Abrir menu principal

Desciclopédia β

Síndrome de Benjamin Button cerebral

A mundialmente conhecida síndrome de Benjamin Button cerebral ou síndrome de Benjamin Button social, é uma patologia descoberta em meados de 2007, que é estudada pelos cientistas do mundo inteiro devido sua complexidade. De maneira resumida, é quando algum ser, idiota como o Anônimo, vai em um site ou em um estabelecimento e acha que os outros estão admirados, quando ele paga de criancinha e fica falando asneira à torto e à direita, se achando o máximo, porém ele só está passando a sua deficiência para as outras pessoas presentes no local, que até a chegada dele eram, teoricamente, normais. Entretanto, acabaram sendo infectadas e assim passam o vírus adiante, ou seja, nada mais é do que uma regressão mental à medida que a pessoa, de fato, envelhece.

HistóriaEditar

 
O dito cujo, quase um mini-Einstein.

Em 1986 nasceu um suposto prodígio espertão, que sabia de tudo e fazia equações avançadas, que já nasceu dando mortal da vagina da mãe e falando mandarim. Passou no ENEM com apenas 12 anos e 3 meses de idade e, aos 16, se formou em direito, tanto que com 17 já tinha um doutorado no currículo. Entretanto, como nem tudo são flores, ele começou a emburrecer (lê-se ficar desprovido de inteligência) na medida que ele crescia, e então quando ele tinha 21 anos, começou a se sentir um pouco estranho. Seus familiares notaram que ele já não era mais o gênio que era há alguns anos, porque agora estava falando top e sextou nas redes sociais. Também começou a assistir desenhos infantis como Digimon e Pokémon. Passado mais algum tempo, ele ia regredindo cada vez mais mentalmente, começando a chorar quando sua mãe dizia "não" pra ele, entre outras infantilidades. Para esse suposto prodígio, tudo estava normal, ele permanecia o mesmo gênio e as pessoas o admiravam demais, mas na verdade, todos sentiam era pena dele.

Conforme o tempo ia passando, a patologia ia se mostrando cada vez mais poderosa. Agora, nosso exímio prodígio já navegava pela internet desbravando o mundo virtual em busca de hentai conhecimento e sabedoria, entretanto, tudo o que fazia era bostejar pelos dedos. Já era irreversível, ele começou espalhar o câncer em blogs, sits, wikis, redes sociais, por onde ele passava ele deixava um rastro de merda. Algum site o bania, ele não entendia o porquê, afinal, um gênio como ele deveria ser admirado por todos, mas ele voltava criando múltiplas contas, ninguém podia detê-lo. A doença se mostrava tão forte e ele havia regredido tanto, que ele já falava como se fosse uma personagem de desenho animado, já havia confundido sua personalidade. Os usuários, ao verem isso, rapidamente perdiam inspiração, a confiança na vida, no universo e tudo mais.

Também existe um outro caso registrado, que é do Homem Alienígena que surgiu em 19000000 A.C e ele enterrou um mapa da cidade de Mahowh, localizada no Acre. Quando a acharam o mapa, tiveram um vírus que deixou ele um completo idiota. Entretanto, se ele fosse de meia-idade se tornaria um idiota, porém ele se tornaria hiper-inteligente se ele tivesse menos que 14 anos, quando o alienígena achou o homem que abriu a câmara secreta de JAHQG em Wjav, um planeta distante, ele enviou esse homem para a terra para espalhar o seu câncer e fazer a burrice de querer dominar o mundo.

Manifestação e curaEditar

Como já pudemos perceber acima, a doença se manifestou no primeiro infeliz quando este recém completou 20 anos, muito cedo em sua vida. Estudos científicos apontam que há casos em que com apenas 10 anos a doença já havia se manifestado, entretanto, não havia dado tempo nem para o dito cujo manifestar sua precoce genialidade de maneira sábia, o que causava um desespero e AAAAA nos também infelizes pais.

Infelizmente nós não sabemos ainda se há uma cura para isso, apenas conhecemos uma única forma de prevenção: o famoso banhammer, um remédio encontrado nas farmácias mais famosas do Brasil que bloqueiam qualquer tipo de manifestação dessa patologia.


Síndromes, autismos, retardos mentais e outras frescuras patológicas da humanidade