Abrir menu principal

Desciclopédia β

Rádio pirata


Foto do Airbus da TAM que se chocou em julho de 2007, na qual os comandos da torre de controle foram confundidos com uma música de funk tocada por uma rádio pirata, na qual a aeronave acelerou além do final da pista, atravessando o galpão da própria empresa. Na caixa-preta constava o seguinte comando; "Não-para! Não-para! Não-para não!!! Desce até o chão! Chão! Chão! Popozuda... BOOOOM!!!"
Apesar do seu amadorismo, muitas rádios piratas dispõem de tecnologia de ponta, com estúdios ultramodernos e antenas de transmissão de primeira qualidade, como visto nesta imagem...

Rádio pirata é um padrão de emissora de rádio rádios clandestinas, normalmente são formadas por estúdios montados em qualquer ambiente ilegalmente apenas porque não paga impostos para o governo e muito menos direitos autorais aos artistas tocados, normalmente presente em lugares com pouca participação do poder público, como favelas, morros, invasões e comunidades distantes (periferia), onde apresentam uma programação diversificada para o seu público que compõem a comunidade onde estas rádios se fazem presente.

Índice

Características GeraisEditar

São meios de comunicação muito apreciados pelos pobres da comunidade, por traficantes quando querem passar um "recado" aos vizinhos, pelos manos quando produzem e gravam músicas amadoras, além dos pilotos de aeronaves que involuntariamente acompanham a sua programação por meio de interferências que a transmissão dessas rádios (ilegais) causam quando precisam entrar em contato com a torre de controle dos aeroportos e helipontos, principalmente nos momentos de emergência e desespero em um pouso, onde as instruções dos controladores de voo dão lugar a canções do Roberto Carlos ou Calypso, como ocorreu em 2007 com o Airbus da TAM em Congonhas, na qual ao invés de reduzir a velocidade da aeronave durante o pouso, o piloto confundiu os comandos da torre e acelerou a velocidade do avião na pista, na qual este atravessou toda a pista de pouso e colidiu com um galpão da própria empresa, vizinha ao Aeroporto de Congonhas.

ProgramaçãoEditar

Normalmente as rádios piratas não tem personalidade, na qual tocam qualquer tipo de música que o ouvinte pedir, independentemente se é sertanejo, axé, funk, pagode, enfim, são emissoras que tocam o sucesso do momento, na qual em um instante você ouve a música tema da novela, depois tocam Marcelo Rossi, seguido de Roberto Carlos, Sepultura, Skank, entre outros artistas e gêneros, assemelhando-se aos shows playbacks da Globo na virada de ano. Tudo depende do tipo de música que o ouvinte liga pedindo para ouvir.

Também é comum comerciais do comércio local, como o mercadinho e os botiquins de esquina, da paróquia e da quermesse comunitária com bingo beneficente, da feirinha na pracinha do fim da rua, além das ameaças e determinações do Poder Paralelo, quando os traficantes tomam posse do microfone e desse espaço de comunicação para impor o seu poder sobre seus vizinhos.

Outra programação frequente nesse tipo de rádio é a transmissão de diálogos captados pelo sinal de rádio da polícia e dos aeroportos por conta das constantes interferências que essas rádios sofrem por conta da sua atividade ilegal, uma vez que essas rádios não possuem frequência estabelecida, o sinal de transmissão dessas rádios se cruzam com o sinal de rádio de várias emissoras e órgãos de transmissão por conta das suas ondas irregulares. Promovendo benefícios aos traficantes que por vezes acompanham a ação da polícia, e transtornos aos comandantes de aeronaves em situações de emergência, por conta dessa ruptura na transmissão de instruções técnicas por causa dessa atividade ilegal.

RadialistasEditar

Quase sempre é um Zé Ruela semianalfabeto, que solta milhares de gerúndios, e que sequer sabe a concordância entre uma frase e outra, muitas vezes tem um sotaque carregado da paraibano, e tudo o que sabe fazer e ler as declarações e as homenagens que os ouvintes fazem entre si, juntamente com os pedidos de músicas. Outra habilidade desses "radialistas" é comprar os jornais policiais para ler no ar as notícias, como parte da programação, além da narração de jogos de várzea nos finais de semana. Isso quando um traficante não interrompe a programação para expor o seu "serviço de utilidade pública", ao apresentar a sua oferta de "tóchico pra comunidádi" e pros Vileiros que apreciam os seus serviços...

*Uma mostra da atuação desses profissionais...

*Mais uma mostra para dar mais credibilidade a este artigo...

Artistas mais tocadosEditar