Abrir menu principal

Desciclopédia β

São Vicente (São Paulo)

Gnome-searchtool blue.png São Vicente (São Paulo) é uma pequena cidade desconhecida.
Você pode estar perdendo seu tempo à-toa ao ler sobre essa joça.
O índice de desemprego lá é 290%.

Sciences de la terre.svg.png


Cquote1.png Você quis dizer: SóViSelva Cquote2.png
Google sobre São Vicente (São Paulo)
Cquote1.png Ô povo feio !!! Cquote2.png
Turista sobre São Vicente
Cquote1.png As mulheres daqui são feias, mas aí já é demais... Cquote2.png
Imperador Albertus Mourão I, de Praia Grande sobre a "beleza" das mulheres de São Vicente
Cquote1.png Eu sou de Santos, estou aqui só pra passear! Cquote2.png
Sãovicentino se fingindo de santista para não passar vergonha por morar em São Vicente
Cquote1.png É uma das Colônias do Reino de Santos, destruída pelo lixo, enchente e desordem causada pelo Reich Cláudio Bili. Cquote2.png
Capitão Óbvio
Cquote1.png Infelizmente, Isto ecziste!!! Cquote2.png
Padre Quevedo sobre São Vicente
Cquote1.png Que lixo... Cquote2.png
Santista sobre São Vicente
Cquote1.png Que lixo... Cquote2.png
Praiagrandense sobre São Vicente
Cquote1.png Até que é um lugar agradável. Cquote2.png
Cubatense sobre São Vicente
Cquote1.png JAPUÍ, JAPUÍ, JAPUÍ, QUEM VAI PRO JAPUÍ? Cquote2.png
Cobrador dos ônibus clandestinos em São Vicente
Cquote1.png Jesus... Cquote2.png
Pessoa normal sobre as ruas imundas de São Vicente
Cquote1.png Me deixa fora dessa, mané! Cquote2.png
Jesus sobre pessoa acima
Cquote1.png O que eu fiz? Meu Deus, o que eu fiz... Cquote2.png
Martim Afonso sobre São Vicente
Cquote1.png Morar em Praia Grande e estudar, se divertir e fazer compras em Santos não é ruim. Só tem um problema: São Vicente Cquote2.png
Eu sobre São Vicente
Cquote1.png É legal estudar em São Vicente! Direto fico sem aula, pois não tem luz, água ou merenda, já que o prefeito desvia tudo! Cquote2.png
Moleque inocente sobre São Vicente
Cquote1.png Tá vazio, tá vazio, bora, bora! Cquote2.png
O mesmo cobrador de algumas frases acima
Cquote1.png Só seguir a av. Presidente Wilson! Mas antes, passa o celular aí playboy Cquote2.png
Sãovicentino orientando um turista
Cquote1.png Temos que ter muita calma, pois o momento é de crise, tudo vai se resolver... Cquote2.png
Prefeito de São Vicente, enquanto esconde dinheiro no bolso

DramaticQuestionMark.png
Você sabia que...
  • ...São Vicente é uma das cidades mais sujas do Brasil?
São Vicente (São Paulo) Ilha de Lost
Bandeirasv.jpg
Bandeira
Uga uga buga uga!
Hino Orgulho em ser a primeira!
Local Baixada Santista
Idioma Português (ou quase)
Geografia
Clima Inferno
Locais de referência Praça da Biquinha
Economia Não tem
Produtos exportados Lixo
Política
Governo
Nuvola apps core.png
Dos morros
Atual prefeito
Nuvola apps core.png
Reich Claudio Bili
Vice-prefeito
Nuvola apps core.png
Não possui
Mídia
Cidadãos ilustres
Crystal Clear action bookmark.svg.png
Mendigos e muambeiros
Esporte símbolo Nado em enchente
Santo local Pelé


São Vicente, também conhecida como "a ilha de Lost" ou "São Visselva", é uma das colônias do Reino de Santos. A cidade detém o título de primeira vila do Brasil, mas parece que seus habitantes não sentem tanto orgulho assim, contrariando o slogan da cidade pintado em diversas peruas e faixas pela cidade. A cidade é formada majoritariamente por exilados políticos que limpam dinheiro participando da peça de encenação do descobrimento de São Vicente; indígenas perdidos no meio do mato, homossexuais, bandidos, mendigos, mulheres feias e bandidos. Faz divisa com Vice City à esquerda e Santos à direita, sendo considerada pelos habitantes dessas duas cidades um erro geográfico. Pelo menos, para os habitantes de Cubatão, a cidade tem um clima agradável, onde, ainda que dificilmente, há água potável. É a cidade da Baixada Santista onde mais se concentram viados, lésbicas e não-assumidos, ultrapassando Praia Grande. Concentram-se num lugar chamado "quiosque da Cris", uma barraquinha besta de lanches, já que não tem mais nenhum outro.


