidade e lava as mãos para aquele bando de infelizes. Toda a região administrativa do Paranoá que abriga 1.000.000 de hectares de cerrado passou a ser usada como um dos mais importante núcleos rurais do DF, onde há a predominância do cultivo de soja, milho e maconha.

 
Vista de Brasília do Paranoá, onde os habitantes sonham em ir algum dia morar no Plano Piloto, mas conseguem no máximo ir morar na Vila Planalto.

A partir da década de 90, toda a região do Paranoá se torna um importante esconderijo de bandidos, criminosos e estupradores goianos e mineiros, porque a polícia jamais vai a essa região.

Em 2005 criaram uma favela da favela com nome de praia famosa, o Itapoã. O Paranoá que não tem nada com isso, pelo menos se orgulham de não serem a pior cidade do lado de lá do Lago Paranoá. A pequena cidade de Café Sem Troco fica nos domínios do Paranoá, quase em Minas Gerais, a sua população é composta 100% por criminosos, foragidos, estupradores e ex-criminosos.

Atualmente, devido à maior proximidade com o Estado do Pão de Queijo, e por estar longe de Brasília, o Paranoá se assemelha muito a qualquer cidade do interior mineiro. A diferença está no fato de que no Paranoá as Padarias não produzem Pão de Queijo.

A cidade em si tem um certo mau cheiro, pouco sentido pelos locais, mas existente. Mas ao sul da cidade, na saída para o Lago Sul, o cheiro é tão ruim que o peido de um gambá por lá seria sentido como um cheiro bom. Mas isso é um cumprimento de Boas Vindas da população aos estrangeiros, já que "tudo que é ruim, no Paranoá pode ficar ainda pior".

GeografiaEditar

 
Local onde a maior parte dos crimes ocorrem atualmente.

A cidade fica ficava entre um pinheiral ao leste e ao oeste. Naqueles antigos bosques, onde até o presidente Collor teve o desprazer de bater seu antigo carro um dia, funcionavam alguns dos maiores alçapões e centro de desova de toda a América latrina. Depois da idéia de jerico do governador Agnelo QueimaRozca, aquele imenso ponto turístico de traficantes passou a ser um amontoado de apartamentos do Minha Casa, Minha Vida, sobrando apenas o pinheiral próxima a DF-001 mesmo.

RelevoEditar

Como qualquer favela comunidade que se preze, o Paranoá se situa em uma ladeira que se originou daquele monte de terra que Juscelino Kubitschek escavou para criar o lago que tem o nome da cidade, faz divisa com a cidade mas que a cidade não tem acesso. Os fornecedores de insumos para consumo preferem vender na parte de baixo porque esta parte é próxima aos lagos (Norte, Sul e Paranoá).Logo, estes comerciantes podem vender para mais consumidores do que um comerciante do Varjão ou de Planaltina, por exemplo.

ClimaEditar

O clima do paranoá é quente, principalmente depois das festas que tem na cidade. Por se tratar de uma cidade que tem o tamanho do seu pau, é muito fácil algum problema acontecer no extremo norte da cidade e a parte sul toda ficar sabendo, ou vice-versa. Principalmente quando se trata de traições e caguetagens em geral. É aí que o clima fecha, pois como todos nós sabemos, o mundo do crime não suporta cabacidades.


DemografiaEditar

 
Perfil de pai de família encontrado na cidade
(note a falta de reboco na parede, algo comum na região).

A população da cidade é composta de 44,4% de foragidos, sendo destes 69,3% já receberam ordem de prisão do juiz, outros 20,4% fugiram de outros presídios municipais e apenas 5,3% estão foragidos porque não retornaram a Papuda quando receberam induto em algum feriado.Os outros 66,6% da população já está devidamente encarcerada. Este fenômeno ocorre devido a esta população se reproduzir como lebres e consequentemente, ter uma penca de filhos. Em apenas uma festa comum da cidade, esta população de 48.564 lebres pessoas chegam a triplicar 7 meses depois (todos os bebês na cidade nascem prematuros). A situação só não é pior, porque todos recebem auxílio-reclusão que junto com o Bolsa Familia formam a única fonte de renda desta população.

A população é constituída por fodidos. Há uns que tem orgulho disso?, outros ainda tem noção da realidade em que se encontram e outros (a maioria) acha que morar perto da água os dá o direito de exigir que os demais os chamem de ricos. Estes últimos tem por habito viver escutando funk ostentação em uma casa que sequer tem as paredes rebocadas.

A previsão é de que com as festas de fim de ano, a população desta cidade chegue a meio milhão* de habitantes até o fim de 2019. O crescimento exponencial assim se dá pelas festas de fim de ano, quando a população tem por mal hábito realizar festas diárias, regadas a muita cerveja barata Smirnoff e sexo.

* - Estimativa sem contabilizar o número de presos.

GovernoEditar

 
Dia que a população foi para a praça central se esconder da procura policial.

As cidades na capital da corrupção federal não possuem prefeitos, são amiguinhos indicados pelo governador (atual. Rodrigo Rollemberg) para assumir o que chamamos de Administração Regional (da Região). Atualmente o Administrador da Região do Paranoá é um tal de Eduardo Rodrigues. Ninguém na cidade o conhece, mas fazer o que se o governador quem indica os amigos dele.

