Abrir menu principal

Desciclopédia β

Rio do Campo

Ponte-HLuz.jpg Se quésh quésh, se non quésh, dish!

Este artigo é catarinense! Já entrou em coma alcoólico na Oktoberfest, sabe o que é boi-de-mamão, tem um poster do Guga e pensa que é alemão!

Venha para o lado barriga-verde da força você também!

Wikisplode.gif
Para aqueles sem senso de humor, os espertalhões da Wikipédia têm um artigo (pouco confiável) sobre: Rio do Campo.

Cquote1.png Esses rios do Rio do Campo são tão puros e limpo, quanto os do Rio Tiete. Cquote2.png
Um morador de Rio Campo sobre as poluições nas águas existentes por lá

'Rio do Campo é um município brasileiro do estado de Santa Catarina, conhecida lá como o Oásis de águas purissimas, apesar de que puras não existir em nada.

Sua história

 
Quem se importa de como é Rio do Campo? Essa camiseta é muito mais legal que lá!

A história de sua colonização tem origem na Guerra do Contestado, quando alguns fugitivos desceram a Serra Geral fixando-se nas localidades de Rio Azul e arredores enquanto morriam mais de 8 mil soldados naquela região. Foram registrados conflitos entre posseiros em Taiozinho. Desmembrou-se de Taió no dia 29 de dezembro cuja data é o nome da rua principal da cidade, que era o seu principal esgoto dos seus belissimos bairros.

A sua economia

Sua economia é baseada basicamente na pequena propriedade familiar que adora pegar no pesado (não pense em besteiras sua mente insana), sendo que se destacam os cultivos de arroz e fumo, muito fumo mesmo e em menor escala estão os cultivos de milho, feijão, criações de gado, etc. Apesar de lá sobreviver mesmo com vendas de fumo e matando vários de cancer por ano.

O município também vem tomando como vocação o plantio em grande quantidade de pinus e eucalipto. Registre-se que a cidade, que começou excencialmente agrícola, já mostra vias de progresso na agroindústria e nas produções de melhores cigarros para que te ferrem os seus pulmões, após muito tragos. No local estão várias famílias de origem européia que foram vítimas dos cigaros criados em Rio do Campo, dentre as quais portuguesas, italianas, alemães e polonesas. Existem origens negras e indígenas também no local carinhosamente chamados de carga preta de burro.

O município conquistou sua própria comarca de cigarros assassinos finissimos a partir do ano de 2004.