Abrir menu principal

Desciclopédia β

Pôncio Pilatos

(Redirecionado de Pilatos)
Romanopre.jpg ROMANI ITE DOMVM!!!

HÆC ARTICVLVS ROMANVM EST. LATIM LOQVÆBITVR. NON INTERLEGIT? HVMORIS PRIVATVS NON EST. MVITISSIMVS ENGRAÇATVS! SED ROLA MEAM VADE MAMARE! VADE FŒDERE CVM PORRIBVS NOSTRVM.

Spqrpre.jpg


Cquote1.png Mas antes de comer... Lavar as mãos. Cquote2.png
Castelo Rá-Tim-Bum sobre Pôncio Pilatos

Cquote1.png Lava uma mão, lava outra, lava uma... Cquote2.png
De novo o Castelo Rá-Tim-Bum

Pilatos lavando as mãos.

Pôncio Pilatos foi um deputado governador romano, responsável pela região da Palestina. Desde aquela época os judeus de lá viviam em pé de guerra com os outros.

HistóriaEditar

Pilatos nasceu numa família da Zelite de Roma, que naquela época se transformou no Império Romano e rendeu muito mais grana para os políticos romanos do que antes. Desde pequeno, Pilatos foi treinado para a carreira política, aprendendo diversas técnicas eleitoreiras de retórica, como a famosa lavada de mãos tão necessária em momentos de crise política no Senado romano. A cidade de Roma sofria com a falta de higiene da maior parte da população, e por isso Pilatos tinha que dar o exemplo; depois de assistir trocentas vezes ao programa do Castelo Rá-Tim-Bum, Pilatos aprendeu finalmente a lavar as mãos antes de comer, beber, pegar na mamadeira e aparecer em julgamentos públicos.

Lavando as mãosEditar

 
Pilatos na política do Império.

Demonstrando grande habilidade na política do Império Romano, Pilatos conseguiu uma vaga de governador da Faixa de Gaza Palestina. No começo até que era legal, mas logo começaram a aparecer judeus se explodindo nas ruas para tentar expulsar os romanos, mais as suspeitas de que os israelitas estavam importando ilegalmente carregamentos da poção do Asterix para lutar contra as legiões romanas. E volta e meia os amigos de Pilatos se envolviam em denúncias de roubalheira no Congresso da Palestina, o que obrigava o governador a estar sempre lavando as mãos para evitar participação na sujeirada toda.

Certa vez, Pilatos recebeu ninguém menos que Jesus Cristo em seu gabinete. Jesus fora denunciado pela bancada judaica da região por envolvimento num esquema de conversão religiosa de pessoas do povo, com fins de enriquecer sua igreja. Estavam todos pedindo a cabeça dele por isso, mas Pilatos não gostava de tomar atitudes contra pessoas importantes de seu governo, com medo de não se garantir no cargo de governador nos próximos anos. Por um lado, tinha o povo que apoiava Jesus, e por outro, os que iam junto com a bancada dos judeus, e Pilatos tinha que se garantir com todo mundo. Aí entrou a habilidade de "lavar as mãos" quando a coisa aperta para o próprio lado; o melhor é deixar que os outros se entendam ou se matem de uma vez. E essa lição de Pilatos ficou gravada na História, sendo seguida à risca até hoje pelos políticos.