Índice

Geografia

 
Por mais que São Vicente não seja lá um bom lugar para se viver, a prefeitura concede sofás de graça espalhados na rua, proporcionando conforto à moradores e visitantes.

São Vicente, como já dito acima, é considerada um erro geográfico. Por quê? Porque está onde Santos deveria estar e começa onde Praia Grande deveria começar. É como se fosse o muro de Berlim, mas com outro nome. Para achar a cidade é bem fácil, é só seguir pela orla de Santos, despretensiosamente. Você vai reparar que o jardim acaba, dando lugar a campos enormes de mato, terra, lixo hospitalar e bosta, e as ruas começarão a ficar esburacadas. Pronto, você chegou em São Vicente!

A cidade é dividida em duas partes: a parte rica (condado de Boa Vista) e a parte pobre (condado da Cidade Náutica). A parte rica se caracteriza pelas várias ocas, lugares onde vivem os grandes pajés e caciques. Na parte pobre, onde se localizam a praça da Biquinha, está todo o resto da escória do mundo, junto com alguns indígenas perdidos que ainda não se deram conta que os caras pálidas invadiram sua propriedade. Lendas dizem que existe classe média ali (no condado de Brisamar) mas é como enterro de anão, cabeça de bacalhau, vicentino alfabetizado, santista humilde e praiagrandense educado: apenas lenda.

 
Uma das mais ricas moradias da cidade.

Economia

Grande parte do dinheiro vem das muambas vendidas em frente ao Centro de Convenções (dizem as lendas vicentinas que aquele lugar um dia portou grandes eventos), fruto de roubos e furtos. É possível achar roupas usadas, pneus, celulares bichados, cobertores, peças de bicicleta e artesanato vagabundo. Outra parte do dinheiro o prefeito rouba. Não existe um tipo de moeda circulando em São Vicente (pois o prefeito as rouba), então os moradores optam pelo escambo e a barganha. É a única cidade no Brasil que é atrasada em todos os sentidos, tanto que há uma piada que santistas e praiagrandenses contam nas rodas de bar: "sabe porque não há tecnologia em São Vicente? Porque eles não sabem o que significa esse termo!" Na verdade, a única tecnologia presente na cidade, além dos DVDs piratas, são os jogos contrabandeados. Playstation 2, Wii, XBox 360 ou qualquer outro console, que são escambados pelos moradores e visitantes, batendo recordes de venda. Policiais, inclusive, aparecem por lá para negociar alguma coisa ou trocar. Não traz muito retorno para a cidade, visto que todos os produtos trocados acabam virando cocaína para os vendedores.

 
  Ae, me vê dois DVDs das Brasileirinhas, o da Tropa de Elite e eu vou levar o du 300 também. Vou pagar com pedra qui eu tenho aqui pá jogá nus malandru.  
Policiais negociando com camelôs.

Entrando em detalhes, há o comércio no centro da cidade, com lojas improvisadas vendendo capinha de celular, mouses roubados e DVDs piratas, mas os lucros não se comparam à prostituição, algo muito comum e que acontece principalmente na mais conhecida avenida de São Vicente (a única, na verdade), a Presidente Wilson, onde mulheres ficam perto dos pontos de ônibus esperando seus clientes. Estranhamente, possuem a voz grossa e queixo quadrado demais, e vendem o corpo por 1kg de alimento não perecível. Não obstante, você encontra até aquela sua empregada que precisa de um pouquinho mais de renda familiar. Se você quiser uma noite de prazer inesquecível, ande sempre com 1kg de alimento não perecível em seu carro. Só não podemos precisar em que sentido isso lhe será inesquecível, mas tente a sorte! Vai que você goste das peculiaridades das mulheres de São Vicente.

Um tipo de comércio que vem crescendo muito é o de batata frita, chocolate derretido, garrafas de água e passes falsificados. Esses ficam na Ponte Pênsil durante o dia, e na Av. Presidente Wilson e na rua da Prefeitura à noite.

