Abrir menu principal

Desciclopédia β

Quilombo

Quilombos eram áreas quentes, úmidas e apertadas onde escravos fugidos se reuniam para tocar pagode, beber cerveja e assistir a jogos de futebol. O mais famoso foi o Quilombo dos Palmares, fundado por Zumbi dos Palmares, que chegou a reunir mais de 8000 escravos nos tempos de glória. Foram extintos, junto com as brigas de galo e os biquínis, pelo ex-presidente doidão Jânio Quadros.

Índice

Surgimento

 
Que lombo, hein?

O primeiro quilombo foi construído em 1742, na região onde hoje é Pelotas, no Rio Grande do Sul, por um escravo conhecido apenas como Evandrim. Discriminado pela negada por seu jeito suave de ser e pelo fato de adorar ficar preso num tronco levando por trás, ele resolveu fugir para a floresta, onde poderia viver sua vida em paz com as flores e os animaizinhos.

Depois de andar por 24 dias, Evandrim chegou a um lugar bucólico, onde se enterra a mandioca e o babaçu abunda. Satisfeito, assentou no lugar (e assentar era algo que ele fazia particularmente bem) seu acampamento, onde viveu solitário por alguns meses. No entanto, como no meio boiolístico as coisas correm muito depressa (e dizem que, quanto mais depressa as coisas correrem no meio, melhor), em pouco tempo vários outros escravos fugidos e saltitantes juntaram-se a Evandrim, dando origem ao Acampamento para Rapazes Chocolate Cor-de-Rosa.

O nome acabou não pegando, já que na época todo mundo era analfabeto e não tinha condição de gravar um nome tão comprido. Na verdade, o acampamento acabou sendo chamado de Quilombo devido aos comentários que os visitantes faziam de um detalhe particularmente volumoso da anatomia de Evandrim, de uso comum a todos os visitantes ou moradores do acampamento. Assim, pode-se dizer que Evandrim estava para o Século 18 como a Mulher Melancia está para os dias atuais.

Propagação

Com o passar dos anos, mais e mais escravos fugiam de armários e senzalas e refugiavam-se em florestas virgens, onde o vento é fresco e o Pau Barbudo floresce, para fundar seus próprios quilombos. O mais famoso foi, com certeza, o Quilombo dos Palmares, inaugurado pelo morto-vivo Zumbi dos Palmares em 1769, graças à qualidade dos seus drinks e por ser o lugar onde o travesti Rogéria começou sua carreira, pouco antes de ir para o Rio de Janeiro apresentar-se para o Conde D'Eu.

No início do Século 20, já havia tantos quilombos espalhados pelo Brasil que muito pouca gente se arriscava a passear pelas verdejantes florestas nacionais. Dados da época estimam em 24 mil o número de quilomboiolas (o nome que se dava aos habitantes daquelas localidades) em todo o território brasileiro. O Marechal Rondon, maior responsável pelo crescimento do país para o interior, relata em seu livro de memórias que vários sertanistas temiam o fênomeno do Vento Quente por Trás, muito comum especialmente nas proximidades de quilombos. Se o valoroso oficial conseguiu manter sua integridade mesmo depois de tantas excursões por lugares ermos repletos de paus robustos, ninguém jamais saberá.

O Quilombo dos Palmares

 
Manifestantes exigindo que o Quilombo dos Palmares, assim como eles próprios, permaneça sempre aberto à entrada de qualquer um.

Reconhecidamente o quilombo mais importante da História do Brasil, o Quilombo dos Palmares foi um marco na história quilomboiolística nacional. Desde sua fundação, ofereceu a seus habitantes cursos gratuitos de cabeleireiro, manicure, filosofia e decoração de interiores, além de oficinas de teatro infantil e balé. Em seus tempo de glória, pompa e purpurina, chegou a contar com 2.400 habitantes, que cabiam muito confortavelmente nas 100 camas disponíveis. No entanto, os constantes derramamentos de esperma nos rios, matas e lagoas locais acabou determinando seu fechamento no início do Século 20 por determinação da vigilância sanitária. Revoltados, os quilomboiolas saram às ruas das principais cidades exigindo a reabertura do Quilombo dos Palmares, promovendo assim a primeira passeata do orgulho gay de que se tem notícia. O poder público reagiu colocando a polícia na rua, e os manifestantes só foram pacificados à base de cacete. Muito cacete.

Extinção dos quilombos

Em 1961, com a eleição de Jânio Quadros e consequente moralização nacional, todos os quilombos que haviam permanecido arregaçados abertos foram sendo gradativamente fechados. Alguns, os maiores, foram transformados em cidades (como Campos dos Gaytacazes, no Estado do Rio de Janeiro, e Campinas, no Estado de São Paulo), e os demais foram simplesmente extintos. No entanto, os quilomboiolas permaneceram na ativa (e também na passiva), misturando-se à população brasileira, especialmente no meio da camada artística. Atualmente, ecos dos tempos quilomboiolísticos podem ser encontrados no movimento Black emo e no estilo de alguns jogadores de futebol, como Richarlyson.