Seleção Inglesa de Futebol

Barrichello Criyng.jpg Seleção Inglesa de Futebol é um(a) PERDEDOR(A)

E não adianta chorar, sempre vai se foder bonito.

Clique aqui para ver outros azarões.


Mais um lance genial perpetrado por um craque (sic) inglês.

Cquote1.svg Você quis dizer: Seleção Inglesa de Frescobol Cquote2.svg
Google sobre Seleção Inglesa de Futebol
Cquote1.svg A física não permite! Cquote2.svg
Galvão Bueno sobre o terceiro gol da Inglaterra na final da Copa de 66
Cquote1.svg Na União Soviética, Portugal não consegue ganhar de VOCÊ !! Cquote2.svg
Reversal Russa sobre Seleção Inglesa de Futebol
Cquote1.svg Na União Soviética, os pênaltis não conseguem ganhar em VOCÊ !! Cquote2.svg
Reversal Russa sobre Seleção Inglesa de Futebol
Cquote1.svg Na União Soviética, as semifinais da Eurocopa não conseguem avançar de VOCÊ !! Cquote2.svg
Reversal Russa sobre Seleção Inglesa de Futebol
Cquote1.svg Acompanhei todos os seus jogos, menos na Copa de 66. Estávamos em turnê pela Europa nesse tempo. Cquote2.svg
Mick Jagger sobre Seleção Inglesa de Futebol

A Seleção Inglesa de Frescobol é o time montado pela Associação Nacional de anti-Futebol para representar apenas a Inglaterra (e não todo o Reino Unido, por sorte dos galeses, escoceses e norte-irlandeses) nas competições da FIFA e da UEFA. Apesar de ter inventado o futebol, a Inglaterra é reconhecida por ter uma das peores seleções "top de linha" do mundo, sendo considerada a Once Caldas das seleções, chegando a um título mundial sei-lá-como, quando sediou a peleja em 1966. Seus times são tão ruins, mas tão ruins, que nem pra Copa de 1974, 1978 e Euro 2008 o país se classificou.

Outra prova da ruindade do time foi o próprio título mundial de 66, que foi uma completa farsa. Tanto que rolou até gol que não foi gol, apesar de até hoje eles insistirem que a bola bateu no travessão, quicou depois da linha do gol, se enroscou na rede, deu um duplo twist carpado e voltou pra fora.

Ciclo Inglês (válido para toda Copa/Eurocopa)Editar

 
David Beckham comentando o desempenho de sua seleção.
 
Steven Gerrard se preparando para pisar na bola.

Dois anos para o torneioEditar

Após a eliminação nas oitavas/quartas/primeira fase, todos começam a falar sobre vergonha, que a Premier League tem estrangeiros demais, que a Inglaterra deveria adotar o modelo francês/holandês/espanhol/alemão/insira país que ganhou o torneio anterior aqui, que os jogadores são frescos e recebem dinheiro demais, etc, etc. Um ex-jogador da seleção vai aparecer na TV mais nervoso que o Alborghetti e todo mundo vai falar que ele tem razão. O técnico, claro, é trocado, como manda a tradição em países tradicionais.

Um ano e meio para o torneioEditar

Perto do começo das eliminatórias, analistas chegam a um consenso de que o treinador deveria esquecer/não criar expectativas para o próximo torneio e começar a planejar para o ciclo que vem.

Um ano para o torneioEditar

A Inglaterra começa muito bem as eliminatórias, liderando com 100% de aproveitamento um grupo fortíssimo com Eslovênia, Liechtenstein, Nárnia, Mordor e Domínio de Melchizedek. Jonjo Shelvey é convocado, enquanto James Milner é titular pela molésima vez.

Dez meses para o torneioEditar

 
Acredite, a Inglaterra quase foi eliminada deste grupo

A Inglaterra vence Arstotzka por 6-0 em Manchester. O técnico fala sobre uma mistura perfeita de juventude e experiência. Um jogador jovem impressiona nos seus 20 minutos de estreia pela seleção, garantindo seu lugar no elenco do torneio como jovem esperança/futuro bode expiatório.