Transportes

Não há ônibus, com exceção dos intermunicipais. Há, portanto, três opções: peruas, bicicleta roubada e "de a pé". É a única cidade do estado de São Paulo que possui mais de 300 mil habitantes e não conta com um transporte público por ônibus, além de não haver terminais de integração ou faixas de fluxo rápido para ônibus e fiscalização adequada dos veículos na cidade.

 
Uma perua de lotação.

As peruas de lotação são meios selvagens e primitivos (como tudo na cidade) de se locomover, por haver motoristas loucos, cobradores mal educados e idosos resmungões que se apertam naquelas cadeirinhas desconfortáveis enquanto os veículos costuram a cidade e eventualmente batem em algum poste ou pulam numa lombada. Como você pode ver na imagem, esses veículos são sujos, danificados, ultrapassados e comprados para lavar dinheiro. Uma simples viagem entre bairros em um desses pode se tornar uma jornada para a morte.


Pontos de Interesse (ou nem tanto)

Praça da Biquinha

 
Pessoas mijando na Biquinha. Não há nada de errado nisso, afinal ela sempre serviu para isso mesmo!

Por algum motivo esdrúxulo, ridículo, incabível, ou apenas demência mental mesmo, há aquelas pessoas que sentem vontade de conhecer a ilha de Lost mais a fundo. Se você é uma dessas pessoas, ainda dá tempo de desistir comece pela Praça da Biquinha. Há coisas muito interessantes para se fazer por lá, como por exemplo conhecer a primeira privada do Brasil, pintada a mão pelos portugueses. Você pode, também, comprar doces nas barraquinhas, como doce de leite, bomba de doce de leite, chocolate de doce de leite, doce de leite de doce de leite, morango com doce de leite, brigadeiro de doce de leite... Acontece por lá também uma feirinha de artesanato vagabundo, organizada por vários mendigos e hippies fedidos que sabe-se lá de onde vieram (provavelmente da sua mãe) que te espetam com seringas contaminadas com HIV caso você tente roubar algo de lá.

Hoje em dia, a praça da Biquinha está em (eterna) construção. Graças às verbas desviadas pelo Reich Bili, aquela pracinha sempre ficará em obras e agora serve de ponto para maconheiros e tarados. Não é raro você achar alguma camisinha jogada por ali ou uma calcinha queimada, por exemplo. Uma das várias lendas vicentinas diz que ali há um pequeno museu de artes cênicas, mas apenas quem é corajoso o suficiente para pular os muros de madeira consegue chegar lá.

Ilha Porchat (não, não fica em Santos!)

 
Ilha Porchat, numa foto de 1900 e guaraná com rolha. A data não importa, pois está do mesmo jeito até hoje.

Não há muito o que se fazer por lá, mas se tratando de São Vicente, qualquer coisa que não seja ficar coçando o saco em casa ou fumar maconha na Biquinha é vantagem. É o cafofo da sociedade LGBT na região, contando com um restaurantezinho meio bosta com vista para o mar. São as chamadas baladas geriátricas: Juá, Isla Bonita e Terraço Chopp.

Ponte Pênis Pênsil

 
A Ponte Pensil, marco da colonização santista na região.

Uma ponte de cem metros que liga São Vicente à Praia Grande (ou seja, entre o nada e lugar nenhum), que deu início à colonização santista. Dali, é possível avistar a grandiosa ponte do Mar Pequeno e o manguezal de Praia Grande. Não muito raro, acontecem assaltos. Funkeiros, índios revoltados, vendedores ambulantes e até policiais e pescadores podem olhar torto para você e o objeto estranho que está a sua volta chamado carro. Moradores de São Vicente só conhecem bicicletas roubadas e peruas de lotação, afinal de contas. Vale lembrar também que a construção da Ponte Pênsil foi uma tentativa do rei de Santos de facilitar a locomoção entre as duas tribos (São Vicente - Praia Grande).

Vila Cultural de São Vicente

 
Vila Cultural de São Vicente.

Nada mais são do que duas casinhas medíocres numa pracinha e que tem como grande atração as fantasias usadas pelos políticos na encenação de Martim Afonso que acontece todos os anos. Há um laguinho de água parada em uma das casas, o que contribuiu para o grande surto de dengue no começo de 2016.

Divisa da Praia

É a faixa de Gaza no Brasil, ou se preferir, o muro de Berlim. Divide Santos e São Vicente, formando aí o tão famoso erro geográfico que não sai da boca dos santistas. Nesse limbo, encontra-se em abundância botequins de quinta categoria, padarias sem pão e hotéis uma ou duas estrelas.

