Abrir menu principal

Desciclopédia β

Road to Ruin

Neste álbum, pela primeira vez, a banda não se deixou fotografar, porque os músicos tinham medo de serem reconhecidos pela imigração norte-americana e deportados de volta para o México

Road to Ruin é o quinto álbum da bunda banda punk norte-americana Ramones, que por ação de um vórtice espaço-temporal foi lançado antes do quarto, It's Alive. Ele marca a estreia do guitarrista escocês Mark Knopfler na bateria, sob o nome de guerra Marky Ramone. Foi também neste álbum que os Ramones fizeram, pela primeira vez, canções com mais de três minutos, por exigência de sua gravadora, que não suportava mais o desperdício de LPs, já que os álbuns da banda podiam ser gravados em apenas um dos lados do disco e o outro ficava completamente inutilizado.


Lista de músicasEditar

  1. I Just Want To Have Something To Do – 2:42
  2. I Wanted Everything – 3:18
  3. Don't Come Close – 2:44
  4. I Don't Want You – 2:26
  5. Needles & Pins – 2:21
  6. I'm Against It – 2:07
  7. I Wanna Be Sedated – 2:29
  8. Go Mental – 2:42
  9. Questioningly – 3:22
  10. She's The One – 2:13
  11. Bad Brain – 2:25
  12. It's A Long Way Back – 2:20


HistóriaEditar

Em 1978, o então baterista da banda, Tommy Ramone, tem uma visão divina após tomar um chá de cogumelos pintadinhos e resolve largar sua vida autodestrutiva de roqueiro da pesada e se dedicar à religião. Mais tarde, em sua autobiografia não-autorizada Um Húngaro no Queens, ele confessaria que seu real motivo era querer ganhar algum dinheiro, já que o que recebia como músico mal dava para comprar drogas.

 
  Também, agora vou criar uma banda pra só eu aparecer!  
Phil Collins, indicando a razão da origem do Genesis, grupo de rock progressivo-soporífero

Desesperados com a possibilidade de ficarem sem baterista (já que na época ainda não havia sido inventada a música eletrônica), os Ramones restantes resolveram abrir um processo seletivo, buscando alguém (não necessariamente um músico) para ocupar a vaga. Após semanas de intensos testes, audições, provas de resistência e de culhões (é dito que o multibaterista inglês Phil Collins desistiu de concorrer à vaga porque teria ficado com nojinho de comer olhos de cabra, uma das provas do processo de seleção), foi afinal selecionado o então entregador de pizza Mark Knopfler, de origem escocesa, que mais tarde também deixaria a banda para fundar o grupo de hard rock underwear stainer Dire Straits.

Empolgados com o novo integrante - que era o único que realmente sabia tocar - , os músicos resolveram gravar um novo álbum, que decidiram chamar de Road to Ruin em homenagem a uma excursão que haviam feito às ruínas de Pompeia, na Itália. Tommy Ramone, para já começar a se familiarizar com tirar dinheiro de milagres, resolveu produzir o álbum e gerenciar a banda.

CuriosidadesEditar

As músicas Needles & Pins, I Wanna Be Sedated, Go Mental e Bad Brain foram gravadas após a internação de Joey e Dee Dee Ramone no hospital psiquiátrico Arkham, aonde foram levados depois de serem pegos violando túmulos num cemitério indígena no Arizona. Como revelaram-se imunes à suave terapia de eletrochoques (já que seus célebros não funcionavam regularmente devido ao consumo excessivo de drogas), foram dispensados depois de duas semanas de internação. Entretanto a experiência foi suficiente para os músicos alterarem os rumos da música que faziam, introduzindo novos elementos. A música mais famosa do álbum, I Wanna Be Sedated, ganhou em 1979 o prêmio Grammy de Melhor Solo de uma nota só, o que foi recebido com desprezo pela banda - afinal, prêmio não é coisa de punk, véio!