Setúbal

Setúbal, também conhecida por Labutes, Sovietúbal e por Terra do Carrapau é uma cidade tipicamente portuguesa constituída por uma avenida com casas dos dois lados.

Chatuba de Setúbal
"Lisboa 2.0, URRSS"
Informação geral
Fundação Não disponível
Gentílico Sádico
Apelidos Terra do Carrapau
Presidente da Câmara Municipal Um gajo do PCP
Site oficial {{{website}}}
Localização
Região NUTS II Área Metrropolitana de Lisboa
Sub-região NUTS III Área Metrropolitana de Lisboa
Distrito Setúbal
Municípios limítrofes Lisboa e o Alentejo
Distância da capital do distrito Capital do distrrito homónimo
Distância de Lisboa a um pulo de distância
Nível na Escala de Toxicidade Social 1
Características geográficas
Área total Não disponível
Número de habitantes varria entre zerro durrante o dia e 900 mil durrante a noite
Idioma Porrtuguês
Clima Não disponível

Foi nesta cidade que nasceram grandes vultos da sociedade portuguesa como por exemplo Bocage, o homem que mais putas consumiu em Portugal; Luísa Todi, uma puta lírica que Bocage não comeu (não se pode ter tudo...) e José Mourinho, que nunca foi às putas. A presença de putedo já vem de longe: os franceses invadiram a cidade há 200 anos atrás e inseminaram os gene da excessiva acentuação do erre em tudo quanto foi ninhada luso-francesa criando assim expressões como "vamos comerre choco frite", "olha, olha, o Homem-Arranha a lutarre contrra o Homem-Arreia" e "Ai que carralhe tã grrosse!".

Foto de Setúbal nos dias atuais.

Em 1525, D. Manuel I deu-lhe o foral (que era assim o instrumento de orientação da ASAE à época) novo e apelidou de "notável vila". Mais tarde, em 1860, D. Pedro V elevou-a a cidade. Ainda hoje ninguém sabe onde estes reis tinham a cabeça para fazerem isto. Alguns supeitam que era ligeiramente acima dos ombros.

História curiosa foi a do rei D. João II que também gostava das putas de Labutes. Um dia o cunhado decide que era assim, a modos que curtido matar o rei. Uns dos conspiradores, um tal de Judas, dá com a língua dos dentes e o rei fica saber da marosca. O rei manda chamar o cunhado e diz-lhe: "Ó meu grande palhaço! Então tu quereis-me matar-me?" E quando se deu por isso o cunhado veio a correr contra o punhal do rei e, vá-se lá saber porquê, esvaiu-se em sangue e... morreu!

O Vitória de Setúbal, perdão, o Vitórriaaaaa! era foi é o clube da cidade da cidade. Já ganhou uns quantos canecos, incluindo o Caneco de Portugal e o Caneco Teresa Herrera, bem como uma coisa feíssima chamada Mini caneco do Mundo que, pelos vistos, só existiu um vez. Faliu em 2020 e nem Deus sabe se vai voltar do Campeonato de Portugal.

A actual presidente da Câmara é uma senhora cheia de dores... Meira.

Tem uma baía onde os golfinhos esfodaçam uns com os outros desesperadamente na esperança de renovar a espécie.

Tem-se notícias de gerações de brasileiros com esse sobrenome que tiveram progenitores que fugiram da península ibérica em busca de novos mundos e acabaram por voltar ao notarem que o Rei D. João VI consumira todas as putas d'além mar.

Mesmo assim foram deixados herdeiros que, mesmo sem saber da potencialidade do sobrenome, logo trataram de degustar todas as criaturas do sexo feminino no primeiro momento da idade fértil (entre 12 e 12,1 anos) para depois perguntar "Foi bom para ti? Onde estou? Qual teu nome? O que consomes nesta casa que possa me oferecer? Setúbal, prazer".

A fama Setubalense logo obrigou países com língua inglesa (e outras línguas sexualmente sensíveis que não usam acentuação) a adotarem a acentuação para não ferirem a testosterona que conquistou Portugal, Brasil e outros países menos citados.