São João Batista (Santa Catarina)

Ponte-HLuz.jpg Se quésh quésh, se non quésh, dish!

Este artigo é catarinense! Já entrou em coma alcoólico na Oktoberfest, sabe o que é boi-de-mamão, tem um poster do Guga e pensa que é alemão!

Venha para o lado barriga-verde da força você também!

Cquote1.svg Você quis dizer: Capital da maconha e do crack? Cquote2.svg
Google sobre São João Batista (Santa Catarina)
Cquote1.svg Você quis dizer: São João das Brigas Políticas? Cquote2.svg
Google sobre São João Batista (Santa Catarina)
Cquote1.svg Sabe, eu moro em SJB SC! Cquote2.svg
Eu sobre São João Batista

Município de São João Batista
"Capital do açúcar e calçado"
Bandeira Sjb Sc.jpg Brasao Sjb Sc.jpg
Bandeira Brasão
Aniversário 19 de Julho
Fundação 19 de Julho de 1958
Gentílico Batistense
Lema Tasch tolo tasch?!
Apelidos Capital do açúcar e calçado
Prefeito(a) Pedro Alfredo Ramos (Pedroca) Vice: Déi do Gás (Almir Peixer)
Localização
Localização de São João Batista
Estado Santa Catarina
Região metropolitana Região Infernal de Florianópolis
Municípios limítrofes Antônio Carlos, Biguaçu, Canelinha, Major Gercino, Brusque (Onde mora o Véio da Havan), Nova Trento e Tijucas
Distância até a capital 70 km
Características geográficas
Área Não disponível
População 37.424 hab. Hoje
Idioma Português, Alemão e Catarinense
Densidade 1 hab./km²
Altitude De alto não tem nada, parece um cu mesmo de tão fundo, tipo uns 0 metros
Clima Quente no verão e frio no inverno Tropical do Sul
Fuso horário UTC Horário do Acre
Indicadores
IDH R$ 0,01 ¢ 09/03/2021
PIB R$ R$ 02,30 ¢ Hoje
PIB per capita R$ R$00,5000 ¢ Hoje

São João Batista é um município minúsculo localizado na Região Infernal da Pequena Florianópolis, em Santa Catarina, onde seu total de animais habitantes atualmente é de 37.424 habitantes, sendo que a minoria é animais e infelismente, a maioria pessoas.

HistóriaEditar

São João Batista foi fundada em 19 de Julho de 1958, por Silvio Santos Capitão Canudo Duro, ele teve a ideia de fundar uma cidade, a qual no futuro seria feita de moradia de maconheiros e bandidos, que foram expulsos de ex-cidades maconheiras. Em 1959, a cidade recebeu o primeiro maconheiro prefeito, o Henrique Mazera Pai Filho, sua primeira ação foi a de fazer campanhas e colar cartazes nas portas de mercados, pois não existia telefones celulares naquela época, com a seguinte frase:   Precisamos de habitantes, uma cidade assim não vira Cracolândia do nada!  

GeografiaEditar

Em São João Batista eles aprendem geografia na escola, atá, é outro tipo de geografia.

ClimaEditar

Em São João o clima é infernal no verão e ártico no inverno, sendo assim, os pirralhos as crianças sempre andam com nariz entupido e tudo catarrento, haja lenço para essas criaturas. A cidade não tem termômetro não, se quiser saber que diabos está o tempo, se vai chover dinheiro ou se vai dar um tornado de dólares, vai que venha dos Estados Unidos, daí é cada um por si e Google Clima por todos. Pode dar um pingo só de chuva que a luz já cai, não adianta reclamar, que eles mandam você tomar no cu.

PopulaçãoEditar

A população de SJB atualmente tem 37.424 habitantes no total, sendo 10 mil pessoas, 10 mil animais, 10 mil maconheiros e 7.424 gaúchos, a maioria desses da região metropolitana de Porto Alegre. Um deles é seu vizinho, você, ele, ela, Deus e todos.

DemografiaEditar

Se você virar na esquina, tu acha uma pessoa. A demografia da cidade de acordo com o IBGE (Instatuto Bagaceiro de Grandes Estatísticas), é de 5 mil pessoas por km², oh cidadezinha que cresceu desde as décadas da minha avó. Em 2005, o que existia mesmo era ar, agora nem ar mais existe, de tanta pessoa que fica fumando respirando o mesmo ar, em uma cidade que não cabe nem a tua mãe pessoa mais magra do mundo, nem o Seu Madruga que é um palito, cabe nessa cidade.

