Abrir menu principal

Desciclopédia β

Physical Graffiti

Charlemagne-4.jpg Este artigo se trata de um álbum

E provavelmente tem só duas músicas que prestam.

Conheça o resto da playlist clicando aqui.

Cquote1.png Eçe é o melhor albo do Lédi Zepli! V1D4 L0K4 M4N0! 3 N015! Cquote2.png
Corinthiano sobre Physical Graffiti

O edifício da capa de Physical Graffiti está a venda. Caso esteja interessado, ligue 555-1385

Physical Graffiti (também conhecido como Psiu, alguém aí tem grafite 0,7?) foi o sexto álbum da banda Led Led Led Led Zeppelin e o primeiro produzido pela gravadora da própria banda, a Canção do Cisne Records, pois os músicos já não queria pagar impostos dobrados o que fazia sobrar uma graninha a mais para as dorgas do mês.

É considerado um álbum de muitos estilos: nele existem influências do hard rock, heavy metal, blues-rock, folk rock, country e como não poderia deixar de ser, o hip hop. Foi também uma tentativa de remendar o erro cometido no álbum anterior, Houses of the Holy, onde o idiota do programador se esqueceu de incluir várias músicas, entre elas a que dava nome ao disco.

O nome do álbum é uma homenagem à nobre arte do grafite, praticada pelo famoso físico Isaac Newton que em tempos mais antigos juntamente com Jimmy Page liderava a Gangue do Niltinho, uma tribo de motoqueiros que saía pichando muros em cidades do interior da Inglaterra, onde não há policiamento e cada um faz o que quer (bem parecido com o Rio de Janeiro).

Já a capa desse trabalho tem muitos significados. A versão mais aceita é de que o mal cuidado prédio retratado na imagem seja o Dakota onde John Lennon foi morto a colheradas, mas também pode ser um dos edifícios da Bed-Stuy, o bairro do Chris Rock.

Physical Graffiti foi também um disco duplo, pois a grande quantidade de canções esquecidas no álbum anterior não poderiam caber em apenas um LP. Até hoje é uma compilação admirada e apreciada pelos artistas do grafite e pelos funcionários da Faber-Castell, grande produtora de grafites para lapiseiras.

IntegrantesEditar

MúsicasEditar

 
É 0,5 ou 0,7?
 
Jimmy Page tocando Kashmir.
  • Custard Pie

Torta de creme. Que delícia

  • The Land Rover

Um blues feito em um merchandising a essa marca de carros totalmente excelente.

  • In My Time of Dying

Música gospel (?) composta por todos os integrantes da banda para tentar provar que não tinham nenhuma ligação com o cramulhão. Nela pedem a Jesus que lhes dê um novo par de asas quando estiverem voando pelo céu do paraíso.

  • Houses of the Holy

Canção-título do álbum anterior, que obviamente era para estar no álbum anterior, mas não está. Culpa do filho da puta do programador.

  • Trampled Under Foot

Um trampolim embaixo dos pés. Canção love story de letra chata e melodia igualmente chata.

A música mais famosa do álbum. Também pode ser uma homenagem à Caxemira (onde?), seu belo povo terrorista e suas belas paisagens desérticas. Narra uma das muitas viagens sem sair de casa de Jimmy Page.

  • In the Light

Conta a história de quando Plant estava andando de caminhão pelas estradas de Londres e se deparou com uma luz no fim da rodovia: era uma puta paga oferecendo seus honrados serviços.

  • Bron-Yr-Aur

Aquele obscuro vilarejo inglês onde os membros faziam gravações e programinhas secretos, que acabou ganhando seu lugar neste disco. Como não poderia deixar de ser, é uma música country.

  • Down by the Seaside

Mais um blues, só que dessa vez bem sereno, fazendo com que você durma. Fala sobre as lisérgicas belezas da natureza.

  • Ten Years Gone

Dez anos depois o Led Zeppelin continua sem lançar algo que preste!

  • Night Flight

Robert Plant voando no meio da noite, deve ter sido foda! Porque ele não repartiu os comprimidinhos comigo?

  • The Wanton Song

A música dos devassos, drogados e também loucos de ouvir uma banda como essa. Umas das canções soníferas do álbum.

  • Boogie With Stu

Viagem com o amiguinho Stuart Little. Cápsulas de LSD estão liberadas

  • Black Country Woman

Mulher caipira negra? É uma cilada Bino!

  • Sick Again

Suck again. Chupe mais uma vez! Se você não se sentir um legítimo drogado durante esse hit, tá ótimo.

    Fala, diabo! É o seguinte: Physical Graffiti rap é mais uma coisa que os mano da quebrada curte, tá ligado?
Então, não zoa este artigo não, porque vai dar em treta, diabo do diabo do diabo