Abrir menu principal

Desciclopédia β

Protesto Cultural

Cquote1.png Este artigo vai contra a Lei XXXKDKHDHJ de 32 de onombrio de 1924. Vocês serão processados porque é CRIME!!! Cquote2.png
Patrulhador Ideológico sobre tentar a Censura aqui com uma imitação barata de advogado


O CONTEÚDO ABAIXO É SEMI-SÉRIO! Para bom entendedor, apenas uma ironia basta


Cquote1.png Você quis dizer: Vandalismo Cquote2.png
Google sobre Protesto Cultural
Cquote1.png Toquei o puteiro, meu! Cquote2.png
Boça sobre vandalismo Protesto Cultural
Cquote1.png Puta mundo injusto, meu! Cquote2.png
Boça sobre vandalismo Protesto Cultural
Cquote1.png Vofê é defprevível Cquote2.png
Patolino sobre vândalo Protestante cultural
Cquote1.png Você é um rapaz simpático, agradável e no entanto perde tempo com bobagens, né? Cquote2.png
Luiz Pareto sobre vândalo Protestante cultural
Cquote1.png Olha que gracinha, gente!! Cquote2.png
Hebe Camargo sobre vândalos Protestantes culturais
Cquote1.png Tá com pena? Leva para casa, põe para dormir na sua cama. Cquote2.png
Alborghetti sobre vândalos Protestantes culturais
Cquote1.png Tomara que quebre uma perna e pegue uma gonorreia. Cquote2.png
Alborghetti sobre vândalos Protestantes culturais
Cquote1.png É para quebrar o rabo! Cquote2.png
Alborghetti sobre vândalos Protestantes culturais
Cquote1.png Beija aqui, na boca do Albor! Cquote2.png
Alborghetti sobre vândalos Protestantes culturais
Cquote1.png "Vai tomar no cu... Bem no meio do olho do seu cu Cquote2.png
Cris Nicolotti sobre vândalos Protestante Cultural


Índice

SobreEditar

Protesto Cultural foi o meio que os vândalos estudantes universitários que defendem uma boa mamada nas tetas do governo a universidade pública gratuita e de qualidade encontraram de promover suas manifestações de vandalismo contra o sucateamento do ensino superior público.

Abaixo, exemplos dessa nova forma de protesto, adotada pelos vândalos guardiões do ensino superior público de qualidade.


Protesto Cultural na UnicampEditar

Vandalismo Protesto Cultural na Unicamp (http://www.unicamp.br/unicamp/unicamp_hoje/ju/julho2004/ju258pag4a.html)


Protesto Cultural na Unesp de AraraquaraEditar

Vandalismo Protesto Cultural na Unesp de Araraquara (http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2007/03/376089.shtml)




Protesto Cultural na Unesp de AraraquaraEditar

http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2007/03/376089.shtml

"Ato Contra a Privatização Universitária Por otexugo 18 de março de 2007 às 01:04

Relato do ato ocorrido dia 15/03 contra a privatização da universidade pública.

Dia 15/03 foi realizado um ato na UNESP campus de Araraquara em que os estudantes puderam expressar sua insatisfação a respeito da situação da universidade através da ação direta.

Nesse contexto de privatização gradativa do ensino público, uma privatização velada e feita por dentro, através das terceirizações, das fundações, de cursos pagos ministrados aos fins de semana e da introdução do ensino a distância, nós estudantes da Unesp Araraquara resolvemos dar um basta.

Atravessamos a madrugada mobilizados, de forma festiva, retomando o espaço público que nos está sendo retirado e transformando os bancos (de sentar) - que eram recheados de propagandas publicitárias - num espaço de livre expressão, fazendo uma analogia à expulsão das instituições bancárias (os outros bancos) da Universidade.

O momento de realização da arte promovido pelos estudantes se transformou na arte da realização no instante em que colocamos nossos desejos, nossa vontade de liberdade e nosso potencial criador impresso pelas nossas mãos cheias de tinta naquele espaço re-significado.

As proibições de festas nos campus e a crescente repressão às iniciativas políticas dos estudantes andam juntas com esse processo de destruição da Universidade pública, tentando esmagar a resistência estudantil. Dessa vez não será diferente. Os estudantes da Unesp Araraquara assumiram uma postura radical e passaram por cima das determinações dos que mandam e mandaram em si mesmos neste dia. A repressão virá e temos que nos mobilizar para dar uma resposta."

. . . .

ATIVANDO DECODIFICADOR DE BLABLAÍSMO ANARCO-COMUNO-SOCIAL-PUNK-ROCK-'N'ROLL-SEXO-DROGAS-SINDICALISTA.

5...

4...

3...

2...

1...

DECODIFICAÇÃO REALIZADA COM SUCESSO.


