Abrir menu principal

Desciclopédia β

Porto

Nota: Se procura outros portos, consulte Porto (desambiguação).


CidadedoPorto.jpg Aqui é Porto e mais ninguém carago!

Esse artigo veio dos arredores do Porto! Ele toma Vinho do Porto, é portista, mora em uma cidade invicta e gosta de comer bacalhau, que nem um português qualquer.
Se vandalizar, um tripeiro vai comer sua família
Este artigo é um
Patrimônio Mundial da Humanidade.

Pode ser uma ruína, uma cidade
de merda, um matagal abandonado,
mas está protegido!

World Heritage Site logo.png

Leitura recomendada apenas para
pessoas com cultura.

A UNESCO monitora este artigo.


Cquote1.png Você quis dizer: Futebol Clube do Porto Cquote2.png
Google sobre Porto
Cquote1.png Experimente também: Pontes Cquote2.png
Sugestão do Google para Porto
Cquote1.png Soumos us mái-óres, cuaraílhu! Cquote2.png
Portuense sobre Porto
Cquote1.png Uff. Cquote2.png
Lisboa sobre comentário acima
Cquote1.png Tás cum alegum prublémâ, ó álfacínha du cuaraílhu? Cquote2.png
Portuense sobre comentário acima
Cquote1.png Não me dirija a palavra, está bem? Cquote2.png
Lisboa sobre comentário acima
Cquote1.png Ó, íd-bos fudêre, murcôm! Cquote2.png
Portuense sobre comentário acima
Cquote1.png Eu séilá, se é du xinêse, se é do cuaráilho! Cquote2.png
Portuense sobre Porto
Cquote1.png Azáltus? E nun são muitus! E nun xaom pouucos, nun é? Bastânts! Cquote2.png
Portuense sobre a taxa de criminalidade do Porto
Cquote1.png Quem vem e atravessa o rio... Junto à serra do Pilar... Cquote2.png
Rui Veloso sobre Porto

O Porto é uma das cidades mais importantes de Portugal, também conhecida como Cidade Invicta (ou Imbíqueta, no dialecto portuense), devido a nenhum conquistador ter encontrado nela algo que valesse a pena conquistar ou invadir. Também é apelidada como Cidade do Dragão, supostamente por causa dos Vikings, mas todos sabem que é por causa do Futebol.

É a Capital do Norte e do Distrito do Porto, e pelos seus habitantes, devia ser a berdâdeíra Capital do país. Por causa desta crença, vive numa eterna rivalidade mortal com Lisboa. Também partilha uma disputa com Vila Nova de Gaia, a cidade "do outro lado do rio".

Aproveite a estadia para comer uma Francesinha (é um prato gastronómico, não esteja a pensar em Putaria) ou umas Tripas à Moda do Porto, beber um cálice de Vinho do Porto, e para sobremesa uns Papos de Anjo. Beba um cimbalino na Ribeira, com vista para a Ponte D. Luís. Se estiver no Verão, junte-se aos Ciganos e aos Gunas e dê uns mergulhos no Rio Douro.

Índice

HistóriaEditar

 
Mas a cidade só tem o porto, ó pá!?

Esta pequena nação, tal como o resto de Portugal Continental, teve origens romanas, e tinha o nome de Portus Cale, que mais tarde viria a dar nome ao país inteiro. Desde os primórdios que existe a disputa com Lisboa pelo pódio de quem deveria ser a capital. Os benfiquistas não são bem-vindos à cidade do Porto, apesar de existirem alguns portuenses benfiquistas, mas são obrigados a habitar na clandestinidade.

Em resumo, é uma cidade velha pra caralho.

É a cidade mais industrializada do país, e durante uns tempos ficou submersa devido às excessivas descargas das famosas suiniculturas das redondezas. Desde o momento em que a ameaça de submersão surgiu, e como sempre tinha acontecido, o Porto foi alvo de desprezo por parte do Governo.