PolíticaEditar

A política da cidade é que nem ringue de box, só ganha quem comprar lutar, porque hoje em dia as pessoas estão cagando e andando para a política, muitos querem ficar na frente do celular só vagabundiando. Nessa cidade, o assunto que mais soa nos ouvidos dos cidadãos é a construção de asfaltos, o qual o ex-prefeito Daniel só sabia fazer, ele estava pouco se fudendo para a saúde ou para a economia, o que mais importavam eram os asfaltos, claro, porque os asfaltos salvam vidas ou porque os asfaltos pagam você, de acordo com Reversal Russa, mas no mundo do contra é você que paga o asfalto. Mas agora o povo abriu o olho e votou em outro prefeito que não vai entulhar a cidade de asfalto (ou sim).

SubdivisõesEditar

BairrosEditar

 
Gari puto por ainda ter que trabalhar nessa cidade...
  • Cardoso: Um bairro que liga para outro bairro, que outro bairro é dependente desse e assim por diante. Cardoso só tem pasto, casas, animais pessoas e maconheiros, isso não falta. Mansão só tem uma, e é beeeem graaaande.
  • Carmelo de Dentro: Bairro esquecido até pelos moradores, onde os ratos tomam conta, o esgoto faz parte da decoração das ruas e as casas estão tudo caindo aos pedaços, dificilmente achar uma que esteja em pé ainda.
  • Carmelo de Fora: Até que é um bairro bonitinho, mas é bem pequinininho, parece teu pinto uma ervilha de tão pequeno, nele se encontra casas, as quais sempre tem umas velhas fofoqueiras fofocando com outras velhas fofoqueiras nos portões de suas casas, aliás, você passa em uma rua e o cheiro de café você já sente lá da entrada da cidade.
  • Centro: O bairro que mais tem gente, pessoa é o que não falta, acidente também, a cada passo que você dá uma pessoa está caída no chão ou um carro bateu no outro. Nesse bairro se encontra um dos maiores mercados da cidade, o Koch, onde só não tem rato, porque a vigilância sanitária fica em cima (Cara, não pensa merda), tem a prefeitura e a biblioteca municipal, também a igreja católica que tem um sino que dá para escutar lá do Acre.
 
O pior mercado da cidade!
  • Krequer: Típico bairro de pobre que não pega porra nenhuma de sinal de telefone, mas se você tem Oi você está no lucro. Não se arrisque a ir lá, porque você corre o sério risco de ser atropelado por moleques malcriados que ficam fazendo empinadinha com bicicletas enferrujadas que fazem mais barulho que porta de filme de terror.
  • Ribanceira do Norte: Dependente do Cardoso, é só pasto pra vaca pastar, sério, não tem nenhuma casa se quer, você vai lá e sai se arrependendo de ter ido, sai com o carro todo sujo de poeira, tipo, é o fim do mundo aquele bairro, se tem casa é um milagre.
  • Ribanceira do Sul: Faz divisa com o bairro acima por causa de uma ponte recém nascida, a qual gerou várias brigas políticas entre os políticos batistenses que são mais desocupados que um próprio desocupado. Ela tem um mercado, ou dois, sei lá, cachorros que ficam a noite inteira enchendo o saco e gatos que ficam miando, parecendo que estão sempre no cio.
  • Rio do Braço: Tá mais para avenida do que bairro, tipo, é um bairro reto com uma rodovia no meio, a tal de Rodovia SC 410, aonde os acidentes não param, esse bairro é conectado em outro através de uma ponte de madeira que é mais cambenga que bêbado.
  • Tajuba I: Esse é o bairro que se relaciona com o acima, os dois são tipo João e Maria, perdidos que ninguém sabe onde está, não tem muito o que se falar sobre esse bairro, pois ele nem tem nada de importante mesmo, é só mais um bairro para o prefeito encher de asfalto mesmo.
  • Tajuba II: Nele se concentra o puteiro Centro Cultural e o Centro de maconheiros Eventos, também a SC 108, que te leva direto para a porta do inferno. Literalmente, nesse bairro se encontra uma das maiores escolas da cidade, o qual o nome dela não interessa para ninguém.
  • Timbézinho: Único bairro onde não se encontra tanto asfalto, se encontra um dos maiores sonhos dos pirralhos que é um lugar que tem animais, brinquedos e um monte de porcarias que pirralhos chatos gostam, a tal de Betânia, propriedade da igreja católica.

DistritosEditar

Não tem, que eu saiba não.

EconomiaEditar

Essa cidade não tem economia, gastam tudo fazendo asfalto, eu já falei! Além de asfalto, eles também amam gastar com foguetes, coisa que é desnecessária pois não precisa de algo que parece uma bomba para comemorar o Ano Novo ou a independência de Major Gercino.

TurismoEditar

Nem perca o seu tempo indo pra lá, porque os próprios habitantes dessa cidade saem dela para fazer turismo em outras, uma cidade que não tem porcaria turística nenhuma. O máximo de entretenimento que você pode encontrar são as pracinhas já desgastadas de tanto as crianças ficarem subindo em cima dos brinquedos.

InfraestrururaEditar

Como eu falei, asfalto é o que não falta, o que falta é vergonha na cara desses políticos que não fazem merda nenhuma pela cidade.

SaúdeEditar

Se você quer sobreviver, você mesmo terá que fazer a sua cirurgia, pois todos os pacientes dessa cidade vão tudo para Florianópolis, porque só tem um hospital, o Monsenhor José Locks, o qual é mais pequeno que as escolas. Emprego no hospital você não encontra, se quiser trabalhar para sobreviver é melhor ir procurar emprego no hospital Azambuja, na cidade vizinha (Brusque).

Saneamento básicoEditar

Quer que eu fale alguma coisa?

SegurançaEditar

 
Eis um exemplo de segurança dessa joça!

Tocou em um assunto que a cidade necessita, de segurança, tu não pode andar sozinho na rua que já vem um ladrão feioso com uma arma falsa te assaltar. O perigo corre solto nessa cidade, há boatos que pessoas de suicidaram por cansarem se serem assaltados nessa cidade.

HabitaçãoEditar

É habitada por catarinenses, gaúchos, italianos, canibais, macumbeiros, maconheiros, bêbados, assaltantes e retardados, até o prefeito é meio noidado da cabeça. Além de duas vezes por ano os Batistenses tem o prazer de prestigiar a presença de ciganos, esses trazendo para São João Batista a sua cultura de gritar mais alto que uma cabra. Ficam acampados em pastos, lugar que você pode encontrar bastante em São João Batista, porque essa cidade já foi habitada por caipiras e ainda é.

TransportesEditar

A cidade é tão pequena que nem busão pra levar daqui alí não tem, você não pode evitar a fadiga se o seu assunto a tratar no centro é sério. Tipo, você anda uns 100 metros e já está no centro, então não se preocupe, a vossa pessoa não vai morrer se andar daqui alí, se não compra um carro, é o que não falta nessa cidade.

ComunicaçãoEditar

A comunicação é ótima, ainda mais se for para falar mal da vida dos outros, aí sim vale a pena.

CulturaEditar

A cidade tem a cultura de jogar foguetes enquanto uns choram, principalmente agora nesses tempos de humildade. Durante a madrugada, você dormirá com o som do canto dos gatos, uma música que enche o coração de qualquer um de amor.

EsportesEditar

Eles jogam mais é futebol, não tem um moleque malcriado que não ame jogar isso, mas também tem o jogo de cuidar da vida dos outros, esse todos ou não sabem jogar, principalmente as senhorinhas que moram nas mesmas casinhas desde que nasceram.

CulináriaEditar

O que mais sabem fazer é café, tu vai na casa de um é:   Quer um cafézinho?   E também... Ah, sei lá!

IdiomaEditar

Em São João eles falam:

ReligiãoEditar

Muitos batistenses são católicos, que vivem indo na igreja se confessar das borradas que fizeram para a Santa, também tem:

LazerEditar

 
O único turismo dessa porra, a Cachoeira do Fernandes, onde é um lindo berço de traficantes de dorgas.

O lazer dos Batistenses é tipo sair de casa e ir em uma das poucas pracinhas para pirralhos que tem na cidade, ou se não, vão na cidade vizinha, que é mais melhor do que ficar olhando o celular para falar bosta e acabar levando um Vai tomar naquele lugar. Também existe uma cachoeira, a cachoeira do Fernandes, que tem uma grande concentração de drogados e sempre tem aqueles desocupados que ainda perdem tempo indo nessa porra, sendo que eles saem de lá sem nada, pois eles são estuprados roubados.

HinoEditar

Essa é a minha versão do hino, se quiser saber a versão original vai pesquisar, eu não sou o Letras.com não!

Capital da maconha e do crack

 
Desbravando plantações ilegais
Gente drogada, com droga e bebida
Chega aqui neste solo proibido
Verde vale, feito para cheirador

E não tarda a surgir as maconhas
De drogados chapados chegados
Cheirando com o nariz e fumando
Funda aqui uma nova Cracolândia

Glória a ti, traficante maconheiro
Quem com as mãos e o nariz fumaras
Conseguiste plantar a semente
Nesta terra de crack e maconha

Cracolândia aparece crescendo
Sob o som dos tiros dos pirados
Com o plantiu e a gostosura da cocaína
É a capital da maconha e do crack

Chapadão, o grande maconheiro
Protetor desta terra cheirante
Derramai sobre toda essa gente
Vossas maconhas e cracks mil

Hoje todos chapados queremos
Neste hino de amor te saudar
Cracolândia, nossa terra querida
E teu progresso chapado exaltar

Veja tambémEditar