Horto

Aldeia feita pelos tupi-guaranis, onde eles colocam animais em jaulas de bambu, como leões, onças, hipopótamos e peixes. Seus alimentos são os visitantes desinformados que são comidos vivos por colocarem a mão dentro da jaula deles. Os habitantes de São Vicente sempre tiram dezenas de fotos daquele lugar tão sem graça, pois é tão raro achar um lugar sem sujeira naquela cidade que dá vontade de morar no Horto. Se bem que, ultimamente, os animais estão morrendo de fome, já que a Prefeitura de São Vicente não tem verba.

Teleférico

 
Não há nada de "linda aventura" nesse passeio de teleférico, apenas o medo de cair no meio dos carros.

O máximo de diversão que um morador de São Vicente consegue ter está no teleférico. É uma obra-prima da arquitetura moderna e nunca apresentou defeito algum. Subindo no morro, você pode ver de tudo: o mar, Praia Grande, a orla de Santos... Se tiver coragem, pode voar de paraglider também, mas as chances de você colidir com um pombo e se estatelar no meio dos carros lá embaixo é muito alta.

Ipupíara

Martim Afonso (ou foi um índio?) decidiu construir um parque semelhante ao Ibiapuera, em São Poluído, mas fracassou. O resultado foi 5 árvores crescendo num solo de merda, e só. Está lá até hoje, espantando turistas ao invés de atraí-los devido ao cheiro de bosta. Fica perto da Biquinha.

Baladas

Recentemente, os moradores de São Vicente abandonaram seus paus e pedras para descobrirem uma coisa chamada "balada", e gostaram de fazer alguma coisa da vida além de caçar paulistas com arco e flecha. São Vicente possui baladas que só São Vicente poderia ter, de qualidade duvidosa excepcional.

  • Juá: A chamada "balada geriátrica", majoritariamente formada por velhinhos pós-80 que estão cansados de tricotar. Há médicos e enfermeiros (estagiários viados de Enfermagem) de plantão ali, para caso alguém distenda a coluna, rale o joelho, cague na cueca...
  • Corsário: Point de encontro dos índios favelados. Aqueles que gostam de caçar santistas com arco e flecha e compactuam com os índios praiagrandenses. Localiza-se na parte continental da cidade, perto de Cubatão (isso explica porque de primeira vista parece haver alguns monstros lá, mas são apenas as mulheres de São Vicente);
  • Fantastic: Não se deixe enganar pelo nome. Essa baladinha mistura o povo pobretão e feio de São Vicente com o povo ruim e indigno da Zona Noroeste de Santos. É um show de horrores;


Brisamar - A Grande Revolução

 
Índios se divertindo no shopping. Perceba que alguns são meio afeminados...

Até algum tempo atrás, os habitantes de São Vicente não se divertiam de outro modo a não ser caçando peixes com lanças e comendo travestis na Av. Presidente Wilson. Mas, como o tempo é generoso, acabaram por descobrir algo inédito: se chamava shopping. Um lugar cheio de lojas. Oh, que modernidade! Os sãovicentinos ficaram estupefatos com tamanha tecnologia. Escada rolante, ar condicionado e, pasmem: um cinema! Nem precisa falar que virou febre entre os índios.

Antigamente, para assistir a maravilhosa inovação tecnológica que se chama "filme", os índios tinham que se descolar até Santos ou Praia Grande, enfrentando grandes perigos no caminho (que eles não percebiam que eles próprios causavam). Agora, o shopping Brisamar (nome sugestivo, não?) conta com o Cine Roxy! As massas locais já foram prestigiar o local, pichando e depredando poltronas e paredes com piadinhas de mal gosto.

Aqui está o trecho de uma notícia do Jornal ATribunda, que narra a primeira semana de inauguração do shopping:

"Os sãovicentinos estão eufóricos. Largaram suas lanças, arcos e flechas, coisas que nunca ninguém pensou que fariam, e foram direto para a nova construção do Grupo Mendes: o shopping Brisamar. Multidões se arrastam por entre os corredores. Manos, travestis, índios e até mesmo praiagrandenses e cubatenses vieram ver a novidade. Infelizmente, como é de acontecer em São Vicente, um arrastão prejudicou os primeiros dias de inauguração do shopping, e os seguranças de empresas terceirizadas mal-pagas com armas de numeração raspada não conseguiram conter o arrastão; aliás, participaram dele. Entrevistamos um morador de São Vicente e perguntamos o que ele achou do novo shopping.