""Dia 15/03 foi realizado um ato DESRESPEITO na UNESP campus de Araraquara em que os estudantes VÂNDALOS puderam expressar sua insatisfação VANDALIZAR a respeito da situação da universidade através da ação direta DE ATOS DE VANDALISMO.

Nesse contexto de privatização gradativa do ensino público APOIO DO SETOR PRIVADO AO SETOR PÚBLICO , uma privatização velada e feita por dentro, através das terceirizações, das fundações, de cursos pagos ministrados aos fins de semana e da introdução do ensino a distância, nós estudantes VÂNDALOS da Unesp Araraquara resolvemos dar um basta QUEBRAR O PAU.

Atravessamos a madrugada mobilizados, de forma festiva FUMANDO UM, retomando o espaço público que nos está sendo retirado DEPREDANDO O PATRIMÔNIO PÚBLICO e transformando os bancos (de sentar) - que eram recheados de propagandas publicitárias - num espaço de livre expressão MONTE DE LIXO, fazendo uma analogia à expulsão das instituições bancárias (os outros bancos) da Universidade ESTÚPIDA IDEIA DE QUE OS BANCOS SÃO O MAL DO MUNDO.

O momento de realização da arte DO VANDALISMO promovido pelos estudantes se transformou na arte NO VANDALISMO da realização no instante em que colocamos nossos desejos, nossa vontade de liberdade e nosso potencial criador NOSSA ESTUPIDEZ, NOSSA FALTA DE VERGONHA NA CARA E NOSSA HIPOCRISIA CALHORDA impresso pelas nossas mãos cheias de tinta IMUNDAS naquele espaço re-significado DESTRUÍDO.

As proibições de festas BADERNAS nos campus e a crescente repressão às iniciativas políticas AOS ATOS DE VANDALISMO dos estudantes VÂNDALOS andam juntas com esse processo de destruição JUSTA ORGANIZAÇÃO da Universidade pública, tentando esmagar a resistência estudantil EVITAR QUE UM BANDO DE HIPÓCRITAS BADERNEIROS DESTRUAM O PATRIMÔNIO PÚBLICO COMO SE O FIZESSEM PELO BEM DE TODOS.

Dessa vez não será diferente. Os estudantes VÂNDALOS da Unesp Araraquara assumiram uma postura radical e passaram por cima DELIBERADAMENTE DESRESPEITARAM as determinações dos que mandam DAS NORMAS LEGALMENTE CONSTITUÍDAS e mandaram em si mesmos TOCARAM O PUTEIRO neste dia. A repressão JUSTIÇA virá e temos que nos mobilizar para dar uma resposta ESCAPARMOS IMPUNES, DE PREFERÊNCIA DEPREDANDO MAIS UM POUCO, E COLOCANDO A CULPA NO SUDAMERIS.

Protesto Cultural na UnicampEditar

  Os invasores usaram métodos violentos, nunca antes registrados em movimentos de reivindicação na Unicamp. Encapuzados, eles expulsaram com truculência os cerca de 60 funcionários que trabalhavam no local. Logo após, organizaram barreiras em todas as entradas de acesso ao prédio, colocando mesas e cadeiras para impedir a passagem. Alguns poucos funcionários que, atônitos, ainda permaneciam no local, foram colocados para fora aos empurrões. “Isso aqui agora é terra de ninguém”, dizia um dos invasores.  
[Jornal da Unicamp, Edição 258 - de 12 a 18 de julho de 2004] sobre vândalos Protestantes culturais

. . . .

ATIVANDO CODIFICADOR DE BLABLAÍSMO ANARCO-COMUNO-SOCIAL-PUNK-ROCK-'N'ROLL-SEXO-DROGAS-SINDICALISTA.

5...

4...

3...

2...

1...

CODIFICAÇÃO REALIZADA COM SUCESSO.


"Os invasores MANIFESTANTES usaram métodos violentos, nunca antes registrados DEMOCRÁTICAS FORMAS DE REIVINDICAÇÃO em movimentos de reivindicação na Unicamp. Encapuzados PROTEGIDOS DA REPRESSÃO QUE CERTAMENTE SOBREVIRIA AOS MANIFESTANTES, eles expulsaram com truculência ENCAMINHARAM PARA A SAÍDA os cerca de 60 funcionários que trabalhavam SUSTENTAVAM OS MECANISMOS REPRESSORES no local. Logo após, organizaram barreiras em todas as entradas de acesso ao prédio, colocando mesas e cadeiras para impedir a passagem DAR SEGUIMENTO À DEMOCRÁTICA MANIFESTAÇÃO. Alguns poucos funcionários que, atônitos HIPOCRITAMENTE, ainda permaneciam no local, foram colocados para fora aos empurrões DEMOCRATICAMENTE CONVIDADOS A SE RETIRAREM. “Isso aqui agora é terra de ninguém VAMO TOCÁ O PUTEIRO, GALERA!!! TOCA RAUL, PASSA UM AÍ!”, dizia um dos invasores MANIFESTANTES."