Abrir menu principal

Desciclopédia β

Rui Manuel César Costa

Rui Manuel César Costa (Amadora, Damaia, 29 de março de 1972), conhecido apenas como Rui Costa, é um futebolista português do tempo do teu pai que você não conhece por não se ligar tanto em futebol ou por ser muito cabaço.

Rui Costa
Ruicosta.jpg
Nascimento 29 de março de 1972
Amadora
Nacionalidade Bandeira de Portugal Portugal
Altura 1,80
Peso Tinha menos carne que um pastel de queijo
Posição Meia-atacante
Direito
Clubes Malfica, Florentina de Jesus e Banana à milanesa
Estilo de Jogo Armador, mas um armador que realmente buscava jogo, e não que nem esses armador meia-boca de hoje em dia que correm menos que uma tartaruga
Gols 90% de fora da área (a maioria cortando pro meio e batendo de direita) e o resto de pênalti
Prêmios Segundo melhor meia do campeonato italiano nos anos 90 (Zidane jogava na Juventus nessa época, esqueceu?)


CarreiraEditar

Foi revelado pelo Benfica no início da década de 90, sendo muito promissor desde cedo. Esperava-se que ele fosse o grande astro da equipa durante muitos anos, mas aí Tiririca ofereceu mais de um milhão de euros para que Costa fosse para o time que ele estava montando na Itália, a Florentina de Jesus. Como na época, os benfiquistas não tinham dinheiro nem pra pagar um bolinho de bacalhau, foram obrigados a aceitarem a proposta.

Ao chegar em Florença, Rui Costa fez uma grande dupla com Batistuta, aquele atacante argentino que parecia ator da Paixão de Cristo. Ambos fizeram a Fiorentina tornar-se um dos maiores clubes do país e ganharam alguns títulos, mas nunca conseguiram vencer um scudetto. Chegaram bem perto em 1999, quando o mulambento do Edmundo fazia parte do time, mas acabaram atrás do Milan como em 99% do torneios que disputavam.

Como diz o velho deitado, "se não pode vencê-los, junte-se a eles", e Rui Costa fez as malas e foi para Milão. Lá, ele ganhou todos os títulos possíveis, desde Mundial de Clubes até torneio de várzea entre os amigos do então presidente Silvio Berlusconi. Quando percebeu que não tinha mais espaço na sua sala de troféus, ele percebeu que estava na hora de se contentar algo mais modesto, portanto pegou seu passaporte e voltou para Benfica. Pelos lampiões ele ainda gastou uma bola e tentou ser o mentor de Di María, mas passado algum tempo viu que era demais pra sua idade (já era um senhor de quase muito respeitáveis 50 anos) e embora fosse melhor que todo o elenco, aposentou-se e contentou-se com um cargo na administração do clube que só conseguiu graças ao seu status de ídolo, apear de não saber porra nenhuma de administração.

Estilo de jogoEditar

Antes de Figo, Deco, Quaresma e até mesmo Cristiano Ronaldo, Rui Costa era pra muitos o segundo melhor jogador português da história. Alto, com 1,80m de altura (naquela época quem tinha 1,80 era considerado alto. Hoje em dia qualquer moleque de família bem-estruturada tem no mínimo essa altura), rápido, habilidoso e com boa visão de jogo, foi considerado um dos melhores meio-campistas de sua geração. Podemos dizer que foi o precursor do Totti, numa versão sem grife do italiano. Sua jogada favorita era receber a bola na lateral, cortar pro meio e bater de fora da área com a perna direita. Mais tarde serviria de influência para Arjen Robben criar sua única famosa jogada.

Ver tambémEditar

  • Pauleta, outro craque português da mesma época do Rui Costa
  • Nuno Gomes, mais um benfiquista famoso