Alemanha Oriental


●Bundesrepublik Demokratische Deutschlands
●República Proletária Marxista-Leninista Nazista da Alemanha (Oriental)
●Perdedores do Leste

Bandeira da Alemanha Oriental.png RAF-Logo.svg
Bandeira Brasão
Lema: Aqui tem vodka, lá tem cerveja
Hino: Trabantlied
Soviet Sector Germany.png
Expansionismo comunista alemão
Capital Berlingrado
Língua alemão, russo, albanês e analfabetismo
Tipo de Governo Monarquia republicana comunista democrática
Staatsvorsitzender Wilhelm Pieck, Walter Ulbricht, Erich Honecker, Egon Krenz (de jure), Stalin (de fato)
Moeda Rublo soviético
População 17 milhões de cidadãos felizes e satisfeitos



Alemanha Oriental foi a parte da Alemanha reservada ao Lado Vermelho da Força durante a Guerra Quente, que sendo oriental concentrava a produção de mangás e animes em louvor ao socialismo. Depois de ir à falência foi comprada pelo primeiro-ministro Helmut Kohl por cinco cestas básicas e reanexada à Alemanha do outro lado do muro, que teve que ser demolido para dar lugar a monumentos em homenagem ao muro que existia ali e vender mais souvenires.

HistóriaEditar

 
Celebração dos 40 anos da Alemanha Oriental. Apenas uma semana depois o país acabou, isso que é eficiência

Com a derrota de Adolfinho no Segundo Arranca-Rabo Mundial, os cabeças-de-chave de cada um dos grupos que disputou o confronto, Reino Unido, França, Estados Unidos e União Soviética, ficaram cada um com um quarto da Alemanha. Não, não aqueles quartos em que a sua mãe ganha a vida, mas aquela fração que se escreve assim 1/4, foi com isso aí que cada um ficou.

O Reino Unido, França e EUA, como bons miguxos que eram, decidiram juntar suas partes pois um território maior significava uma população maior, que representava mais importações, que significava mais dinheiro. E esses três países, como capitalistas mercenários que são, não iam perder a oportunidade de fazer um cascalho.

No entanto, o quarto membro do grupo, a União Soviética, governada pelo comunista fanático e altamente antissocial Joseph Stalin, não permitiu que os habitantes do lote que lhe cabia conhecessem coisas tão bacanas quanto a ilusória liberdade de expressão, o direito de propriedade, a competição e as dívidas bancárias. Assim, cercou sua parte com um muro e batizou-a de República Democrática Alemã. Como ninguém era burro o bastante de chamar uma ditadura escancarada de democracia, o nome que acabou pegando foi Alemanha Oriental, já que a quase totalidade de sua população descendia de soviéticos e chineses.

A Alemanha Oriental caiu em 1989 junto com o Muro de Berlim, mas ao contrário do senso comum o muro não rachou e não foi a chuva que fez tudo cair, foi a inutilidade do regime.

GeografiaEditar

A Alemanha Oriental ficava ao Leste (Oriente) da Alemanha que ficava ao Oeste dessa, a irmão rica, ou Alemanha Ocidental. A Alemanha Oriental já oi uma nação muito pobre e falida, como todos os países comunistas, entretanto hoje ela é apenas uma parte da Alemanha, rica e Alemã como todo o resto.

EconomiaEditar

País fortemente industrializado, a Alemanha Oriental tinha como principais produtos de exportação, a saber, pobreza, fome e pobres, cartazes de propaganda, tinta vermelha, pedaços de concreto, brinquedos feitos de ossos de anti-comunistas, órgãos humanos e puladores de muro. Já as importações eram comida (menos de 0,000000100002% do necessário), ditadores e livros de Stalin e Lênin, já que Karl Marx era de lá mesmo.