Seis meses para o torneioEditar

A Inglaterra assegura sua classificação com uma rodada de antecedência. Jornalistas começam a escalar seus times para o jogo de estreia. As expectativas aumentam exponencialmente. Jogadores importantes se contundem. Todos se esquecem de que os jogadores ingleses não têm nenhuma qualidade técnica fora de simuladores eletrônicos de futebol, e que Wayne Rooney derrete no sol como um cubo de gelo, tendo tanta utilidade na equipe quanto um velho cego, surdo e tetraplégico de oitenta anos de idade.

Um mês para o torneioEditar

Todos os carros na Inglaterra estão repletos de bandeirinhas de plástico vagabundo. Analistas, ex-jogadores e jogadores atuais começam a sugerir que talvez esta possa ser a melhor chance que a Inglaterra tem de vencer um torneio desde 1966. O desempenho da Inglaterra varia de acordo com o grupo em que caiu no sorteio:

Começa o torneioEditar

 
Típica tática usada pela Inglaterra em Copas do Mundo.
 
Não adianta tentar fingir: não foi gol e pronto!
  • Caso a Inglaterra caia em um grupo considerado forte, sua estreia será contra a outra equipe considerada favorita a avançar de fase. Fatalmente a Inglaterra perderá este jogo, porém a imprensa encontrará uma miríade de pontos positivos em tal atuação. O time irá engrenar no segundo jogo, derrotando convincentemente os dois adversários restantes do grupo. Caso esteja numa Copa do Mundo, passará sem problemas pelo seu adversário nas oitavas, mas cairá para o adversário de camisa pesada nas quartas, de preferência após dominar boa parte das ações do jogo, de preferência por um gol de diferença após passar meia hora bombardeando o gol adversário. Caso esteja numa Eurocopa, cairá logo nas quartas para um adversário de peso, de preferência nos pênaltis, de preferência após um ou dois jogadores ingleses chutarem field goals ou bolas extremamente óbvias e o goleiro errar todos os cantos na hora de defender.
  • Caso a Inglaterra caia em um grupo considerado fraco, empatará a estreia contra a equipe mais aleatória do grupo, em uma batalha de 90 minutos de futebol travado e monótono como uma batalha de trincheiras na Primeira Guerra Mundial. O sofrimento segue na segunda partida, onde o time consegue um empate sem gols ou uma vitória de 1-0 mais dramática que uma exibição de Hamlet. Na terceira partida, vencem pelo placar mínimo, se classificando em primeiro no grupo graças ao empate ou derrota do segundo colocado com um gol nos últimos minutos. Em ambos os casos, cai no tempo normal para a primeira seleção tradicional que enfrentar.

Retrospecto recenteEditar

Após não se classificar para a Copa de 94 por achar que americano não sabia organizar um torneio de futebol, a Inglaterra fez parte de praticamente todos os torneios.

Eurocopa de 1996Editar

  It's coooooooming home! It's cooooooooming home!  
Um torcedor da Inglaterra sobre a expectativa de sediar um torneio trinta anos depois

Pra você ver como essa seleção é amaldiçoada nem uma euro em casa conseguiu vencer. Começou com um 1-1 com a Suíça, depois venceu o clássico britânico com a Escócia por 2-0 e enfiou 4-1 na Holanda. Nas quartas de final passou pela Espanha nos pênaltis (0-0 no tempo normal e prorrogação) por 4-2 e na semifinal o sonho da conquista inédita foi pelo ralo, depois de um 1-1 com a Alemanha no tempo normal e prorrogação perdeu de 6-5 nos pênaltis, e Gareth Southgate (hoje técnico da seleção) foi o único pentelho que perdeu um pênalti naquela disputa.

Copa do Mundo de 2002Editar

Fez parte do grupo da morte na primeira fase, com Argentina, Nigéria e Suécia. Surpreendentemente, classificou-se em primeiro lugar e ainda eliminou os argentinos. Sua trajetória na Copa terminou nas quartas: saiu na frente contra o Brasil, mas acabou levando a virada em um gol que Ronaldinho Gaúcho ainda não sabe como fez.