Mas, liderada pelo ditador Jorge Nuno Pinto da Costa, que apareceu montado num Dragão, a cidade conseguiu sobreviver às inundações. Desde então, que o senhor Pinto da Costa é o governante supremo da cidade e idolatrado pelas suas gentes, tanto que existe a expressão popular: "Deus no céu, Pinto da Costa na terra".

GeografiaEditar

  • Campanhã / Heroísmo

Afamada pela estação de comboios e pela elevada concentração de gunas. É onde fica localizado o Estádio do Dragão (ou das Antas), e o centro comercial Dolce Vita, muito frequentado pelos putos ricos do secundário, já que a gunagem tende mais para o NorteShopping, em Senhora da Hora.

  • Bonfim / Campo 24 de Agosto

Local pacato e com imensas árvores e jardins, mas localização da Faculdade de Belas Artes da UP e da Escola Artística de Soares dos Reis, e, como tal, muito frequentado por retardados com a mania que são artistas e muito alternativos, e que, consequentemente, se acham superiores às outras pessoas.

 
A famosa Ponte do Infante ou Ponte D. Luís. Um dos locais predilectos para cometer Suicídio por parte dos habitantes.
  • Rua Santa Catarina / Passos Manuel

Famosa rua para fazer compras, com grande variedade de oferta e de população, ainda que mais frequentada por turistas. Impossível percorrer a rua sem ser abordado por algum ressaca a pedir dinheiro. Então, estar sentado numa esplanada e vir alguém pedir Tabaco é tão tradicional quanto a própria Francesinha. Muito frequentado por Ciganos que tentam vender a sua mercadoria do contrabando e que, de vez em quando, entram em confronto com a mulher que vende meias a cinco euros.

  • Bolhão

Localização do mercado mais emblemático da cidade: o Mercado do Bolhão, povoado por mulheres de grande porte com bigode, que vendem as suas Frutas, Peixes, Flores, etc, com grande simpatia e bom-humor. Se ofender alguma destas mulheres, o único conselho é: CORRA PRA CARALHO!!! É bonito observar o nível de preocupação cívica dos nomes dos estabelecimentos desta zona, em que todos terminam em "do Bolhão", para que o turista tenha a certeza absoluta do local onde se encontra. Ou não.

  • São Bento

Mais emblemática do que a Estação de Campanhã, mas com menos comboios. O seu estilo arquitectónico é muito apreciado pelos turistas, que fotografam os azulejos até à exaustão. Grande antro de ressacas, sempre a pedir tabaco e dinheiro, e que continuam a insistir na desculpa que é para o bilhete de comboio, mesmo que sejam duas da manhã e o último comboio já tenha partido há uma hora atrás. Não é aconselhável a permanência na Estação de São Bento durante a noite, excepto se tiver desejos de sofrer um assalto.

  • Ribeira / Centro Histórico do Porto (São Nicolau e Vitória)

Elevada concentração de granito, lojas tradicionais e turistas. À noite é muito frequentado por Gunas, excepto à segunda-feira, a chamada "Noite dos Baldes" devido às promoções dos bares, e, como tal, a fauna adolescente e os universitários descem até à Ribeira para desfrutar de uma Vodka bem-servida e relativamente barata. Só os turistas é que bebem café na Ribeira, mesmo. Ou os otários que gostam de esbanjar dinheiro.

  • Foz do Douro / Nevogilde

É uma espécie de equivalência nortenha a Cascais. Enquanto a Foz é a "praia dos ricos", Matosinhos é a "praia dos pobres" (e dos Gunas). Grande abundância de assaltos e de casas da zelite. Os mais retardados tendem a dizer que a Foz é a "marginal do Porto". Muito frequentado por homens efeminados durante o Portugal Fashion.

  • Praça da Liberdade / Avenida dos Aliados

A célebre avenida portuense. Acolhe as manifestações e as festas populares do S. João, onde as pessoas esfregam alho-porro na cara umas das outras e dão marteladas em cabeças alheias. Quando o FêQêPêe é campeão, os Aliados são inundados por um mar de gente em estado máximo de histerismo: a população salta em cima das paragens dos autocarros, grita descontroladamente, tenta aparecer na televisão nacional e abana os carros que tentam passar por entre a multidão em fúria.

