Abrir menu principal

Desciclopédia β

Síndrome da Fotomania Obsessiva Compulsiva

Asclepius.png A Desciclopédia não é um consultório de medicuzinho.
Por isso, tome vergonha e vá procurar um para fazer seu check-up.

Cquote1.png AMIGAAAA, OLHA!! UM ESPELHO!!! Pega a câmera, RÁPIDO Cquote2.png
Guria retardada sofrendo uma crise de abstinência
Cquote1.png NÂAAAAAAAAAOOOOO!!! ACABOO A BATERIA DA CÂMERA, AHHHHHHHHHHHHHAHAHAHHAHH Cquote2.png
A mesma guria tendo um ataque de pânico
Cquote1.png Adolescente morre por não conseguir tirar foto no espelho do shopping Cquote2.png
William Bonner no jornal nacional sobre guria retardada com SiFOC
Cquote1.png É uma doença Cquote2.png
Capitão Obvio sobre SiFOC
Cquote1.png EuuxX AMuuu TiIrAA FooTinhHUUU Nuuu ESspElhuuUU Cquote2.png
Paciente com SiFOC em estágio terminal da doença
Cquote1.png "But first, let me take a selfie" Cquote2.png
The Chainsmokers sobre SiFOC


No Wikipedia.png QUEBROU A CARA!

Os espertalhões da Wikipédia NÃO têm um artigo sobre: Síndrome da Fotomania Obsessiva Compulsiva.

Índice

O que éEditar

 
Típica guria retardada com essa síndrome

A Síndrome da Fotomania Obsessiva Compulsiva ou simplesmente SiFOC é uma doença mental extremamente comum entre jovens (principalmente gurias retardadas) entre 12 e 21 anos e em alguns casos velhos com mais de 40. Ela se caracteriza pela obsessão incontrolável de um indivíduo em tirar fotos de qualquer coisa, seja de si mesmo (selfie), pessoas aleatórias desconhecidas, animais, plantas e objetos inanimados, inclusive comida e a própria merda no vaso. Apesar das semelhanças não se deve confundir com pessoas fotogênicas que apesar de possuir uma afinidade natural para com a fotografia não possuem a mesma obsessão incontrolável dos indivíduos com a síndrome. Indivíduos com SiFOC não podem controlar de forma consciente seus desejos maniacos de tirar fotos, pois absolutamente qualquer objeto pode se tornar motivo para uma fotografia.

DescobertaEditar

Doutor Roberto é o responsável pela descoberta da síndrome e atualmente trabalha em uma pesquisa na UNIDES (Universidade Desciclopédia) para descobrir suas origens mais detalhadas, os genes envolvidos e uma possível cura ou tratamento mais eficiente. Porém atualmente a única forma de um indivíduo com SiFOC viver normalmente é como o controle das crises de abstinência. O indivíduo sempre deve estar portando uma câmera fotográfica (ou qualquer aparelho que permita tirar fotos) e a todo momento que houver vontade de fotografar deve-se deixar, pois caso ocorra uma crise e não tenha uma câmera por perto ou esta for impedida, consequências desastrosas podem acontecer. Segundo Dr.Roberto, a causa da doença está em um defeito no par 12 dos cromossomos autossômicos. A mutação no cromossomo provavelmente é causada pela longa exposição a flashs fotográficos durante a gravidez. Porém não é qualquer flash mas sim aqueles provenientes de lâmpadas de gás Criptônio. A radiação eletromagnética de alta frequência emitida por elas podem penetrar no útero e chegam até o feto, causando a mutação. Outra possível causa é a hereditariedade. A SiFOC é uma herança influenciada pelo sexo, sendo de caráter recessivo em homens e dominante em mulheres. Por isso a maior incidência dessa doença em mulheres, que geralmente se manifesta no início da puberdade, devido aos hormônios femininos, estrógeno e progesterona.

Crises de AbstinênciaEditar

 
Pessoas com SiFOC tem o estranho hábito de tirar foto de panelas com porcarias nojentas comidas exóticas e fazer sinais de mão

As crises de abstinência por SiFOC são extremamente mortais, tanto para o indivíduo com a doença quanto para as pessoas próximas a ela. Os principais sintomas da crise são:

  • Salivação
  • Tremedeira
  • Ansiedade
  • Histeria
  • Diarreia
  • Vômito
  • Taquicardia
  • Ataque de panico
  • Começar a falar miguxes
  • Combustão Espontânea
  • Diminuição da pressão sanguínea
  • Hemorragia interna
  • Falência dos órgãos
  • Projeção dos globos oculares
  • Automutilação


 
Pessoa sofrendo de uma crise de abstinência

Cuidados com o pacienteEditar

  • Nunca delete uma foto da câmera de uma paciente com SiFOC, a menos que você queira uma morte lenta e dolorosa.
  • Caso você esteja com alguém com SiFOC, leve sua própria câmera. Pois se a dele der problema, você oferece a sua e se salva.
  • Crises de abstinência são raras, mas se você estiver perto de uma pessoa enquanto ele tem um ataque, corra pra caralho.
  • Mantenha o paciente longe de espelhos grandes.
  • Sempre leve sua câmera, nunca se sabe

Veja TambémEditar


Síndromes, autismos, retardos mentais e outras frescuras patológicas da humanidade