Eurocopa de 2004Editar

Abriu a campanha contra a França, onde sofreu um colapso no qual levou a virada de um jogo praticamente ganho nos acréscimos. Passou em jogos enfadonhos contra Suíça e Croácia, até que enfrentou Portugal nas quartas de final, em um momento icônico em que o goleiro passou a disputa de pênaltis toda sem luvas, já que já sabia que pelo menos dois ingleses iam chutar suas cobranças em algum ponto do Oceano Atlântico.

Eurocopa de 2008Editar

Desta vez o colapso veio ainda nas eliminatórias, e a equipe tirou férias forçadas para ver o torneio pela televisão.

Copa do Mundo de 2010Editar

Depois de uma campanha arrasadora nas eliminatórias (o único torneio onde vão realmente bem), estreia contra os EUA (jogo sob ameaça de terrorismo), empatou em 1-1 com direito a frangasso de Green, depois fez um sonolento 0-0 com a Argélia e na última rodada venceu cagado a Eslovênia por 1-0. Aí nas oitavas a Alemanha se vingou da final de '66 e venceu por 4-1 (ambas jogando com os mesmos uniformes), lembrando que no jogo ainda teve o gol não marcado de Lampard num chute de fora da área em que a bola bateu no travessão e entrou, mas nem o juiz ou o bandeirinha viram (ou fingiram que não viram), ironicamente o contrário da final de '66, quando no último lance da prorrogação Geoff Hurst marcou o gol do título (e seu terceiro no jogo) para os ingleses, mas a bola bateu no travessão e em cima da linha, mas provavelmente o bandeirinha foi comprado e deu o gol. Coincidentemente, se o gol de Lampard tivesse sido validado, o placar do jogo seria o mesmo de '66, 4-2, só que dessa vez pro outro lado.

Eurocopa de 2012Editar

Começou com um 1-1 com a França (rivalidade que vai além do futebol), depois venceu suado a Suécia por 3-2 e na última rodada Rooney deu a vitória aos ingleses diante da Ucrânia só que assim como em '66 a arbitragem deu uma "mãozinha" para o English Team, no gol não marcado de Dević para a Ucrânia onde a bola cruzou a linha de gol. Nas oitavas, depois de um 0-0 no tempo normal e prorrogação, perdeu nos pênaltis pra Itália por 4-2 e deu adeus ao título (de novo)...

Copa do Mundo de 2014Editar

  It's coooooooming home! It's cooooooooming home!  
A esposa de um torcedor da Inglaterra sobre o marido ter que voltar pra casa com antecedência porque a Inglaterra ficou na primeira fase


Depois de mais uma ótima campanha no apuramento a seleção broxou no torneio principal como sempre faz, perdendo pra Itália e Uruguai por 2-1 e fechando o torneio na lanterna com um 0-0 diante da Costa Rica. Mas pelo menos Rooney acabou com a maldição de não fazer gol em copa do mundo e marcou um gol contra o Uruguai.

Eurocopa de 2016Editar

  It's coooooooming home! It's cooooooooming home!  
Um torcedor da Inglaterra sobre perder pra um time com nome de youtuber no escudo da camisa

Depois do aproveitamento de 100% nas eliminatórias, era a chance de repetir na Europa na França. A seleção nunca venceu uma estreia de euro na história, vencia a Rússia por 1-0 mas Berezutskiy acabou com a festa dos ingleses e empatou no último lance de jogo. Sofreu pra derrotar o vizinho País de Gales de virada por 2-1 e na última rodada empatou sem gols com a Eslováquia e se classificou em 2° no Grupo B. Nas oitavas sofreu uma das maiores humilhações de sua história, perdendo de virada pra Islândia por 2-1, um país que tem mais vulcões do que jogadores profissionais.