"Caraio, loco, um elevador! Sobe e desce mó rápidãããão, tio, cé loco! Lá em casa tinha isso não, a gente usava cipó mesmo... Tecnologia né mano? Falando nisso, me passa o celular aê playboy!"

O trecho acaba por aqui, óbvio, pois o cidadão de São Vicente adquiriu uma nova tecnologia nunca antes vista por ninguém de sua cidade: um aparelho que faz ligações.

Hoje em dia, o shopping está um poço de desgraça. Paredes pichadas, banheiros cagados, camisinhas usadas nas privadas... Testemunhas relatam que diversas lojas foram furtadas, pessoas foram furtadas e que tais furtos foram filmados, porém as fitas e as câmeras também foram furtadas. Os pertences delas estão à venda na feira do rolo em frente ao Centro de Convenções. O shopping é carinhosamente chamado de Brisamano ou Brisaemo, por causa das pessoas que aparecem por ali. A praça de alimentação conta com McDonald's (óbvio) e lojinhas de yakissoba suspeitos preparados pelos asiáticos mafiosos de Praia Grande.


Política

A política da cidade se resume em duas Eras: a.B (antes de Bili) e d.B (depois de Bili). Antes de Bili, era tudo podre. Ruas esburacadas, pratças cheirando bosta, maconheiros transando na esquina, gente mijando nos postes igual cachorro, pichações nos muros... Depois de Bili, a coisa piorou. Não há verba para educação, saúde e nem saneamento básico (é mais saudável comer terra da Biquinha do que beber a água dos canos de São Vicente).

Reich Claudio Bili, amigo da Dinastia França, comanda a cidade com olhos fechados. Promete que tudo vai melhorar, mas nunca melhora. Há toneladas de lixo na Prefeitura e nas ruas. À noite, há queima de pneus, um antigo protesto indígena.

Educação

Uma bosta. Há poucas escolas públicas, onde aprendizes de bandido ameaçam professores com pistolas e transam na sala de aula. O que? Tá achando que eu tô brincando? As escolas particulares são piores ainda, com mensalidades absurdas que ninguém paga, pois ninguém lá tem dinheiro.

Saúde

Uma bosta maior ainda. Se você está doente, pode se tratar em um dos três hospitais disponíveis: CREU, Anaconda e São Fudêncio, porém, há chances de você ficar mais doente ainda. Sempre há greve nesses lugares, as máquinas são enferrujadas, os médicos de plantão são mal educados e as enfermeiras mais ainda. Idosos reclamam, mas não há o que fazer. É mais seguro consultar o pajé.

Ídolos

  • Ulisses: Skatista profissional (ganhou o torneio de skate de mendigos do bairro), uma das "pessoas" mais conhecida de São Vicente. Ele também é conhecido por fazer coisas nojentas, como comer catarro, barata, cachorro, merda, sapo, casquinhas do proprio machucado...
  • Manoel "Cheira peido": É o mendigo mais conhecido da cidade. A maior merda que ele ja fez na vida dele foi ter vindo pra São Vicente, quando ele passa na rua tem sempre algum trombadinha que grita: Cheiraaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa peidooooooooooooooooooo!

ele sai disparado pra te bater, diz a lenda que ele morreu mas vai saber!

  • Palhinha: Primeiro morador da Área Continental de Lost. Mora no condado de Gleba, mas toma seu café da manhã (uma branquinha e um pão na chapa com manteiga margarina) num boteco no condado do Quarentenário todas as manhãs.

Encenação de Martim Afonso

Uma das maiores piadas de nosso país, a encenação de Martim Afonso acontece todo ano na maravilhosa praia de São Vicente. Sem dinheiro para pagar atores, os próprios vereadores e parentes dos mesmos se vestem de personagens ícones do descobrimento do Brasil. Conta com uma plateia incrível de aproximadamente vinte pessoas. Essa encenação serve mais para lavagem de dinheiro do que para qualquer outra coisa. Você pode assistir esse espetáculo de bizarrices aqui:


Ver também


  Salve, mano! Este artigo é paulista: não gosta de gaúcho nem de carioca e se acha um puta trabalhador, né, meu! E não tá completo, pois o vacilão foi tomar um chôps e dois pastel, meu!