Abrir menu principal

Desciclopédia β

Partido da Mulher Brasileira

O Partido da Mulher Brasileira (PMB) é um partido político brasileiro surgido em 2015 e que não tem utilidade nem mesmo às mulheres, único grupo de pessoas que motivou a criação do partido.

Partido das Mães Brasileiras 35
Logo Partido da Mulher Brasileira.png
Líder Suicidar Nogueira
Fundador Um ômi por ai
Fundação 2015
Ideologia Apenas direitos à mulher
Espectro
político
PMDBismo.
Membros notáveis Só o Hélio José, mas até ele já vazou
Afiliação PMDB
Site http://www.pmb.org.br/

O partido é o retrato fiel de um partido político brasileiro que para não se comprometer com a maioria do eleitorado, resolve praticar o niilismo como espectro ideológico, mesmo tendo como principal bandeira o feminismo não-acadêmico — ou seja, o que prega que a mulher basta uma lei e regras diferenciadas para a aposentadoria, sendo dispensável todo aquele sexismo praticado nas instituições federais Brasil afora. Em razão disso, o partido não conta com o apoio nem dos homens, que têm medo de perder o pênis, e nem das feminazis, já que o partido não discursa a favor da extinção dos homens, degeneração e blá-blá-blá.

HistóriaEditar

 
Note que apesar de tudo, ainda existem homens no partido.

O partido surgiu em 2008, quando algumas donas de casa cansadas de passar a tarde toda assistindo Casos de Família, resolveram que era hora de trabalhar alguma vez de verdade na vida. Como na época o assunto do momento era a famigerada Lei Maria da Penha pensaram que estariam revolucionando se ao invés de lavarem a louça, fizessem um partido político e se candidatassem a mamata servida no congresso de quatro em quatro anos.

Então aquelas donas de casa resolveram pedir o registro do partido no TSE, coletando as assinaturas dos Ricardões que passavam em suas casas. Apesar de serem muitos, foram necessários mais de sete anos de cama até conseguirem a quantidade necessária de assinaturas para a criação do partido.

PropostasEditar

O partido, apesar de defender o lema todos os direitos às mulheres, até a data de publicação deste artigo, nunca propôs alguma lei que ao dar Ctrl+F no Firefox você pudesse encontrar a palavra "Mulher" no meio, a não ser a presente no próprio nome do partido. Aliás, esse tem sido o problema desse partido, não faz ou não participa de porra nenhuma. É como se não existisse. Apesar disso, o partido defende algumas idéias, como instituir um novo código penal usando como base a Lei Maria da Penha, além da opicionalidade de alguns serviços que seriam obrigatórios aos homens, incluindo o serviço doméstico.

Contudo, o partido continua Belo e Moral se comparado aos ideais das pessoas as quais o partido diz defender, como se manter contrário a legalização do Aborto ou o direito de se prostituir com carteira assinada.

Ver tambémEditar