Copa do Mundo de 2018Editar

Finalmente a seleção fez uma campanha decente numa torneio importante, estreou vencendo a Tunísia por 2-1, 6-1 no todo-poderoso Panamá e perdeu de 1-0 pra Futebol. Nas oitavas sofreu pra derrotar a Colômbia nos pênaltis por 4-3 após um 1-1 no tempo normal, depois venceu a Suécia (que desde 2016 não conta mais com Ibrahimović) por 2-0, na semifinal caiu na prorrogação pra Croácia por 2-1 e na disputa do terceiro lugar perdeu pra Bélgica de novo, dessa vez por 2-0. Não venceram mas pelo menos Harry Kane foi o artilheiro da copa com 6 gols.

Eurocopa de 2021Editar

No Grupo D jogará contra Croácia, República Tcheca e a vizinha Escócia. Vamos ver se a seleção vai ser eliminada nas oitavas de final de novo.

ElencoEditar

O elenco da seleção inglesa consiste das mesmas peças, apenas com nomes diferentes para dar a impressão de renovação ou reciclagem do elenco.

O goleiro, invariavelmente, é um frangueiro que foi catado do primeiro time acima da zona de rebaixamento da Premier League porque todos os outros times empregavam goleiros de fora, podendo ser também um ex-jogador em atividade. Geralmente tem apenas uma temporada de destaque na carreira, voltando imediatamente ao ostracismo ou ao banco de um time da parte de cima da tabela. Os goleiros reservas são escolhidos completamente ao acaso, como em 2014, quando a ITV escolheu o terceiro goleiro para a Copa do Mundo por meio de um reality show vencido por um zelador de escola.

A dupla de zaga deve ser obrigatoriamente composta por um zagueiro com cara de alcoólatra que dá uma falsa sensação de segurança para seus torcedores, gozando de uma reputação de excelência apenas porque joga em um time extremamente rico que termina as temporadas com saldo de gols entre +110 e +220. No entanto, este mesmo zagueiro é exposto contra o primeiro jogador com um pouco mais de velocidade ou habilidade que encontra. O outro zagueiro pode ser um outro que está começando a ter cara de alcoólatra, ou um negão careca extremamente forte e agressivo. No caso do segundo ser titular, todos os outros zagueiros convocados têm que ter cara de bêbado. Os laterais sempre são um negro extremamente rápido e um outro jogador que não se destaca em absolutamente nenhum aspecto do jogo. A única variação neste caso é que às vezes o lateral bom é o esquerdo, e em outros casos o melhor é o direito. Mas é de conhecimento público que os dois laterais não podem ser de nível similar, tanto para o bem quanto para o mal.

O meio-campo é composto por dois centrocampistas cujo nível de habilidade varia desde carregador de piano cuja única habilidade é correr dez quilômetros por jogo até jogadores polivalentes e altamente versáteis, podendo ajudar no ataque e (bem raramente) na defesa. Os alas da equipe são conhecidos apenas pela velocidade e pelos ocasionais gols que fazem com que a imprensa especializada ache que estes pertencem à elite do futebol mundial, apesar de só estarem de titulares em seus times porque eles ainda não conseguiram comprar um francês ou espanhol para substituí-los. Um destes alas obrigatoriamente tem menos de 23 anos de idade, o que faz com que os especialistas especulem sobre seu potencial de ser o novo insira nome de jogador inglês que se aposentou na época em que sua bisavó era virgem.

O ataque consiste de várias opções como um cara alto que fica na banheira esperando o chuveirinho, já que se locomove como se estivesse calçando pés de pato, um negro oportunista que aproveita sua velocidade e sua imprevisibilidade para ficar um passo à frente da defesa, não aparecendo para o jogo em nenhum outro momento fora a finalização, um atacante extremamente sobrevalorizado pela imprensa por causa de dois gols em uma partida continental contra um time de quinto escalão do futebol europeu como o Benfica e outro unanimemente visto como alguém que não merece ser chamado à seleção por ser considerado um perna-de-pau que só tem números decentes por sorte ou porque o esquema de jogo do décimo quinto colocado se concentra em mandar a bola a ele e rezar para que aconteça um milagre e ele faça alguma coisa fora perder a bola e ceder um contra-ataque gratuito ao oponente.