Pimenta Bueno

Pimenta Bueno é só uma aldeia aleatória e desconhecida qualquer do Mato Grosso do Norte, basicamente um bairro distante de Vilhena, capital de Mato Grosso do Norte.

HistóriaEditar

 
Moderno centro de Pimenta Bueno.

Tudo começou quando o famoso Marechal Rondon chegou por ali, este senhor muito desocupado estava completamente perdido na Amazônia, criando linhas telegráficas a torto e direito, e levantou por ali um novo poste de telégrafo numa tentativa de estabelecer conexão com o povo do ET Bilu e quem sabe ser resgatado daquele final de mundo. Obviamente Rondon não conseguiu sucesso e continuou sua procura pelo Acre, saindo dali no dia seguinte. Porém, dos 600 homens seguidores de Rondon, 100 ficaram porque estavam cagando suas próprias tripas sofrendo de cólera ali contraída, e dos 3 sobreviventes, encontraram algumas índias com quem acasalariam.

Aquela fazenda acabou sendo populada por grupos de garimpeiros e seringueiros preguiçosos, que deveriam chegar em Porto Velho, mas desistiram no meio do caminho.

Em 1960 chegava ali a BR-364, trazendo consigo as primeiras prostitutas, o que trouxe o desenvolvimento econômico e o crescimento populacional dessa cidade.

GeografiaEditar

Localizado outrora no que um dia foi denominado floresta amazônica, hoje só restou uma paisagem inóspita que mais lembra o sertão nordestino, contribuição dos cearenses incendiários que lá vivem.

Ao norte da cidade há o Rio Machado, atualmente de cor amarronzada e avermelhada devido aos altos índices de mercúrio ali depositados ao longo dos anos de garimpo.

TurismoEditar

Quem visita esse fim de mundo tem como única opção se banhar nas inúmeras praias fluviais locais onde o turista pode se deliciar em contrair todas as doenças de pele possíveis, inclusive câncer de pele causado pelo sol escaldante que ali assola.