Antigamente, antes da Crise do PT Brasil (Derrota do 7x1 2014 ~ Atualmente), o governador indicava quem ele achava que poderia render votos na próxima eleição, por isso costumava colocar marginais pessoas igual as que tinha na cidade. Normalmente as pessoas mais cotadas a assumir o cargo eram as mais populares entre os cornos e as putas da cidade, o que não aconteceu na última indicação

EconomiaEditar

A economia da cidade é baseada em um comércio forte. A mão-de-obra, normalmente trabalha no Plano Piloto.

A Avenida Principal da cidade tem uma variedade de lojas e serviços como Distribuidoras de Bebidas, Igrejas Evangélicas, Bares, Pizzarias, e... só. Estes estabelecimentos se revezam em toda a extensão da avenida, que possui também alguns Dentistas clandestinos, que funcionam SEMPRE no andar superior (acesso pela escada à direita).

A disposição dos estabelecimentos obedecem o seguinte:


  Loucura?  
Leônidas sobre a explicação acima.


Sim! digo, foi isso mesmo que você entendeu, Paranoá é a única vila da terra da banana que possui mais Distribuidoras de Bebidas do que igrejas Evanjélicas! (o que não chega a ser tão ruim assim)

De qualquer forma, quando for comprar alguma coisa no Paranoá, tenha em mente que tudo lá é mais caro do que seria se fosse no Rio de Janeiro, São Paulo ou mais caro que nos lagos sul e norte, onde um capim pode custar caro (e os cavalos morrem de fome). Lá é certo que todas as lojas praticam a lei de mercado. Então basta ver o preço de um produto em apenas uma loja para saber o preço dele em todas as outras lojas restantes. Por ultimo, lembre-se de quando for ao Paranoá para comprar, que a vila não chegou a conhecer a Idade Moderna ou Contemporânea. Aquilo ainda é um feudo, e o senhor feudal detém todas as lojas da localidade.

EducaçãoEditar

 
Duvido que você ache local mais limpo que esse no Paranoá.

  Educação is not available  
Educação em qualquer lugar do Brasil.

Não é possível o aprofundamento nesta questão, visto que a população nesta localidade possui nem o Encino Fudamentau direito.

A população também não possui bons modos. Para eles, um terreno verde é como um local apropriado para enterro aterro de lixo". Caso visite esse quase fim-de-mundo, leve uma câmera fotográfica e tente capturar algum lugar verde limpo. Basta que a área tenha pelo menos 1m² de area limpa. Se conseguir capturar este feitoO que é impossível..., entre em contato conosco para receber o prêmio através do número 0800-707-7000.

Por fim, como já citado anteriormente, a população vive na idade média com propriedades da idade atual, ou seja, não sabem o que é fila, ainda comem com a mão, precisam registrar atividades de caça nas paredes (ou bancos do Busão), etc, etc, etc.

TransporteEditar

 
Dia que a policia descobriu a existência do Paranoá. Na foto o momento em que os foragidos estão fazendo fila para o camburão.

O transporte público é uma desgraça precário, se considerar a quantidade de pessoas que vivem na cidade e o numero de viagens nos horários de maior necessidade. A pior principal empresa que presta esse desserviço é a Viadão Pioneira (os "funcionários" dessa empresa estão sempre de greve), empresa que de depois da "reforma" do transporte público de brasília idealizada pelo então desgovernador de Brasília, Agnelo Queiroz, ficou irresponsável pelo transporte público em algumas cidades como São Sebastião, Gama, Lago Sul e Paranoá. Podemos dizer que no Paranoá, o transporte público é quase inexistente ou nulo já que os funcionários da Pioneira nunca trabalham porque estão sempre de greve. Os motivos para iniciar uma greve vão desde um "Não estamos afim de trabalhar" a um Temos o direito de fazer migué!.

De qualquer modo isso não afeta ou afeta muito pouco a vida cotidiana na cidade, já que a maioria tem um carro receptado roubado adquirido com dinheiro do Bolsa Familia suado, fruto do esforço de seu trabalho.

SaúdeEditar

A população em sua totalidade tem domínio prático sobre o DST. Normalmente, quando novos, a população conhece pessoalmente a Fudenção Penitenciária e tem acesso à gonorréia, sífilis, a AIDS etc. Quando adultos, só fazem os transmitir em festas pela cidade. A principal causa das crianças nesta localidade nascerem bugadas.

Cultura(?)Editar

 
Única forma de uso do automóvel no Paranoá.

A cidade por si só não produz cultura, mas possui alguns eventos pobres, todos envolvendo alguma putaria com carro de som, música ruim e tudo isso patrocinado com dinheiro da Administração Regional, este que por sua vez, apesar do nome não administra nada.

EventosEditar

Os eventos no Paranoá são sempre a maior putaria. Bailes funk, encontros de swing, raves eróticas, forrós sacanas, rodas de samba cheia de putaria e nudismo, surubas, orgias e todo tipo de pecado carnal em forma de música compõe a cultura do Paranoá. É também a principal forma de reprodução desses marginais.

Veja exemplos de ingressos de eventos no Paranoá:

       
Este é o número de pessoas assaltadas por habitantes do Paranoá enquanto você lê esse artigo

Veja tambémEditar

v d e h
BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL