Abrir menu principal

Desciclopédia β

Pirapemas

Cquote1.png Cala a boca, Galvão! Cquote2.png
O criador do artigo não tinha nada pra colocar, então postou essa citação para encher linguiça

Pirapemas é mais uma cidadezinha esquecida do Maranhão (que só não ganha do Acre em matéria de esquecimento) habitada por cerca de 220 índios. Foi fundada em meados de 1900 e guaraná com rolha.

Índice

HistóriaEditar

 
Raro caso em que um trem é maior que a cidade.

A mais clichê de todas, onde chega alguém para colonizar, mas os índios tacam flecha, vencem a batalha e blábláblá. Você já sabe. Em 1312 a.C, uma Senhora chamada Dercy Gonçalves, com sua tropa de dinossauros e seu exército de homens das cavernas foi colonizar essa cidade, mas os índios meteram flechada com fogo e venceram a batalha.

  Porra! Bando de filhos das putas do caralho... Vão pra puta que pariu! Um dia eu domino esse cu dessa cidade  
A Dercy ficou puta porque não conseguiu dominar a cidade

Infelizmente, Dercy não conseguiu dominar Pirapemas, pois outra múmia, denominada José Sarney dominou antes dela, e transformou essa cidadezinha em um belo curral eleitoral, que em todas as eleições lhe garante alguns votos.

Atualmente, os habitantes de Pirapemas são apenas escravos, que não podem sequer fugir desse cu do mundo. Se tentarem sair da cidade, os moradores são mortos na base do tiro de carabina, afinal, Sarney não quer perder nenhum eleitor.

EconomiaEditar

Nenhuma atualmente. Antigamente tinha muito Pau-Brasil por lá, mas trocaram por espelho e apito com os Índios. O IDH é nenhum. A cidade não se desenvolve, só mora índio lá.

SaúdeEditar

Nenhuma. Não existe nada nessa cidade. Os postos de saúde hoje servem de Oca para as aldeias, já que Índio está moderno! Índio não morar em Oca, Índio ter casa!.

EducaçãoEditar

Não são totalmente analfabetos, já que as escolas pelo menos ensinam o B com A é BÁ, B com E é BÉ.

LazerEditar

O único evento notável de destaque nessa cidade tediosa é quando o povo vai para a beira da ferrovia assistir os trens de 1 quilõemtros de comprimento passarem pela cidade a todo vapor querendo sair dali o mais rápido possível.