Abrir menu principal

Desciclopédia β

Petrônio Máximo

Romanopre.jpg ROMANI ITE DOMVM!!!

HÆC ARTICVLVS ROMANVM EST. LATIM LOQVÆBITVR. NON INTERLEGIT? HVMORIS PRIVATVS NON EST. MVITISSIMVS ENGRAÇATVS! SED ROLA MEAM VADE MAMARE! VADE FŒDERE CVM PORRIBVS NOSTRVM.

Spqrpre.jpg


Petrônio Máximo, que se achava "o cara", mas não passava de "o corno".

Petrônio Máximo, em latim Petronius Maximus Cornus Mansus foi um dos imperadores que menos tempo passou no trono, para ser mais exato, ele reinou entre os meses de março e abril, ou seja, cerca de 4 semanas.

HistóriaEditar

Desde criança sempre foi mal acostumado a ter tudo do bom e do melhor. Não se esforçava por nada, tinha tudo nas mãos, visto que era um playboyzinho de merda. Não tirava notas boas no colégio, batia nas criancinhas mais novas, chingava a professora, e mandava todo mundo ir pro inferno.

Por ser tão insignificante ter reinado por muito pouco tempo, quase não se sabe nada sobre ele. Foi casado com uma única mulher, um romance de colégio que acabou dando certo. O nome dela era Árias Panelas, com a qual teve 18 filhos, e foi muito feliz (pelo menos ele se achava) enquanto durou.

Ao descobrir que era corno, mandou matar sua esposa, seus 18 filhos e o Ricardão. Após esse fato, apaixonou-se perdidamente pela mulher do então imperador Valentiniano III, Eudósia Dicátia, pela qual passou a nutrir uma obsessão sem limites.

Como se tornou imperadorEditar

 
Mesmo reinando menos de 1 mês, Petrônio não ficou de fora e também fez suas moedas.

O amor, ou se preferir, a doença que sentia por Eudósia era tanta, que Petrônio decidiu que iria matar o imperador para ficar com sua esposa, e poderia até ganhar de brinde Roma. E assim o fez.

Por se casar com a viúva do imperador, por ser podre de rico, e por comprar todos os senadores possíveis, Petrônio acabou se tornando imperador de Roma. Porém, Petrônio não era um cara de sorte. Poucos dias após ter se casado, descobriu que mais uma vez era corno. Mas não era somente apenas isso. Ele também descobriu que sua então esposa desconfiava que ele havia participado do assassinato do seu ex-marido, e pediu para o melhor detetive de Roma investigar o caso.

Após a afirmativa que Petrônio havia articulado o assassinato de seu ex-marido, Eudósia mandou uma equipe de vândalos matar Petrônio, que tentou fugir. E de início até que havia conseguido, mas ao chegar aos portões da cidade, ele foi impedido de continuar seu trajeto pela população, que já estava sabendo dos babados.

Assim, Petrônio foi levado à presença de sua agora ex-esposa, onde, chorando igual a uma mocinha, pediu perdão por todos os seus pecados, mas não foi perdoado, sendo morto com 4 chutes na coluna.

Precedido por
Valentiniano III
 
Imperador Romano

455
Sucedido por
Ávito


Imperadores Romanos

Júlio-Claudianos
Otávio AugustoTibérioCalígulaCláudioNero

Guerra Civil e Flávios
GalbaÓtonVitélioVespasianoTitoDomiciano

Antoninos
NervaTrajanoAdrianoAntonino PioMarco AurélioCômodo

Severos
PertinaxDídio JulianoSétimo SeveroCaracalaMacrinoHeliogábaloAlexandre Severo

Zorra Total ou Quem der mais leva
Maximino TrácioGordianos (I, II e III)Filipe ÁrabeDécioTreboniano GaloValerianoGalienoCláudio II GóticoAurelianoProboCaroCarino

Tetrarquia e Constaninianos ou Agora somos cristãos, Amém!
DioclecianoConstantino MagnoConstantino IIConstanteMagnêncioConstâncio IIJuliano ApóstataJoviano

Valentinianos e Teodosianos ou Corra que os bárbaros vêm ai
Valentiniano IValenteValentiniano IITeodósio MagnoHonórioConstantino IIIValentiniano IIIPetrônio MáximoÁvitoMajorianoLíbio SeveroAntêmioOlíbrioGlicérioJúlio NeposRômulo Augustulo