Abrir menu principal

Desciclopédia β

Rania da Jordânia

FNM.png Este artigo é feminista!

Provavelmente um macho escroto que não encontra o clitóris fez bropriating da mina empoderada que criou o artigo.

O artigo pode conter misandria, então não leia se for omi.

Rania al Yassin (quando solteira) ou Rania Al Abdullah (após casada) é a atual rainha com azar consorte da Jordânia, esposa do rei Abdullah II e também youtuber nas horas vagas.

Rania al-Yasin Abdullah
Rania.jpg
A única que é permitida sem burca no Oriente Médio
Nascimento 31 de agosto de 1970
Kuwait
Nacionalidade Bandeira da Jordânia Jordânia
Ocupação Rainha
Altura 1,67 m
Peso 58 kg
Olhos Castanhos
Cabelo Moreno

Biografia

A família de Rania é oriunda da Palestina, mas antes do seu nascimento a parentada debandou para o Kuwait em busca de melhores condições de vida. Foi na capital kuwaitiana que a então futura rainha acabou sendo parida.

Devido à invasão iraquiana liderada por Saddam Hussein em 1990, Rania no mesmo ano fugiu para seu lar atual, a Jordânia, onde começou a trabalhar em um banco. Pouco tempo depois, foi contratada por Steve Jobs para ser funcionária da Apple, emprego que conquistou apenas por ser gostosa.

A fim de provar que além da beleza tinha competência também, em 1991 comprou um diploma em administração de empresas da Universidade Americana do Cairo. Sim, uma universidade no Egito financiada pelos Estados Unidos, tudo a ver.

Em 1993, durante um jantar de negócios, conheceu Abdullah II, na época ainda um reles príncipe, já que seu pai, o rei Hussein da Jordânia, ainda não havia batido as botas. No mesmo ano, Abdullah pediu Rania em casamento e obviamente ela aceitou, oficializando a união matrimonial no dia 10 de junho.

O primeiro filho do casal é parido no dia 28 de junho de 1994, consolidando um bem sucedido golpe da barriga aplicado por Rania. Mesmo já tendo sua pensão zilionária garantida em caso de separação, ela fez questão de aumentar esta garantia tendo mais três filhos com o marido trouxa, duas meninas e mais um menino. Toda a prole foi devidamente batizada às margens do Rio Jordão.

Além de enfeitar o governo da Jordânia, Rania é uma ativista SJW ferrenha, sempre problematizando sobre educação, saúde, economia e diálogos interculturais nas redes sociais, desviando olhares da corrupção exercida pelo marido por baixo dos panos.

Majestade da Jordânia

Em 1999, Hussein da Jordânia faleceu de um câncer no cu e teve seu testamento adulterado para que Abdullah II assumisse o governo em seu lugar, mesmo que o próximo sucessor legal fosse na verdade Hassan ibn Tallal, irmão de Hussein e tio de Abdullah. Assim, no dia 9 de fevereiro Abdullah assumiu o trono jordano, consequentemente coroando Rania junto com ele.

Tirando proveito de sua alta posição social, Rania decidiu se rebelar contra os costumes árabes tradicionais, rejeitando o uso da burca e proibindo que o rei tivesse outras esposas além dela, sendo portanto a única mulher no harém de Abdullah, pelo menos oficialmente.

Devido ao tédio em fazer porra nenhuma como primeira dama, em 30 de março de 2008 ela criou um canal no YouTube, onde grava vídeos pregando o feminazismo e faz vlogs biscoiteiros mostrando seu trabalho beneficente com mulheres e crianças pobres.

Ao longo do seu reinado, publicou alguns livros infantojuvenis visando doutrinar as criancinhas árabes a quebrar os padrões islâmicos, aumentando assim as taxas de mortalidade infantil ao criar potenciais vítimas mirins para o ISIS.

Tem uma richa pessoal com o jornalista brasileiro Caio Blinder desde 2011, por este ter dito umas verdades que ela não gostou.