  • Trindade / Santo Ildefonso

Conhecida por ser a principal estação de Metro da cidade, onde é possível apanhar ligação para qualquer canto da cidade. Há uma estranha obsessão com esta estação de metro, onde a fauna adolescente, essencialmente guna, aprecia passar as suas tardes, a conviver e a fumar. É essencialmente afamada pela elevada concentração de casas de cariz duvidoso, sendo a mais famosa a "Pérola Negra", e por várias meninas (e meninos disfarçados de meninas) passearem pela Rua de Camões durante as horas nocturnas.

  • Clérigos / Miragaia

Localização da Praça dos Leões, onde os habitantes, essencialmente a fauna adolescente e universitária, se reúnem para começar a noite. É onde fica o famoso café Piolho, que a maioria das pessoas pensa ser o nome da zona inteira. É onde fica o Jardim da Cordoaria, com grande afluência de autocarros e de gunas (entre outros) a fumar charros. Muito frequentado por pessoas de sexualidade colorida, também.

  • Cedofeita

Antro do alternativo. Reúne todos os Hipsters e Indies da cidade, pelos seus cafézinhos cult, e o mítico Centro Comercial Bombarda, na Rua Miguel Bombarda, e a casa-de-chá Rota do Chá. Localização de várias galerias de Arte, cabeleireiros e lojas de velharias, os chamados "alfarrebistas", onde se vendem os mais variados itens que são alvo de adoração por parte da população Hipstó-retardada da cidade. A Rua da Cedofeita é ainda uma espécie de segunda Rua Santa Catarina, mas com uma menor afluência de ressacas.

  • Lordelo do Ouro / Massarelos

Localização dos Jardins do Palácio de Cristal e do Pavilhão Rosa Mota, onde a juventude se reúne nos jardins, geralmente para tirar fotografias para dar numa de cult. Mais conhecido como "Campo Alegre". Também abarca as Faculdade de Arquitetura, de Ciências e de Letras da UP.

  • Boavista

Localização da Casa da Música, considerada como uma cicatriz no rosto da cidade, excepto pelos retardados, geralmente estudantes de Arquitectura, que a acham uma obra completamente inovadora. A única coisa que interessa na Avenida da Boavista é o melhor restaurante de francesinhas da cidade; Capas Negras.

  • Ramalde

Habitações, basicamente.

  • Paranhos / Areosa

Localização do Pólo Universitário, onde se localizam as Faculdades de Desporto, Economia, Engenharia, Medicina, Medicina Dentária, Psicologia e Ciências da Educação, e de Ciências da Nutrição e Alimentação. Além destas, ainda acolhe várias universidades e institutos privados, e o Politécnico do Porto. Grande antro de assaltos, sendo os mais notórios os feitos pelos Gunas da Areosa, um gang de putos que foi denunciado pelos universitários no Facebook.

DialectoEditar

 
Mais duas pontes: D. Maria e do Freixo.

O Português falado na cidade do Porto é diferente do Português falado no resto dos países de Língua Portuguesa, até porque o Porto é uma nação, e, como tal, adoptou um dialecto muito próprio. O nativo portuense parece fazer o máximo de esforço para não pronunciar as palavras de forma correcta, quase como um Brasileiro.

O idioma portuense é abundante em calão, sendo cuaráilho a palavra mais comum. O calão é socialmente aceite na cultura da cidade, sendo utilizada por professores e alunos, sem qualquer discriminação. Ou não. O nativo revela uma certa dificuldade em pronunciar o substantivo terminado em "-ão", substituindo-o por "aum" ou "âu". Possui a tendência a prolongar ou encurtar as vogais, dependendo das palavras. Também pronuncia "b" em vez de "v" (à semelhança dos nativos de Viseu e da Guarda).

Reza a lenda que esta linguagem em código teve origens visionárias numa tentativa de não serem entendidos, para que, posteriormente, e em conjunto com o seu líder Nazi, Pinto da Costa, tentarem derrubar a Europa, como já o fizeram na Champions Cup e Copa Uefa, mas desta vez a nível político.


Vejamos alguns exemplos e sua respectiva tradução para Português:

Dialecto Portuense Português
Murcôm Morcão = Indivíduo preguiçoso
Bujôm Bujão = Cu
Curaçôe Coração
Ál-facínha Alfacinha = Lisboeta
Cíbalíí-nu Cibalino = Café tipo Expresso (em Lisboa, Bica)
Espâlhu Espelho
Bêlhã (geralmente acompanhado por "cuaráilho") Velha = Pessoa idosa, de idade avançada
Bumbeiro Bombeiro
Bacína Vacina
Tá um bêntu du cuaraílho! Está um vento do caralho!
Tá um grízu du cuaraílho! Grizo = Muito frio ou Gelado
Baselína Vaselina
Grí-zei-me tó-tíl! Grizei-me tótil = Ri-me muito! ou Dei muitas gargalhadas!
Fooooudássee! Fodasse = Raios! ou Caramba!
Um día bais cua cóna! Um dia vais com a cona! = Um dia, vais ser tramado.
Foge da Moina cuaráilho ! Foge Da Moina = Foge da polícia

PopulaçãoEditar

 
Típico habitante "nascido e criado" na cidade do Porto.

Os habitantes do Porto são apelidados de Portuenses, mas nacionalmente conhecidos como "Tripeiros". E Você pergunta: porquê "tripeiros"? É por causa do prato tradicional Tripas à Moda do Porto? Pois, sim. Mas esta expressão surgiu na época do arco da velha, durante os Descobrimentos, quando os idiotas solidários portuenses enviavam carne para os soldados e ficavam só com as tripas para comer. Há quem diga que a célebre canção do Zeca Afonso, Vampiros, com o refrão eles comem tudo e não deixam nada (excepto as tripas), foi baseada nesta lenda.

A população é, essencialmente, constituída por Gunas, adeptos fanáticos do FCP, ressacas com três dentes que passeiam a sua matilha de cães, mulheres de bigode, Brazes, Loiras e Hipsters. No Porto há ainda uma grande afluência de Gays, mas é dito que o homossexual portuense é um macho comedor de açaí, pois têm pavor a bichas modernas, isso só existe em Lisboa.

DesportoEditar

 Ver artigo principal: Futebol Clube do Porto

TransportesEditar

Não é fácil chegar ao Porto, uma vez que existem 17346595 pontes à escolha para o fazer. Esta imensidão de pontes, confunde o condutor que desejar entrar na cidade, uma vez que cada ponte vai dar a um ponto oposto. Esta deficiência de acesso, faz aumentar a taxa de acidentes rodoviários, pois quando planeia mudar de ponte, já é tarde demais, e quando vai para fazer inversão de marcha, já se deu o choque frontal. Outra causa frequente de acidentes no Porto é quando alguém se proclama benfiquista num espaço público, e é misteriosamente atropelado.

O melhor método de transporte no Porto é mesmo o Metro, no qual está cientificamente provado ser possível andar sem pagar, uma vez que não existe qualquer barreira entre a "passagem" da senha e o Metro propriamente dito. Ainda que exista o risco de pagar multa, este é muito reduzido, uma vez que é só nos princípios e nos finais dos meses que se encontram revisores nos Metros.

Existem ainda as duas estações de comboios, Campanhã e São Bento, que asseguram ligações às rivais Vila Nova de Gaia e Lisboa, e a várias cidades neutras como Coimbra e Aveiro, por exemplo. Os comboios mais podres simples, chamados de suburbanos, fazem ligações aos subúrbios, e transportam, diariamente vários gunas (e não só) que vêm ao encontro dos seus sócios ou ver um jogo ao Estádio do Dragão.

Finalmente, existe o Aeroporto Francisco Sá-Carneiro, fazendo do Porto a única cidade que nomeou um aeroporto em honra a alguém que morreu num acidente de aviação.

VideotecaEditar

AfiliadosEditar