Ralph Bakshi

Rabbimetal.jpg Cadê o moedinha?

Este artigo é judeu! Ele odeia cananeus, foi escolhido por Javé e não come lagosta porque é caro e anti-kosher. O autor deste artigo provavelmente é contador e deve estar cuidando da lujinha.

Mattgroening.jpg Ai, minha mão, porra!

Este artigo é sobre algum desenhista, rabisqueiro ou uma pessoa que não conseguiu emprego de pintor. Ele passa a madrugada desenhando, tem calos no lugar das digitais e é viciado em filmes de violência. Se vandalizar, Masashi Kishimoto passará a borracha em você!

Cquote1.svg UM HERÓI! Cquote2.svg
Criadores de Os Simpsons, Uma Família da Pesada e South Park sobre Ralph Bakshi

Ralph Bakshi é um ex-animador judeu, conhecido por ter sido o primeiro á produzir putaria em forma de animação.

SobreEditar

Ralph Bakshi
 
Este é Bakshi quando parecia um galã de novela da Rede Globosta. Ele amava ficar brisado de vez em quando, pois era nesse momento onde ele mais tirava ideias para seus filmes até mais brisados
Nascimento Pouco antes das altas birras do emo austríaco começarem
Palestina Israel
Nacionalidade israelita (ou judeu, tanto faz, porra!)
Cidadania estadunidense
Principais trabalhos Tom e Jerry: Putaria Infinita, Tráfego Pesadão, O Senhor Dá-O-Cu, Mundo Fodido, Um Pistoleiro Chamado Papaco: A Série Animada
Prêmios   Oscar
Melhor Diretor
* Baguncinha na Vila do Chaves (900 A.C)
Cargo ex-animador de putaria
Conheça os fatos sobre Ralph Bakshi


Ralph nasceu em Foda-se a Palestina Israel, em 1900 e guaraná de rolha. Ele foi tentar a sorte com a família na União Soviética Reversa, onde aos 10 anos de idade, ele desenhou um treco um tanto quanto dinâmico na cadeira de um colega de classe, e assim, decidiu o que iria fazer da vida: putaria em animação.

FilmografiaEditar

O Gato Fritz (1972)Editar

Inspirado em uma HQ de mesmo nome, O Gato Fritz foi o primeiro filme dirigido por Bakshi. É quase uma versão adulta de Tom e Jerry, só que sem um rato e com o gato sendo humanoide e amante de putaria em seu mais puro estado. No filme, situado na época em que tua mãe era gostosa, Fritz é um Hippie que faz sexo DUAS VEZES com um trio de gatas, motiva uma revolução racial, irrita a ex-namorada e fode os planos de uma versão drogada e Neo-Nazista do Pernalonga.

Heavy Traffic (1973)Editar

Após seu primeiro filme ter feito sucesso entre punheteiros, Lolicons, mães desavisadas que assistiram o filme com seus filhos achando que era um Peppa Pig da vida e principalmente, Furry's, Bakshi voltou no ano seguinte com outro filme de animação adulto.

No filme, Michael Corleone (não aquele lá, mas sim, outro) é um jovem-adulto fracassado, filho da versão conceitual do Homer Simpson de um mafioso atrapalhado e de uma judia que detesta o marido, que vive em uma versão toda fodida de Nova York ou seja, a Nova York como ela de fato é.

Coonksin (1975)Editar

Após outro sucesso com Heavy Traffic, Bakshi decidiu fazer um filme anti-racista, no caso, Cinderela Baiana Coonksin.

Wizards (1977)Editar

Após três filmes sobre putaria, Bakshi decidiu fazer algo um pouco mais Family Friendly: Wizards. O filme conta a história sobre um mago malvado que usa tecnologia para criar um exército Neo-Nazista tem certeza que isso é Family Friendly? e de outro que é do bem e usa magia e que é acompanhado por criaturas mágicas, como fadas muito dinâmicas, por exemplo.

O Senhor dos Anéis (1978)Editar

Após mais outro sucesso estrondoso com Wizards, Bakshi resolveu farmar uma grana extra adaptando um livro muito conhecido: o Livro do Felipe Neto O Senhor dos Anéis. O filme fez tanto sucesso quanto os outros, porém, ficou tão incompleto que acaba antes mesmo do Gandalf aparecer. Mesmo incompleto, o filme serviu de inspiração para a franquia do Peter Jackson.

American Pop (1981)Editar

Após a desgraça de 78, Bakshi só foi querer saber de produzir um filme três anos depois. No caso, American Pop, retomada de Bakshi as animações adultas, que fala sobre a trajetória de uma família judia-russa na história da música estadunidense WTF?

O filme fez sucesso e botou Bakshi de volta ao mapa.

Hey, Good Lookin' (1982)Editar

É, segundo Bakshi, sua visão sobre o filme Grécia: Nos Tempos da Putaria. Fala sobre John Travolta made in Paraguai Vinnie e sua adolescência nos anos 50 como líder de uma gangue.

Fire and Ice (1983)Editar

É basicamente uma mistura bizarra de A Lagoa Azul, A Era do Gelo, Frozen e As Aventuras de SharkBoy e LavaGirl (embora três desses filmes ainda não tivessem sido lançados na época). Fala sobre um guerreiro que salva uma princesa de uma feiticeira que vive em um mundo feito de gelo e blá blá blá Santo Deus! Como um filme pode ser tão genérico?.

Cool World (1992)Editar

Após quase 10 anos desde a grande desgraça, Bakshi volta com sua cópia versão do filme Uma Cilada Para Roger Rabbit. Contagem de coisas copiadas inspiradas de Roger Rabbit:

  • Uma Bilada Cilada Para Roger Rabbit se passa nos anos 40, Cool World se inicia nos anos 40 mas se encerra nos anos 90.
  • Ambos misturam animação com live-action.
  • Ambos tem uma personagem principal do sexo feminino que deixa qualquer punheteiro louco.

The Last Days of Coney Island (2015)Editar

Após mais de 20 anos da segunda desgraça consecutiva de Bakshi, este volta na era do Zap Zap para fazer um mini-filme de animação, lançado no YouTube Fake Vimeo, e brevemente lançado no YouTube original YouTube. Bakshi conseguiu conter as duas desgraças anteriores com este bom mini-filme.

Trabalhos na televisãoEditar

Antes de alcançar sua "glória" nos filmes, Bakshi trabalhou como animador e diretor em episódios de séries desanimadas, como em uma série sobre um rato herói e também na série do Miranha dos anos 60.

  Conheça também a versão oposta de Ralph Bakshi no Mundo do Contra: