Abrir menu principal

Desciclopédia β

Raúl Prebisch

Cquote1.png Você quis dizer: Teoria socialista da América Latina Cquote2.png
Google sobre Raúl Prebisch

Segundo Prebisch, o Brasil é desse jeito por causa das economias do Evil Empire nos explorando

Cquote1.png Vai tomar no cu seu FDP que fodeu com o Brasil! Cquote2.png
Estudante de economia após descobrir o culpado pelo Brasil ser a merda que é

Cquote1.png Queima no inferno, seu desgraçado! Cquote2.png
O mesmo estudante, após descobrir que esse cara já morreu

Cquote1.png Vete a la mierda, hijo de puta que destruyeron con Argentina Cquote2.png
Estudante de economia argentino após descobrir o culpado pela Argentina ser a merda que é

Cquote1.png Take that, losers! Cquote2.png
Estudante americano, zombando dos brasileiros após ter descoberto que eles se foderam

Segundo Raúl Prebisch, essa seria a América Latina, caso seguissem seus conselhos

Raúl Prebisch foi um pseudo-economista sociólogo comunista que autor da "Nova Lei da Oferta e Demanda Internacional" e "Vantagens Absolutas e Comparativas das Economias Fechadas" (também conhecidas respectivamente como as "95 teses que provam que esses negócios de Lei da Oferta e Demanda estão todos errados" e "David Ricardo era um jumento") e fundador da CEPAL Comissão para o Empobrecimento dos Países latinos-americanos.

Vantagens Absolutas e Comparativas das Economias FechadasEditar

Segundo a mais famosa obra de Predisch todos os estudos de David Ricardo e Adam Smith estão incorretos. Não existe esse negócio de vantagem comparativa e o comercio internacional deve ser abolido. O Brasil deve se tornar uma economia fechada e dominar a América Latina se tornando a União das Republicas Soviéticas Socialistas da América Latina ou ser dominado pela Argentina, o que vier primeiro.

Raúl também parabenizava, quando vivo, iniciativas como a alemã da criação de um muro que tornava a economia fechada. Para ele, os países latinos deveriam também fechar todas suas aberturas nos oceanos e lá em cima do mapa contra o Evil Empire, formando assim algo com extensão de umas 666 mil muralhas da China. E o dinheiro para tal obra poderia vir de empresas multinacionais que seriam confiscadas pelo governo.

 
Latinos vendendo tudo o que tem por terem seguido os conselhos de Raúl Prebisch

Nova Lei da Oferta e Demanda InternacionalEditar

Essa obra reforça a tese de que a América Latina deveria ser uma economia completamente fechada (qualquer semelhança com a Rússia e o Comunismo é mera coincidência), mas também adicionando o fato de que não existe esse negócio de mão invisível do mercado.

É nesta obra que ele deixa claro que é o governo que deve controlar tudo e reduzir 103% das importação do país aplicando uma tarifa alfandegaria de 1000000000000%.

Visão de um historiador e de um economista sobre a obra de PrebischEditar

Segundo relato em 1995 do imortal Heródoto (afinal, historiadores são imortais como a História), para corretamente entendermos a obra de Raul basta pegarmos tudo o que foi feito na área de economia antes de Adam Smith e darmos como certo e tudo o que veio depois dele darmos como errado. Ou seja, o correto é o que as pessoas achavam mesmo, que é necessário um governo forte para mantermos o equilíbrio de mercado e que o que importa são as vantagens absolutas e que as economias fechadas são as melhores, mais prospera e mais produtivas.

Segundo o relato também de um importante economista da UFBA (a qual, um certo medico disse uma vez, ser a universidade mais inteligente do Brasil) que compartilha opinião com um outro economista muito renomado de Universidade Federal do Acre, a obra de Prebisch é, do ponto de vista econômico, uma das mais valiosas obras do mundo e deveria ser elevada a verdade universal inquestionável.

Até porque a grande prova para tal obra é como o Brasil e a América Latina, que a seguirão, se desenvolveram, enquanto o resto do mundo, que acreditou em David Ricardo, ficou parado no tempo (isso inclui é claro, a Europa, EUA e Coréia do Sul, considerados hoje países subdesenvolvidos e com a pior distribuição de renda do mundo).